Banner Portal
Teoria Sociológica e Metodologia: Apontamentos acerca de algumas controvérsias
PDF

Palavras-chave

Teoria sociológica. Metodologia. Técnicas de pesquisa.

Como Citar

TAVOLARO, Sergio Barreira de Faria. Teoria Sociológica e Metodologia: Apontamentos acerca de algumas controvérsias. Ideias, Campinas, SP, v. 4, p. 13–49, 2014. DOI: 10.20396/ideias.v4i0.8649411. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ideias/article/view/8649411. Acesso em: 15 abr. 2024.

Resumo

Desde longa data, recai sobre a teoria social/sociológica certo ceticismo quanto à legitimidade desta constituir-se como subárea independente no interior da sociologia. O motivo talvez com maior frequência alegado seja o de que o reconhecimento de sua autonomia investigativa implicaria chamar de científi co um tipo de atividade em profundo descompasso com os princípios orientadores da própria ciência. O presente artigo pretende avançar dois argumentos interrelacionados: 1) algumas das desconfi anças que a sociologia dirige à teoria social/sociológica guardam semelhanças em relação às suspeitas que outras áreas do conhecimento endereçam à própria sociologia; seja em razão de sua pretensa abstração (caso da teoria sociológica), seja em virtude da ausência de integração teórica e metodológica, a sociologia é muitas vezes acusada de adotar procedimentos pouco rigorosos, razão sufi ciente de sua incapacidade para desvendar a realidade empírica de maneira sistemática, racional e objetiva; 2) vários dos procedimentos empregados em subáreas consolidadas da sociologia são, na verdade, passíveis de serem encontrados entre os praticantes da teoria sociológica: sob essa rubrica, observa-se uma ampla agenda de pesquisas cuja execução envolve a adoção de métodos e técnicas de coleta de dados compartilhados por outras subáreas da sociologia.
https://doi.org/10.20396/ideias.v4i0.8649411
PDF

Referências

ALEXANDER, J. “The centrality of the classics”. In: GIDDENS, A. and TURNER, J. (eds). Social theory today. Stanford: Stanford University Press.1987.

ANPOCS. Anais dos Encontros anuais, 1997 a 2012.

BLOOR, D. Conhecimento e imaginário social. São Paulo: Editora UNESP [1976]. 2009.

BOURDIEU, P. Science of science and refl exivity. Chicago: The University of Chicago Press. 2004.

CANO, I. “Nas trincheiras do método: o ensino da metodologia das ciências sociais no Brasil”. Sociologias, 14 (31): 94-119. 2012.

COSTA, S. “Teoria por adição”. In: MARTINS, C. B. e MARTINS, H. (orgs). Horizonte das ciências sociais no Brasil: Sociologia. São Paulo: ANPOCS. 2010.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. São Paulo: Edições Loyola [1971]. 2005.

FREITAS, R. S. (2010). “A produção de pesquisa sociológica”. In: MARTINS, C. B. e MARTINS, H. (orgs). Horizonte das ciências sociais no Brasil: Sociologia. São Paulo: ANPOCS. 2010.

GIDDENS, A. The constitution of society: Outline of the theory of structuration. Berkeley: University of California Press [1984]. 1986.

GUSMÃO, L. de. O fetichismo do conceito: Limites do conhecimento teórico na investigação social. Rio de Janeiro: Topbooks Editora. 2012.

HABERMAS, J. “Knowledge and human interest: A general perspective”. In: Knowledge and Human Interests. Bonton: Beacon Press. 1972.

HONNETH, A. The critique of power: Refl ective stages in a critical social theory. Cambridge: The MIT Press [1985]. 1997.

HORKHEIMER, M. “Traditional and critical theory”. In: HORKHEIMER, M. Critical Theory: selected essays. New York: The Seabury Press [1937]. 1972.

IANNI, O. “A crise de paradigmas na sociologia”. Cadernos do Instituto de Filosofi a e Ciências Humanas, n. 20. Campinas: IFCH/Unicamp. 1990.

KUHN, T. Estrutura das revoluções científi cas. São Paulo: Ed. Perspectiva. 1975.

LATOUR, B. and WOOLGAR, S. Laboratory Life: The construction of scientifi c facts. Princeton: Princeton University Press [1979].1986.

MANN, P. Métodos de investigação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar Editores [1968]. 1979.

MANNHEIM, K. Ideology and Utopia: An introduction to the sociology of knowledge. New York: A Harvest/HBJ Book [1929]. 1936.

MERTON, R. “On the sociological theories of the middle range”. In: On theoretical sociology: fi ve essays, old and new. New York: A Free Press[1949]. 1967a.

MERTON, R. “The bearing of sociological theory on empirical research”. In: On theoretical sociology: fi ve essays, old and new. New York: A Free Press. 1967b.

MERTON, R. Sociologia: teoria e estrutura. São Palo: Editora MestreJou [1949]. 1969.

MILLS, C. W. The sociological imagination. London: Oxford University Press [1959]. 1967.

OLIVEIRA, R. C. de. Sobre o pensamento antropológico. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. 1988.

PALLARES-BURKE, M. L. Gilberto Freyre: Um vitoriano dos trópicos. São Paulo: Editora UNESP. 2005.

PARSONS, T. The social system. London: The Free Press [1951]. 1964.

POPPER, K. Lógica das ciências sociais. Brasília: Ed. UnB/Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. 1979.

RAMOS, A. G. A redução sociológica. Rio de Janeiro: Editora UFRJ [1958]. 1996.

SCHWARCZ, L. e BOTELHO, A. “Pensamento social brasileiro, um campo vasto ganhando forma”. In: Lua Nova, 82: 11-16. 2011.

SKINNER, Q. “Meaning and understanding in the history of ideas”. In TULLY, J. and SKINNER, Q. Meaning and Context: Quentin Skinner and his critics. Princeton: Princeton University Press. 1988. SBS. Anais dos congressos bienais, 2005 a 2011.

SILVA, J. P. “Teoria social no Brasil: balanço preliminar de uma experiência recente”. In: SILVA, J. (org). Sociologia crítica no Brasil. São Paulo: Annablume Editora. 2012.

A Idéias utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.