A Gestão de finanças solidárias pelos Camponeses do Cariri Paraibano através do Sistema de Fundos Rotativos Solidários (FRS)

  • Maria do Socorro de Lima Oliveira Universidade Federal Rural de Pernambuco
  • Ghislaine Duque Universidade Federal de Campina Grande
Palavras-chave: Gestão de finanças solidárias. Camponeses. Nordeste.

Resumo

Este trabalho expõe a experiência dos Fundos Rotativos Solidários (FRS) no Cariri Paraibano. Trata-se de uma forma de crédito rotativo que possibilita, através da cooperação entre seus membros, a gestão de recursos para a construção de benfeitorias nas comunidades. O resultado deste trabalho é a aprendizagem da gestão coletiva e comunitária de recursos comuns através do exercício da solidariedade. Os grupos se fortalecem e ganham autoconfiança. Descobrem que a união – ação coletiva – permite obter resultados impossíveis de se alcançar pela ação individual. É o fim do assistencialismo e da dependência que ele gere e o início das iniciativas auto-geridas. Este novo olhar descentraliza o conhecimento específico dos agentes mediadores e valoriza as experiências dos camponeses, horizontalizando os saberes. Apos apresentarmos a origem da primeira experiência de FRS na Paraíba, apresentaremos o caso da comunidade Mandacaru, que ilustra bem o potencial desse tipo de organização como as dificuldades encontradas na sua gestão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maria do Socorro de Lima Oliveira, Universidade Federal Rural de Pernambuco
Maria do Socorro de Lima Oliveira é Doutora em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Campina Grande - UFCG (2011). Mestrado em Sociologia pela Universidade Federal da Paraíba - UFPB (2006). Possui graduação em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Paraíba - UFPB (2001). Professora da Universidade Federal Rural de Pernambuco - UFRPE. Tem experiência na área de Sociologia, com ênfase em Sociologia Rural, Teoria sociológica, Sociologia das organizações e Antropologia Cultural, atuando principalmente nos seguintes temas: agricultura familiar, desenvolvimento sustentável, cultura, agroecologia, reciprocidade e identidade cultural.
Ghislaine Duque, Universidade Federal de Campina Grande
Ghislaine Duque concluiu o Doutorado de 3. Cycle em Etude Interdisciplinaire du Changement Social - Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales em 1980, sob a orientação do Professor Alain Touraine. Pós-Doutorado na Pesquisa de Comparação Internacional Coordenada por Hughes Lamarche, Nanterre, 1988-1990. Atualmente é Bolsista Nivel 1 C do Conselho Nacional de Desenvolvimento Cientifico e Tecnológico. Foi Professora Colaboradora na Ufcg/Campina Grande - PB até início de 2016 e Professora Visitante Sênior na Univasf de 2010 A 2014 . Atua na área de Sociologia, com ênfase em Producao Familiar Agrícola.

Referências

ASA-BRASIL (Articulação no Semi-Árido Brasileiro), (1999). Declaração do semi-árido: propostas da Articulação no Semi-Árido Brasileiro para a convivência com o semi-árido e combate à desertifi cação. Recife/PE (26/11/1999).

DUQUE, G; COSTA, J. W. de S; ROCHA, J. C. da. Fundos Rotativos Solidários: Instrumento de apoio à transição agroecológica na Paraíba. In Agriculturas, Experiência em Agroecologia. Leisa

Brasil, Rio de Janeiro: As-Pta, Vol. 7 n. 2, jul. 2010, p. 22-28.

ELIAS, N. O processo civilizador. vol. 1. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 1994.

ELIAS, N & SCOTSON, J. L. Os Estabelecidos e os Outsiders: sociologia das relações de poder a partir de uma pequena comunidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2000.

MAUSS, M. Essai sur le don. Paris: Presses Universitaires de France, 1966.

OLIVEIRA, M. S. L., (2006). Cooperação entre camponeses: um estudo a partir dos Fundos Rotativos Solidários. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal da Paraíba e Universidade Federal de Campina Grande.

OSTROM, E. Governing the commons: the evolution of institutions for collective action. Cambridge: Cambridge Press, 1990.

PUTNAM, R. D. Comunidade e democracia: a experiência da Itália moderna. Rio de Janeiro. Ed. Fundação Getúlio Vargas, 1996.

ROCHA, J. C. da e COSTA, J. W. de S. Fundo Rotativo Solidário: instrumento de promoção da agricultura familiar e do desenvolvimento sustentável no semi-árido. Agriculturas, Rio de Janeiro: AS-PTA, vol. 2, n. 3, p. 12-15, out. 2005.

SABOURIN, E. Práticas de reciprocidade e economia de dádiva em comunidades rurais do Nordeste brasileiro. In. Revista Raízes. Vol. 1, n. 20, pp. 41-49, Campina Grande. Ed. Universitária da UFPB, 1999.

SABOURIN, E; DUQUE, G; DINIZ, P. C; OLIVEIRA, M. Do S. de L; GRANCHAMP, L. F . O reconhecimento público dos atores coletivos da agricultura familiar no Nordeste. CC&T

– Cadernos de Ciência e Tecnologia, Brasília-DF: Embrapa, v. 22, n. 2, p. 101-120, 2005.

SAHLINS, M. Cultura e razão prática. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2003.

Publicado
2015-06-16
Como Citar
Oliveira, M. do S. de L., & Duque, G. (2015). A Gestão de finanças solidárias pelos Camponeses do Cariri Paraibano através do Sistema de Fundos Rotativos Solidários (FRS). Idéias, 5(2), 65-88. https://doi.org/10.20396/ideias.v5i2.8649430