Mudanças sociais contemporâneas e saúde: considerações sobre a biomedicina e a saúde pública

  • Aurea Maria Zöllner Ianni Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Biomedicina. Saúde pública.

Resumo

Não é possível pensar a sociedade moderna, contemporânea, sem se remeter à ideia de mudança social – um tema genuíno e clássico das ciências sociais – ou, nas palavras de Stompka (2005, p. 13), do “coração da sociologia”. Para ele, talvez toda a sociologia seja sobre mudança social. Posteriormente a Stompka, Bauman, conectado a seu tempo, radicalizará a formulação sobre a mudança social, chegando ao conceito de “modernidade líquida” que, segundo ele, se traduz na “convicção de que a mudança é a nossa única permanência” (Bauman, 2011).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Aurea Maria Zöllner Ianni, Universidade de São Paulo
Graduada em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (1980), Mestre (1999) e Doutora (2004) em Ciência Ambiental, e Pós-Doutora pela Universidade Estadual de Campinas (2009). Livre-Docente na área de Ciências Sociais em Saúde pela Faculdade de Saúde Pública da USP (2012). Docente da Faculdade de Saúde Pública da USP e credenciada junto aos Programas de Pós-Graduação em Saúde Pública da Faculdade de Saúde Pública da USP e de Pós-Graduação em Mudança Social e Participação Política da Escola de Artes e Humanidades da USP.

Referências

BAUMAN, Z. “A face humana da sociologia” (entrevista a Laura Greenhalg). Jornal O Estado de São Paulo. 30 de Abril de 2011, p. S4.

BLANC, M. Os Herdeiros de Darwin. Trad. Mariclara Barros. Lisboa: Editorial Teorema, 1991.

BECK, U. Sociedade de Risco. Rumo a uma outra Modernidade. Trad. Sebastião Nascimento. São Paulo: Editora 34, 2010.

BECK, U.; LAU, C. “Second modernity as a research agenda: theoretical and empirical explorations in the ‘meta-change’ of modern society”. The British Journal of Sociology, Volume 56, Issue 4, 2005.

BELL, D. “Introdução”. In: O Advento da Sociedade Pós-industrial. Uma Tentativa de Previsão Social. Trad. Heloisa de Lima Dantas. São Paulo: Editora Cultrix, 1973, p. 15-62.

CAMARGO JR, K. R. Biomedicina, Saber & Ciência: uma Abordagem Crítica. São Paulo: Editora HUCITEC, 2003.

GIDDENS, A. As Conseqüências da Modernidade. Trad. Raul Fiker. São Paulo: Editora UNESP, p. 43-51, 1991.

HOBSBAWM, E. Como Mudar o Mundo. Marx e o Marxismo. Trad. Donaldson M. Garschagen. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

LEWONTIN, R. C. Biology as Ideology. The Doctrine of DNA. New York: Harper Collins Publishers, 1991.

LYOTARD, J. F. Capítulo 1 “O campo: o saber nas sociedades informatizadas”. In: A Condição Pós-Moderna. Trad. Ricardo Corrêa Barbosa. Rio de Janeiro: José Olympio, 2009, p. 3-10.

MACHADO, R. “Introdução. Por uma genealogia do poder”. In: FOUCAULT, M. Microfísica do Poder. Trad. Roberto Machado. Rio de Janeiro: Edições Graal Ltda., 1993, p. viixxviii.

NUNES, J. A. Capítulo 1 “Laboratórios, escalas e mediações na investigação biomédica. A oncobiologia entre o global e o local”. In: NUNES, J. A. e GONÇALVES, M. E. (orgs). Enteados de Galileu? A Semiperiferia no sistema Mundial da Ciência. Porto: Afrontamento, 2001, p. 33-75.

SANTOS, L. G. “Predação high tech, biodiversidade e erosão cultural: o caso do Brasil”. 23 pgs. Disponível em: . Acesso em: 14 set. 2012.

SARTI, C. “Corpo e Doença no trânsito de saberes”. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 2, n. 74, p. 77- 191, out. 2010.

SZTPOMPKA, P. “Prefácio”. In: A Sociologia da Mudança Social. Trad. Pedro Jorgensen Jr. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005, p. 13-17.

TEIXEIRA, M. O. “Plataformas Tecnológicas e as práticas de pesquisa em biomedicina – observações preliminares sobre o uso de dispositivos globais e instituições locais”. Sociologias, Porto Alegre, ano 14, n. 29, p. 312-336, jan./abr. 2012.

Publicado
2013-07-29
Como Citar
Ianni, A. M. Z. (2013). Mudanças sociais contemporâneas e saúde: considerações sobre a biomedicina e a saúde pública. Idéias, 4(1), 41-58. https://doi.org/10.20396/ideias.v4i1.8649397