Ordem social e práticas agrícolas: a França como fonte inspiradora de projetos de colônias agrícolas no Brasil Império

Autores

  • Inoã Pierre Carvalho Urbinati Universidade do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.20396/ideias.v6i1.8649486

Palavras-chave:

Império. Colônias agrícolas. França.

Resumo

A leitura de diversos documentos mostra que a conhecida influência francesa no Brasil imperial parece ter se manifestado também em propostas de criação de colônias agrícolas, tendo havido inclusive referência à célebre colônia penal e agrícola de Mettray. Esse fenômeno se verificou também, no Brasil, quando dos debates em torno dos futuros libertos, num contexto de progressiva extinção da escravidão. O artigo tem como proposta investigar a presença francesa na elaboração de projetos de colônias agrícolas, tanto relacionadas ao meio judiciário, como aquelas voltadas prioritariamente para os planos de pós-abolição, procurando ver em que medida um espírito modernizador norteou esses projetos, ao mesmo tempo em que transparecia uma preocupação de controle social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Inoã Pierre Carvalho Urbinati, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Possui Graduação e Licenciatura em História pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2004) e Mestrado em História pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2008). É Doutor em História pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2014), tendo realizado o curso de doutorado sob a orientação da Professora Doutora Tânia Maria Bessone da Cruz Ferreira. Em 2012, com base em bolsa-sanduíche (Capes),pesquisou documentos na França, sob a coorientação do Professor Doutor Jean-Yves Mollier, da Université de Versailles Saint-Quentin-en-Yvelines.

Referências

ANDRADE, M. C. Abolição e Reforma Agrária. São Paulo: Editora Ática, 1987.

ASSELAIN, J. Histoire économique de la France: du XVIIIe siècle à nos jours. Volume 1. De l’Ancien Régime à la Première Guerre Mondiale. Éditions du Seuil, 1984.

BOTELHO, A. V.; REIS, L. M. Dicionário Histórico Brasil: Colônia e Império. Belo Horizonte: O Autor, 2001.

BUTEL, P. Histoire des Antilles françaises. XVII-XXe siècle. Éditions Perrin, 2007.

CORELLI, M. Culturas Cruzadas: Intercâmbios culturais entre França e Brasil. Campinas: Papirus, 1994. 272p.

FERREIRA, T. M. B. C. Bibliotecas de médicos e advogados do Rio de Janeiro: dever e lazer em um só lugar. In. ABREU, M. (Org.). Leituras, História e Memória da Leitura. Campinas, SP: Fapesp / Mercado das Letras/ ALR, 1999.

FIRMO, J. S.; OCTACIANO, N. Parlamentares do Império. Brasília: Senado Federal, 1973.

FOUCAULT, M. Vigiar e Punir. 35ª ed. Petrópolis: Vozes, 2008. FOUGÈRE, É. Le grande livre do bagne: en Guyane et Nouvelle Calédonie. Saint- Clotilde (Ilha da Reunião): Ed. Orphie, 2002.

GREGORY, V. Colônia. In. MOTTA, M. M. M. (Org.). Dicionário da Terra. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira, 2005, pp.96-98.

GUIMARÃES, A. P. Quatro Séculos de Latifúndio. 6ª ed. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra, 1989.

JABLONKA, I. L’éducation des jeunes détenus à Me" ray et dans les colonies agricoles pénitentiaires françaises (1830-1900). In. CHASSAT, S. ; FORLIVESI, L. ; POTTIER, G. Éduquer et punir: la colonie agricole et pénitentiaire de Me" ray (1839-1937). Rennes: Presses Universitaires de Rennes, 2005, pp. 69-79.

JORNAL DO COMMERCIO. Jornal do Commercio: a notícia do dia a dia, 1827-1987. Reprodução da 1ª página do Jornal do Commercio de 15/3/1878.

KNITTEL, F. Agronomie et innovation. Le cas Mathieu de Dombasle (1777-1843). Nancy: Presses Universitaires de Nancy, 2009.

LOURENÇO, A. F. Agricultura Ilustrada: Liberalismo e escravismo nas origens da questão agrária brasileira. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2001.

MENDONÇA, S. R. O Ruralismo Brasileiro (1888-1931). São Paulo: Hucitec, 1997.

MOTTA, M. M. M. Nas fronteiras do poder: confl ito e direito à terra no Brasil do século XIX. Rio de Janeiro, RJ: Vício de Leitura / Arquivo Público do Estado do Rio de Janeiro, 1998.

MOULIN, A. Les paysans dans la société française. De la Révolution à nos jours. Éditions du Seuil, 1988.

NABUCO, J. Um Estadista do Império. 2 volumes. 5. ed. Rio de Janeiro, Topbooks, 1997.

PENNA, E. S. Escravidão. In. MOTTA, M. M. M (Org.). Dicionário da Terra. Rio de Janeiro, RJ: Civilização Brasileira, 2005.

PRADE, C. Les colonies pénitentiaires au XIXe siècle: de la genèse au déclin. In. CHASSAT, S.; FORLIVESI, L.; POTTIER, G. Éduquer et punir: la colonie agricole et pénitentiaire de Me" ray (1839-1937). Rennes: Presses Universitaires de Rennes, 2005, pp. 27-37.

RELATÓRIO DO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA. Rio de Janeiro. Anos de 1866, 1874 e 1875. RÉMOND, R. Le XIXe siècle. 1815-1914. Paris: Éditions du Seuil, 1974.

SANTOS, M. S. Os porões da República: a barbárie nas prisões da Ilha Grande (1894-1945). Rio de Janeiro, RJ: Garamond, 2009.

SCHAPOCHNIK, N. Das fi cções do Arquivo: ordem dos livros e práticas de leitura na Biblioteca Pública da Corte Imperial. In. ABREU, M (Org.). Leitura, História e Memória da Leitura. Campinas, SP: Fapesp / Mercado de Letras / ALR, 1999, pp. 301-310

VIANNA, A. R. O mal que se adivinha: polícia e menoridade no Rio de Janeiro, 1910-1920. Rio de Janeiro, RJ: Arquivo Nacional, 1999.

Downloads

Publicado

2015-10-28

Como Citar

URBINATI, I. P. C. Ordem social e práticas agrícolas: a França como fonte inspiradora de projetos de colônias agrícolas no Brasil Império. Ideias, Campinas, SP, v. 6, n. 1, p. 253–278, 2015. DOI: 10.20396/ideias.v6i1.8649486. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ideias/article/view/8649486. Acesso em: 28 out. 2021.