A seiva e o traço: história, natureza e narrativa no diário de viagem de Francisco Freire Alemão (1859-1861)

  • Karoline Viana Teixeira Universidade Federal do Ceará
Palavras-chave: Identidade nacional. Natureza. Narrativa. Escrita da história.

Resumo

O presente artigo analisa o projeto de identidade nacional do Instituto Histórico Geográfico Brasileiro (IHGB), tendo como objeto o diário de viagem do botânico Francisco Freire Alemão, membro do Instituto. Para o IHGB, a escrita da história de uma nação originada de sociedades iletradas passaria pelo estudo das ciências naturais, na busca de um ordenamento inteligível da natureza pela narrativa. Nesse sentido, pretendo depreender deste relato determinada prática de construção da memória e da temporalidade a partir da adoção de certos procedimentos narrativos, ligados às premissas da herança ilustrada e do historicismo romântico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Karoline Viana Teixeira, Universidade Federal do Ceará
Doutoranda em História Social (Universidade Federal do Ceará – UFC) e bolsista do Programa Reuni de Orientação e Operacionalização da Pós-Graduação Articulada à Graduação (Propag).

Referências

ALEMÃO, F. F. Diário de viagem de Francisco Freire Alemão (1859- 1861). Fortaleza: Fundação Waldemar Alcântara, 2011.

BARBOSA, J. C. “Discurso no ato de estatuir-se o IHGB”. Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, Rio de janeiro, v. 1, n. 1, p. 9-17, 1839.

BRAGA, R. História da Comissão Científica de Exploração. Fortaleza: Imprensa Universitária do Ceará, 1962.

CARVALHO, J. M. A construção da ordem: a elite política imperial. Teatro de sombras: a política imperial. 6ª ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

COELHO, M. C. A epistemologia de uma viagem. São Paulo: Livraria da Física, 2010.

DAMASCENO, D.; CUNHA, W. Os manuscritos do botânico Freire Alemão, catálogo e transcrição. Rio de Janeiro: Divisão de Publicações e Divulgação da Biblioteca Nacional, 1964.

GUIMARÃES, L. M. P. Debaixo da imediata proteção imperial: Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro (1838-1889). 2ª ed. São Paulo: Annablume, 2011.

GUIMARÃES, M. L. S. “História e natureza em von Martius: esquadrinhando o Brasil para construir a nação”. História, Ciência, Saúde - Manguinhos [online], Rio de Janeiro, v. 7, n. 2, p. 391-413, 2000. Disponível em: . Acesso em: 27 ago. 2012.

GUIMARÃES, M. L. S. “Para reescrever o passado como história: o IHGB e a Sociedade dos Antiquários do Norte”. In: HEIZER, A.; VIEIRA, A. A. P. (org.). Ciência, civilização e império nos trópicos. Rio de Janeiro: Access, 2001.

GUIMARÃES, M. L. S. “Entre as Luzes e o Romantismo: as tensões da escrita da História no Brasil oitocentista”. In: GUIMARÃES, M. L. S. (org.). Estudos sobre a escrita da história. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2007.

KOSELLECK, R. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto/Editora PUCRio, 2006.

KURY, L. “A Comissão Científica de Exploração (1859-1861): a ciência imperial e a musa cabocla”. In: HEIZER, A.; VIDEIRA, A. A. P. (orgs.). Ciência, Civilização e Império nos Trópicos. Rio de Janeiro: Access, 2001.

LEITE, M. L. M. Livros de viagem (1803-1900). Rio de Janeiro: UFRJ, 1997.

LISBOA, K. M. A Nova Atlântida de Spix e Martius: natureza e civilização na Viagem pelo Brasil (1817-1820). São Paulo: Editora Hucitec, 1997.

MARINS, Paulo César Garcez. Através da rótula: sociedade e arquitetura urbana no Brasil, séculos XVII a XX. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP, 2001.

MENEZES, U. B. “A História, cativa da memória? Para um mapeamento da memória no campo das Ciências Sociais”. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, São Paulo, n. 34, 1992.

RAMINELLI, R. Viagens Ultramarinas: monarcas, vassalos e governo a distância. São Paulo: Alameda, 2008.

SCHWARCZ, L. M. O espetáculo das raças: cientistas, instituições e questão racial no Brasil (1870-1930). São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

SILVA FILHO, A. L. M. “Nota Explicativa”. In: ALEMÃO, F. F. Diário de Viagem de Francisco Freire Alemão. Fortaleza-Crato, 1859. Fortaleza: Museu do Ceará, 2006.

SÜSSEKIND, Flora. O Brasil não é longe daqui: o narrador; a viagem. 3ª reimpressão, São Paulo, Companhia das Letras, 2008.

Publicado
2013-07-29
Como Citar
Teixeira, K. V. (2013). A seiva e o traço: história, natureza e narrativa no diário de viagem de Francisco Freire Alemão (1859-1861). Idéias, 4(1), 175-197. https://doi.org/10.20396/ideias.v4i1.8649402