Família, lugares e trocas: aplicando o conceito de 'espaço de vida' para o estudo de dinâmicas populacionais na Amazônia brasileira

  • Thaís Tartalha Lombardi Universidade Estadual Paulista
Palavras-chave: Família. Espaço de vida. Amazônia brasileira. Urbanização. Metodologia.

Resumo

A localidade de residência de parentes e a ajuda entre unidades domésticas de áreas urbanas da Amazônia brasileira são estudadas para pensar elementos da distribuição espacial e dinâmica da população. Como abordagem operacionalizamos uma parte do conceito de 'estratégias de sobrevivência familiar' usando o conceito de 'espaço de vida' como aporte para captar elementos do capital social e físico que compõe estas estratégias com o uso da análise de correspondência. Os resultados mostram que a utilização desse arcabouço é útil, demonstrando a diversidade das características da distribuição espacial da população em diferentes áreas da Amazônia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Thaís Tartalha Lombardi, Universidade Estadual Paulista
Pós-doutoranda no IPPRI-Unesp no Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Territorial na América Latina (TerritoriAL). Doutora em Demografia pelo PPGD do IFCH/Unicamp com período de residência como Visiting Research Student na London School of Economics and Political Science (LSE). Mestre em Antropologia Social também pelo IFCH/Unicamp. Bacharel em Ciências Sociais com ênfase em Antropologia e Licenciada em Sociologia também pela Unicamp.

Referências

BARBIERI, A. F.; PAN, W. K. People, Land, and Context: Multilevel Determinants of Off -farm Employment in the Ecuadorian Amazon. Population, Space and Place, v. 19, n. 5, p. 558–579, 24 set. 2013.

BARTHOLOMEW, D. J. et al. Correspondence Analysis. In: BARTHOLOMEW, D. J. et al. (Eds.). Analysis of Multivariate Social Science Data. 2nd. ed. Boca Raton, FL: Taylor & Francis Group/ Chapman & Hall/CRC, 2008. p. 83–116.

BECKER, B. A Urbe Amazônida. Rio de Janeiro: Editora Garamond, 2013.

BECKER, B. K. Signifi cância contemporânea da fronteira: uma interpretação geopolítica a partir da Amazônia Brasileira. In: AUBERTIN, C. (Ed.). Fronteiras. Brasília/Paris: Editora Universidade de Brasilia/ORSTOM, 1988. p. 60–90.

BLAAUBOER, M.; STRÖMGREN, M.; STJERNSTRÖM, O. Life Course Preferences, Sibling Ties, and the Geographical Dispersion of Sibling Networks. Population, Space and Place, v. 19, n. 5, p. 594–609, 30 set. 2013.

BRANDO, P. M. et al. Ecology, economy and management of an agroindustrial frontier landscape in the southeast Amazon. Philosophical transactions of the Royal Society of London. Series B, Biological sciences, v. 368, n. 1619, 5 jun. 2013.

BROWDER, J. O.; GODFREY, B. J. Rainforest cities: Urbanization, development, and globalization of the Brazilian Amazon. New York: Columbia University Press, 1997.

CONWAY, D.; COHEN, J. H. Local Dynamics in Multi-local, Transnational Spaces of Rural Mexico: Oaxacan Experiences. International Journal of Population Geography, n. 9, p. 141–161, 2003.

COURGEAU, D. Relations entre cycle de vie et migrations. Population (french edition), v. 39, n. 3, p. 483–513, 1984.

COURGEAU, D. Constitution de la famille et urbanisation. Population (french edition), v. 42, n. 1, p. 57–81, 1987.

DE SHERBININ, A. et al. Rural Household Demographics, Livelihoods and the Environment. Global environmental change: human and policy dimensions, v. 18, n. 1, p. 38–53, fev. 2008.

ELDER, G. H. Families and Lives: Some Developments in LifeCourse Studies. Journal of Family History, v. 12, n. 1, p. 179– 199, 1 jan. 1987.

FLEURY, L. C.; ALMEIDA, J. A construção da usina hidrelétrica de Belo Monte: Confl ito ambiental e o dilema do desenvolvimento. Ambiente & Sociedade, v. 16, n. 4, p. 141–158, 2013.

GLICK, P. C. Updating the life cycle of the family. Journal of marriage and family, v. 39, n. 1, p. 5–13, 2009.

GOLDSCHEIDER, F. Interpolating Demography with Family and Households. Demography, v. 32, n. 3, Family and Household Demography, p. 471–480, 1995.

GUEDES, G. et al. Ciclo de vida domiciliar, ciclo do lote e mudanças no uso da terra da Amazônia: revisão crítica da literatura. Revista Brasileira de Estudos de População – REBEP, v. 28, n. 1, p. 231–240, 2011.

