O estudo da Morbimortalidade no Brasil sob o enfoque das relações 'População e Ambiente'

Autores

  • Alex Manetta Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/ideias.v6i1.8649477

Palavras-chave:

Morbimortalidade. Dinâmica demográfica. Ambiente. Urbanização. Brasil.

Resumo

A análise das especificidades do padrão da morbimortalidade, no Brasil, traz considerações importantes sobre suas componentes demográficas e sugere impactos crescentes das mudanças ambientais na saúde humana, na medida em que o processo de transição urbano-industrial avança. Na busca por resultados mais precisos, entretanto, conclui-se sobre a relevância de algumas das condições básicas para a continuidade dos estudos sobre população e ambiente: 1) a necessidade de avançar na geração e no tratamento espacial de dados e 2) a tendência em avaliar impactos locais das mudanças ambientais, evitando generalizações excessivas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alex Manetta, Universidade Estadual de Campinas

Possui graduação em Geografia - bacharelado (2004) e licenciatura (2007) - e pós-graduação em Demografia - mestrado (2009) e doutorado (2013) - pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Participou do Programa Nacional de Pós-Doutorado (PNPD/CAPES) junto ao programa de pós-graduação em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas (ENCE/IBGE) (2013/2014). 

Referências

ANTUNES, R.; ALVES, G. As mutações no mundo do trabalho na era da mundialização do capital. Educação e Sociedade. Campinas-SP, v. 25, n. 87, p. 335-351, 2004.

AUGUSTO, L. G. D. S.; CÂMARA, V. D. M. Saúde e ambiente: uma refl exão da Associação Brasileira de Pós-Graduação em Saúde Coletiva-ABRASCO. Revista Brasileira de Epidemiologia. São Paulo-SP, v. 6, n. 2, p. 87-94, 2003.

BACCHIERI, G.; BARROS, A. J. D. Acidentes de trânsito no Brasil de 1998 a 2010: muitas mudanças e poucos resultados. Revista de Saúde Pública. São Paulo-SP, v. 45, n. 5, p. 949-63, 2011.

BARBIERI, A. F. População, saúde e uso da terra: avaliação da prevalência de malária em uma região da Amazônia Brasileira. In: Seminário brasileiro de demografia da IUSSP, 1., 2011, Salvador. Anais... Salvador: IUSSP, 2011.

CANIATO, A. M. P. Violências e subjetividades. O indivíduo contemporâneo. Psicologia & Sociedade. Belo Horizonte-MG, v. 20, n. 1, p. 16-32, 2008.

CARNEIRO, F. F. et al. Saúde ambiental e desigualdades: construindo indicadores para o desenvolvimento sustentável. Revista Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro-RJ, v. 17, n. 6, p. 1419-1425, 2012.

CHAIMOWICZ, F. A saúde dos idosos brasileiros às vésperas do século XXI: problemas, projeções e alternativas. Revista de Saúde Pública. São Paulo, v. 31, n. 2, p. 184-200, 1997.

FARIA, V. E. Desenvolvimento, urbanização e mudanças na estrutura do emprego: a experiência brasileira dos últimos trinta anos. In. SORJ, B.; ALMEIDA, M. H. T. (Orgs.) Sociedade Política no Brasil Pós-64. São Paulo: Editora Brasiliense, 1983. p. 1-23.

FRANCO, T. Trabalho industrial e meio ambiente: a experiência do complexo industrial de Camaçari. In. MARTINE, G. (Org.). População, meio ambiente e desenvolvimento: verdades e contradições. Campinas: Editora da Unicamp, 1993. p. 60- 100.

GIODA, A.; GIODA, F. R. A infl uência da qualidade do ar nas doenças respiratórias. Revista Saúde e Ambiente. Joinville-SC, v. 7, n. 1, p. 15-23, 2009.

GOMES, M. J. M. Ambiente e pulmão. Jornal Brasileiro de Pneumologia. Brasília-DF, v. 28, n. 5, p. 261-269, 2002.

GOUVEIA, N. Saúde e meio ambiente nas cidades: os desafios da saúde ambiental. Saúde e sociedade. São Paulo-SP, v. 8, n. 1, p. 49-61, 1999.

GUERRA, M. R. et al. Risco de câncer no Brasil: tendências e estudos epidemiológicos mais recentes. Revista Brasileira de Cancerologia. Rio de Janeiro, v. 51, n. 3, p. 227-234, 2005.

HELLER, L. Relação entre saúde e saneamento na perspectiva do desenvolvimento. Ciência e Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, v. 3, n. 2, p. 73-84, 1998.

HOGAN, D. J. A qualidade ambiental urbana: oportunidades para um novo salto. São Paulo em Perspectiva. São Paulo-SP, v. 9, n. 3, p. 17-23, 1995.

