Teoria Sociológica e Metodologia: Apontamentos acerca de algumas controvérsias

Autores

  • Sergio Barreira de Faria Tavolaro Universidade de Brasília

DOI:

https://doi.org/10.20396/ideias.v4i0.8649411

Palavras-chave:

Teoria sociológica. Metodologia. Técnicas de pesquisa.

Resumo

Desde longa data, recai sobre a teoria social/sociológica certo ceticismo quanto à legitimidade desta constituir-se como subárea independente no interior da sociologia. O motivo talvez com maior frequência alegado seja o de que o reconhecimento de sua autonomia investigativa implicaria chamar de científi co um tipo de atividade em profundo descompasso com os princípios orientadores da própria ciência. O presente artigo pretende avançar dois argumentos interrelacionados: 1) algumas das desconfi anças que a sociologia dirige à teoria social/sociológica guardam semelhanças em relação às suspeitas que outras áreas do conhecimento endereçam à própria sociologia; seja em razão de sua pretensa abstração (caso da teoria sociológica), seja em virtude da ausência de integração teórica e metodológica, a sociologia é muitas vezes acusada de adotar procedimentos pouco rigorosos, razão sufi ciente de sua incapacidade para desvendar a realidade empírica de maneira sistemática, racional e objetiva; 2) vários dos procedimentos empregados em subáreas consolidadas da sociologia são, na verdade, passíveis de serem encontrados entre os praticantes da teoria sociológica: sob essa rubrica, observa-se uma ampla agenda de pesquisas cuja execução envolve a adoção de métodos e técnicas de coleta de dados compartilhados por outras subáreas da sociologia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sergio Barreira de Faria Tavolaro, Universidade de Brasília

Professor Adjunto do Departamento de Sociologia e do Programa de PósGraduação em Sociologia da Universidade de Brasília (UnB). Bolsista de Produtividade 2 do CNPq.

Referências

ALEXANDER, J. “The centrality of the classics”. In: GIDDENS, A. and TURNER, J. (eds). Social theory today. Stanford: Stanford University Press.1987.

ANPOCS. Anais dos Encontros anuais, 1997 a 2012.

BLOOR, D. Conhecimento e imaginário social. São Paulo: Editora UNESP [1976]. 2009.

BOURDIEU, P. Science of science and refl exivity. Chicago: The University of Chicago Press. 2004.

CANO, I. “Nas trincheiras do método: o ensino da metodologia das ciências sociais no Brasil”. Sociologias, 14 (31): 94-119. 2012.

COSTA, S. “Teoria por adição”. In: MARTINS, C. B. e MARTINS, H. (orgs). Horizonte das ciências sociais no Brasil: Sociologia. São Paulo: ANPOCS. 2010.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. São Paulo: Edições Loyola [1971]. 2005.

FREITAS, R. S. (2010). “A produção de pesquisa sociológica”. In: MARTINS, C. B. e MARTINS, H. (orgs). Horizonte das ciências sociais no Brasil: Sociologia. São Paulo: ANPOCS. 2010.

GIDDENS, A. The constitution of society: Outline of the theory of structuration. Berkeley: University of California Press [1984]. 1986.

GUSMÃO, L. de. O fetichismo do conceito: Limites do conhecimento teórico na investigação social. Rio de Janeiro: Topbooks Editora. 2012.

HABERMAS, J. “Knowledge and human interest: A general perspective”. In: Knowledge and Human Interests. Bonton: Beacon Press. 1972.

HONNETH, A. The critique of power: Refl ective stages in a critical social theory. Cambridge: The MIT Press [1985]. 1997.

HORKHEIMER, M. “Traditional and critical theory”. In: HORKHEIMER, M. Critical Theory: selected essays. New York: The Seabury Press [1937]. 1972.

IANNI, O. “A crise de paradigmas na sociologia”. Cadernos do Instituto de Filosofi a e Ciências Humanas, n. 20. Campinas: IFCH/Unicamp. 1990.

KUHN, T. Estrutura das revoluções científi cas. São Paulo: Ed. Perspectiva. 1975.

LATOUR, B. and WOOLGAR, S. Laboratory Life: The construction of scientifi c facts. Princeton: Princeton University Press [1979].1986.

MANN, P. Métodos de investigação sociológica. Rio de Janeiro: Zahar Editores [1968]. 1979.

MANNHEIM, K. Ideology and Utopia: An introduction to the sociology of knowledge. New York: A Harvest/HBJ Book [1929]. 1936.

MERTON, R. “On the sociological theories of the middle range”. In: On theoretical sociology: fi ve essays, old and new. New York: A Free Press[1949]. 1967a.

MERTON, R. “The bearing of sociological theory on empirical research”. In: On theoretical sociology: fi ve essays, old and new. New York: A Free Press. 1967b.

MERTON, R. Sociologia: teoria e estrutura. São Palo: Editora MestreJou [1949]. 1969.

MILLS, C. W. The sociological imagination. London: Oxford University Press [1959]. 1967.

OLIVEIRA, R. C. de. Sobre o pensamento antropológico. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. 1988.

PALLARES-BURKE, M. L. Gilberto Freyre: Um vitoriano dos trópicos. São Paulo: Editora UNESP. 2005.

PARSONS, T. The social system. London: The Free Press [1951]. 1964.

POPPER, K. Lógica das ciências sociais. Brasília: Ed. UnB/Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro. 1979.

RAMOS, A. G. A redução sociológica. Rio de Janeiro: Editora UFRJ [1958]. 1996.

SCHWARCZ, L. e BOTELHO, A. “Pensamento social brasileiro, um campo vasto ganhando forma”. In: Lua Nova, 82: 11-16. 2011.

SKINNER, Q. “Meaning and understanding in the history of ideas”. In TULLY, J. and SKINNER, Q. Meaning and Context: Quentin Skinner and his critics. Princeton: Princeton University Press. 1988. SBS. Anais dos congressos bienais, 2005 a 2011.

SILVA, J. P. “Teoria social no Brasil: balanço preliminar de uma experiência recente”. In: SILVA, J. (org). Sociologia crítica no Brasil. São Paulo: Annablume Editora. 2012.

Downloads

Publicado

2014-04-26

Como Citar

TAVOLARO, S. B. de F. Teoria Sociológica e Metodologia: Apontamentos acerca de algumas controvérsias. Ideias, Campinas, SP, v. 4, p. 13–49, 2014. DOI: 10.20396/ideias.v4i0.8649411. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ideias/article/view/8649411. Acesso em: 19 out. 2021.