Gênero e Trabalho: as relações entre Trabalhadores de uma Empresa Transnacional, a partir das narrativas de seus empregados

  • Cátia Regina Muniz Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Gênero. Trabalho. Narrativas. Relações. Divisão sexual do trabalho. Exclusão.

Resumo

Este artigo propõe-se a analisar as relações entre trabalhadores e trabalhadoras de uma empresa transnacional, a partir das narrativas de um casal que trabalhou na mesma nas décadas de 40 e 50. O relato do referido casal permitiu a realização de comparações com dados obtidos em pesquisa anterior (2001) em uma fábrica pertencente à empresa em questão. Nas relações destacam-se a divisão sexual do trabalho e o caráter sexual como mecanismos simbólicos de exclusão das mulheres, principalmente as operárias, das fábricas pesquisadas, cujo intuito era o de manter a “supremacia masculina” na área produtiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cátia Regina Muniz, Universidade Estadual de Campinas
Possui graduação em Ciências Sociais pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1998), mestrado em Antropologia Social pela Universidade Estadual de Campinas (2001) e doutorado em Ciências Sociais também pela Universidade Estadual de Campinas (2006). Foi bolsista DCR (CNPq/Funcap) cujo projeto de pesquisa foi desenvolvido no Mestrado Profissional em Avaliação de Políticas Públicas na Universidade Federal do Ceará, de 2007 a 2009. Atividade de bolsista PRODOC/CAPES do Programa de Pós-graduação em Educação da Universidade Federal do Ceará, na área de inclusão digital, no projeto intitulado "Educação do campo, desenvolvimento e inclusão digital. Mediações culturais no semi-árido cearense", de 2009 a 2010. No período de 2007 a 2011 trabalhou como professora colaboradora do Mestrado Profissional em Avaliação de Políticas Públicas na Universidade Federal do Ceará. Concluiu seu Pós-Doutorado no Departamento de Sociologia, IFCH, Unicamp, com bolsa FAPESP, em 2014. Trabalhou como assistente de projeto no Centro de Educação e Assessoria Popular - Cedap, na implantação e avaliação do Programa Nacional de Promoção ao Acesso ao Mundo do Trabalho - Acessuas, no município de Campinas - SP. Trabalhou como avaliadora externa no grupo Kroton Educacional de março a Julho de 2016. Bolsista PCI-DA/CNPq no Centro de Tecnologia da Informação Renato Archer, no projeto Sistema Prisional Brasileiro.

Referências

AKTOUF, O. O simbolismo e a cultura de empresa: dos abusos conceituais às lições empíricas In. Chanlat, J. F. (coord.). O indivíduo nas organizações: dimensões esquecidas. São Paulo: Atlas, 2 v. 1993.

AMORIM, E. R. A. A. No limite da Precarização? Terceirização e Trabalho Feminino na Indústria de Confecções. Dissertação de Mestrado, Instituto de Filosofi a e Ciências Humanas, Unicamp. 2003.

ANTUNES, R. Fordismo, toyotismo e a cumulação flexível. In. Adeus ao trabalho? Ensaio sobre as Metamorfoses e a Centralidade de Mundo do Trabalho. 4ª edição, São Paulo: Cortez, Ed. da UNICAMP, 1997.

BARBOSA, L. Análise Cultural: Elida Gibbs. In. Relatório de análise cultural realizado na fábrica e centro empresarial Elida Gibbs. 1996/97.

BESSE, S. K. Modernizando a desigualdade: reestruturação da ideologia de gênero no Brasil, 1914-1940. São Paulo: EDUSP.1999.

BRUSCHINI e LOMBARDI, M. R. Trabalho feminino no final do século XX In. Cadernos Pagu, Campinas, n. 17/18, p. 157-196. 2001/02.

COCKBURN, C. Play of power: women, men and equality initiatives in a trade union In. WRIGHT, Susan. Anthropology of Organizations, London: Rutledge.1994.

COLBARI, A. L. Ética do Trabalho: a vida familiar na construção da identidade profi ssional. São Paulo: Letras & Letras/ Ed. da FCAA/UFES. 1994, 1995.

ELIAS, N. A Sociedade dos Indivíduos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed. 1994.

ELIAS, N. e SCOTSON, J. L. Os Estabelecidos e os Outsiders, Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor. 2000.

GAGNEBIN, J. M. História e Narração em Walter Benjamin. Campinas: Editora da Unicamp. 1994.

HIRATA, H. Nova Divisão Sexual do Trabalho? Um olhar voltado para a empresa e a sociedade. São Paulo: Boitempo. 2002.

HOLZMANN, L. Notas sobre as condições da mão-de-obra feminina frente às inovações tecnológicas. Sociologias, Porto Alegre, ano 2, n. 4, jul/dez.2000.

KOFES, S. 1994. Experiências Sociais, Interpretações Individuais: História de vida, suas possibilidades e limites In. Cadernos Pagu, Campinas, (3). 1994.

KOFES, S. Uma Trajetória, em Narrativas. Campinas: Mercado de Letras. 2001.

MUNIZ, C. R. a. As representações nativas do universo fabril: um estudo etnográfi co. Dissertação de Mestrado, IFCH, UNICAMP. 2001.

MUNIZ, C. R. a. As Construções Simbólicas de Exclusão em uma fábrica no interior do Estado de São Paulo. Humanitas, Campinas, v. 4, n. 2, ago./dez. 2001b.

MUNIZ, C. R. a. As representações sobre o trabalho a partir das narrativas de uma família de operários. Tese de Doutorado, IFCH, UNICAMP. 2006.

PISCITELLI, A. G. Tradição Oral, Memória e Gênero: Um comentário metodológico In. Cadernos Pagu, Campinas, n 1.1993.

POLLERT, A. Team Work’ on the Assembly Line In. ACKERS, P. et all. The New Workplace and Trade Unionism, Rutledge, Londres. 1996.

REVISTA EXAME, 24/01/2001.

SCOTT, Joan. Women’s history and the rewriting of history, in history. In. Farnham Christi, The impact of feminist research in Academy, Indiana University Press/Bloomington/Indianapolis,

SEGNINI, L. Mulheres no Trabalho Bancário: Difusão Tecnológica, Qualifi cação e Relações de Gênero. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1998.

SILVA, R. H. A. da. A Construção da Memória e as Lembranças de Moradores In SIMSON, O. R. de M. V. (org.). Os desafios contemporâneos da história oral. Campinas:CMU/Unicamp.

STOLCKE, V. Mulheres e Trabalho In. Estudos CEBRAP, São Paulo, CEBRAP/Vozes, n. 26.1980.

STOLCKE, V. A Família que não é Sagrada In. ARANTES, A. A. (et al.). Colcha de Retalhos: estudo sobre família no Brasil. Campinas: Editora da Unicamp. 1993.

Publicado
2015-06-16
Como Citar
Muniz, C. R. (2015). Gênero e Trabalho: as relações entre Trabalhadores de uma Empresa Transnacional, a partir das narrativas de seus empregados. Idéias, 5(2), 189-215. https://doi.org/10.20396/ideias.v5i2.8649435