HOGAN, D. J. A relação entre população e ambiente: desafi os para a demografi a. In. TORRES, H. C., HELOISA (Orgs.). População e meio ambiente: debates e desafi os. São Paulo: SENAC, 2000a. p. 21-52.

HOGAN, D. J. População e Meio Ambiente: a emergência de um novo campo de estudos. In. HOGAN, D. J. (Org.). Dinâmica populacional e mudança ambiental: cenários para o desenvolvimento brasileiro. Campinas: NEPO, 2007. p.13-58.

HOGAN, D. J. População, pobreza e poluição em Cubatão, São Paulo. In. MARTINE, G. (Org.). População, meio ambiente e desenvolvimento: verdades e contradições. Campinas: Ed. Unicamp, 1993. p. 101-103.

HOGAN, D. J. Quem paga o preço da poluição? Uma análise de residentes e migrantes pendulares em Cubatão. In: Encontro Nacional de Estudos Populacionais, 1990, Caxambu. Anais... Caxambú, MG: ABEP, 1990.

HOGAN, D. J. Redistribuição da população e meio ambiente: São Paulo e Centro-Oeste. Textos Nepo, n. 36. Núcleo de Estudos de População “Elza Berquó”, Universidade Estadual de Campinas. Campinas, SP, 2000b.

IBGE. Censos Demográfi cos 1980 e 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 1980 e 2010.

IBGE. Pesquisa Nacional de Saneamento Básico. Rio de Janeiro: IBGE, 2002. IBGE. Síntese de indicadores sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira: 2012. Coleção Ibgeana: estudos e pesquisas. IBGE. Rio de Janeiro, RJ, 2012.

JOHANSEN, I. C.; CARMO, R. L. D. Dengue e falta de infraestrutura urbana na Amazônia brasileira: o caso de Altamira (PA). Novos Cadernos NAEA. Belém-PA, v. 15, n. 1, p. 179-208, 2012.

KOWARICK, L. A espoliação urbana. 1ª ed. Rio de Janeiro: Editora Paz e Terra, 1978.

KOWARICK, L. Viver em risco: sobre a vulnerabilidade no Brasil urbano. Novos Estudos Cebrap. São Paulo-SP, v. 63, p. 9-30, 2002.

KOWARICK, L. Viver em risco: sobre a vulnerabilidade socioeconômica e civil. 1ª ed. São Paulo: Editora 34, 2009.

LEBRÃO, M. L. O envelhecimento no Brasil: aspectos da transição demográfica e epidemiológica. Cadernos Saúde Coletiva. Rio de Janeiro-RJ, v. 4, n. 17, p. 135-140, 2007.

LEONETI, A. B.; PRADO, E. L.; OLIVEIRA, S. V. W. B. Saneamento básico no Brasil: considerações sobre investimentos e sustentabilidade para o século XXI. Revista de Administração Pública. Rio de Janeiro, RJ, v. 45, n. 2, p. 331-348, 2011.

LUSSIER, M-H.; BOURBEAU, R.; CHOINIÈRE, R. Does the recent evolution of Canadian mortality agree with the epidemiologic transition theory? Demographic Research. Rostock-Alemanha, v. 18, p. 531-568, 2008.

LUTZ, W.; PRSKAWETZ, A.; SANDERSON, W. C. Introduction. Population and Development Review. Nova York-EUA, v. 28, p. 1-21, 2002.

MADEIRA, J. L. Malthus, Marx e о papel da população no desenvolvimento economico. In. IBGE. Lyra Madeira, um mestre da Demografia brasileira. Centro de Documentação e Disseminação de Informações. Rio de Janeiro, RJ: IBGE, 2008, p. 32-43.

MANETTA, A.; ALVES, J. E. D. Mortes violentas, infl exão na razão de sexo e impactos na esperança de vida da população: Argentina e Brasil (2001/2009). VI Congresso Latinoamericano de Estudos de População, 2014 Lima-Peru. Anais... Lima: ALAP, 2014.

MARANDOLA JR, E.; HOGAN, D. J. As dimensões da vulnerabilidade. São Paulo em Perspectiva. São Paulo-SP, v. 20, n. 1, p. 33-43, 2006.

MARTINE, G.; CAMARGO, L. Crescimento e distribuição da população brasileira: tendências recentes. Revista Brasileira de Estudos de População. Belo Horizonte-MG, v. 1, n. 1/2, p. 99- 144, 2013.

MARTINE, G.; MCGRANAHAN, G. Brazil's Early Urban Transition: What Can It Teach Urbanizing Countries? 1ª ed. Londres: IIED, 2010.

MELLO-JORGE, M.; LAURENTI, R.; GOTLIEB, S. L. D. Análise da qualidade das estatísticas vitais brasileiras: a experiência de implantação do SIM e do SINASC. Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, RJ, v. 12, n. 3, p. 643-54, 2007.