GUEDES, G. R.; QUEIROZ, B. L.; VANWEY, L. K. Transferências intergeracionais privadas na Amazônia rural brasileira. Nova Economia, v. 19, n. 2, p. 325–357, 2009.

HINTZE, S. Capital Social y Estrategias de supervivencia. Refl exiones sobre el “Capital Social de los pobres”. In: DANANI, C. (Ed.). Politicas sociales y economia social: debates fundamentales. Buenos Aires: UNGS-Fundación OSDEEditorial Altamira, 2004. p. 143–166.

LOMBARDI, T. T. DO N. A(s) fronteira(s) amazônica(s). Dinâmicas populacionais pensadas a partir do estudo de estratégias de sobrevivência em três áreas urbanas da Amazônia brasileira. (Tese de doutorado em Demografia) Universidade Estadual de Campinas - Unicamp, 2014a.

LOMBARDI, T. T. DO N. Encontrar estratégias de sobrevivência familiares a partir de surveys socioeconômicos: o uso de técnicas de análise multivariada como metodologia de abordagem. Textos NEPO, n. 67, Campinas: NEPO, 2014b.

MACIEL, L. O sentido de melhorar de vida: arranjos familiares na dinâmica das migrações rurais-urbanas em São Carlos-SP. (Dissertação de mestrado em Sociologia) Universidade Estadual de Campinas, 2012.

MONTE-MÓR, R. L. D. M. Urbanização extensiva e lógicas de povoamento: um olhar ambiental. In: Território, Globalização e Fragmentação. São Paulo: Hucitec/ANPUR, 1994,p. 169–181.

OLIVEIRA, M. C. F. A. Algumas notas sobre o “ciclo vital” como perspectiva de análise. Campinas (mimeo).

PADOCH, C. et al. Urban Forest and Rural Cities: Multi-sited Households , Consumption Pa+erns , and Forest Resources in Amazonia. Ecology & Society, v. 13, n. 2, p. article 2, 2008.

PRADO, R. DE P. S. Conceito de família e domicílio. Revista Brasileira de Estatística, v. 43, n. 170, p. 275–299, 1982.

PRIETO, M. C. V. Apuntes teóricos para la discussión sobre el concepto de estrategias en el marco de los estudios de población. Estudios Sociológicos, v. 16, n. 46, p. 69–88, 1998.

RAKODI, C. A Livelihoods Approach – conceptual issues and defi nitions. In: RAKODI, C.; LLOYD-JONES, T. (Eds.). Urban Livelihoods: A People Centred Approach to Reducing Urban Poverty. London: Earthscan, 2002. p. 3–22.

RANDALL, S.; COAST, E.; LEONE, T. Cultural constructions of the concept of household in sample surveys. Population studies, v. 65, n. 2, p. 217–29, jul. 2011.

SCOONES, I. Sustainable rural livelihoods: a framework for analysisIDS Working Paper: IDS Working papers. University of Sussex – Sussex: Institute of Development Studies (IDS), 1998.

SEN, A. Development as freedom. Oxford: Oxford University Press, 2001.

TOLEDO, M. Os processos de modernização agrícola na região amazônica: transformações recentes na dinâmica produtiva do município de Santarém (Pará). Geosul, v. 26, n. 52, p. 77–97, 2011.

TORRADO, S. Sobre los conceptos de “Estrategias Familiares de Vida” y “Proceso de reproducción de la fuerza de trabajo”: Notas teórico-metodológicas. Demografi a y Economia, v. 15, n. 2, p. 204–233, 1981.

UMBUZEIRO, U. M. Altamira e sua história. Altamira: Prefeitura Municipal de Altamira, 1999.

VANWEY, L. K. et al. Socioeconomic development and agricultural intensifi cation in Mato Grosso. Philosophical transactions of the Royal Society of London. Series B, Biological sciences, v. 368, n. 1619, p. 20120168, 5 jun. 2013.

VANWEY, L. K.; GUEDES, G. R.; D’ANTONA, A. O. Out-migration and land-use change in agricultural frontiers: insights from Altamira se+ lement project. Population and environment, v. 34, n. 1, p. 44–68, set. 2012.

ZART, L. L. Desencanto na nova terra: assentamento no município de Lucas do Rio Verde - MT na década de 80. [s.l.] Universidade Federal de Santa Catarina, 1998

Publicado
2015-10-28
Como Citar
Lombardi, T. T. (2015). Família, lugares e trocas: aplicando o conceito de ’espaço de vida’ para o estudo de dinâmicas populacionais na Amazônia brasileira. Ideias, 6(1), 87-113. https://doi.org/10.20396/ideias.v6i1.8649479