MINAYO, M. C. S. Violência: um problema para a saúde dos brasileiros. Impacto da violência na saúde dos brasileiros. Brasil. Brasília, DF: Ministério da Saúde: 2005, p. 9-33.

MINAYO, M. C. S. Seis características das mortes violentas no Brasil. Revista Brasileira de Estudos de População. Belo Horizonte-MG, v. 26, n. 1, p. 135-140, 2009.

MONTE-MOR, R. L. D. Malária e meio ambiente na Amazônia brasileira. I Seminário Latino-americano sobre População e Saúde, 1986, Campinas. Anais... Campinas,SP, 1986, p. 312- 328.

NOTESTEIN, F. W. Population: the long view. In: SCHULTZ, T. W. (Org.). Food for the World. Chicago: University of Chicago Press, 1945. p. 36-57.

OLIVEIRA, S.; SIMÕES, C. Meio ambiente urbano: mortalidade na infância, saneamento básico e políticas públicas. XV Encontro Nacional de Estudos Populacionais. Anais… Caxambu, MG: ABEP, 2006.

OLSHANSKY, S. J.; AULT, A. B. The fourth stage of the epidemiologic transition: the age of delayed degenerative diseases. The Milbank Quarterly. San Diego-EUA, v. 64, n. 3, p. 355-391, 1986.

OMRAN, A. R. The epidemiologic transition theory revisited thirty years later. World Health Statistics Quarterly. San Diego-EUA, v. 51, n. 2-4, p. 99-119, 1998.

OMRAN, A. R. The epidemiologic transition: a theory of the epidemiology of population change. The Milbank Memorial Fund Quarterly. San Diego-EUA, v. 49, n. 4, p. 509-538, 1971.

UNITED NATIONS (UN). World Population Prospects: The 2012 Revision. Nova York: DESA, Population Division, 2012.

PAES, N. A. Avaliação da cobertura dos registros de óbitos dos estados brasileiros em 2000. Revista de Saúde Pública. São Paulo, SP, v. 39, n. 6, p. 882-90, 2005.

PORTO, M. F. Saúde do trabalhador e o desafio ambiental: contribuições do enfoque ecossocial, da ecologia política e do movimento pela justiça ambiental. Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, RJ, v. 10, n. 4, p. 829-839, 2005.

PRATA, P. R. A transição epidemiológica no Brasil. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v. 8, n. 2, p. 168-175, 1992.

ROGERS, R. G.; HACKENBERG, R. Extending epidemiologic transition theory: a new stage. Social biology, Utah-EUA, v. 34, n. 3-4, p. 234-243, 1987.

ROSSI-ESPAGNET, A.; GOLDSTEIN, G.; TABIBZEDEH, I. Urbanization and health in developing countries: a challenge for health for all. World health statistics quarterly. Nova YorkEUA, v. 44, n. 4, p. 186-247, 1991.

SANTOS, M. A urbanização brasileira. 1ª ed. São Paulo, SP: Edusp, 1993.

SANTOS, M.; SILVEIRA, M. L. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. 1ª ed. Rio de Janeiro, RJ: Editora Record, 2001.

SCHRAMM, J. M. D. A. et al. Transição epidemiológica e o estudo de carga de doença no Brasil. Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, RJ, v. 9, n. 4, p. 897-908, 2004.

SOUZA, C. G.; NETO, J. L. S. A. Ambiente e pulmão. Revista Hygeia. Uberlândia, MG, v. 7, n. 12, p. 31-45, 2011.

SWANSON, D.; SIEGEL, J. S. The methods and materials of demography. 1ª ed. San Diego: Academic Press, 1976.

TAMBELLINI, A. T.; CÂMARA, V. D. M. A temática saúde e ambiente no processo de desenvolvimento do campo da saúde coletiva: aspectos históricos, conceituais e metodológicos. Ciência & Saúde Coletiva. Rio de Janeiro, RJ, v. 3, n. 2, p. 47-59, 1998.

VANWEY, L. K.; OSTROM, E.; MERETSKY, V. Teorias subjacentes ao estudo de interações homem-ambiente. In: MORAN, E. F. e OSTROM, E. (Orgs.). Ecossistemas florestais: interação homemambiente. São Paulo, SP: Editora SENAC/EDUSP, 2009.

Downloads

Publicado

2015-10-28

Como Citar

MANETTA, A. O estudo da Morbimortalidade no Brasil sob o enfoque das relações ’População e Ambiente’. Ideias, Campinas, SP, v. 6, n. 1, p. 39–61, 2015. DOI: 10.20396/ideias.v6i1.8649477. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ideias/article/view/8649477. Acesso em: 19 out. 2021.