Mulheres catadoras: articulação política e ressignificação social através do trabalho

  • Camila Capacle Paiva Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Catadoras. Mulheres. Trabalho. Gênero. Reciclagem

Resumo

Nas cooperativas e associações de catadores de materiais recicláveis, 80% dos trabalhadores são mulheres. Esse artigo tem como objetivo abordar a situação de trabalho e de vida das mulheres catadoras. A precarização e a divisão sexual do trabalho estão presentes nas organizações de catadores, assim como a dupla jornada que as mulheres enfrentam, sendo elas responsáveis pelo trabalho reprodutivo. A maioria das catadoras possui baixa escolaridade. Porém, através do trabalho, elas se organizam, ocupam postos de liderança e lutam por seus direitos, ressignificando, assim, suas vidas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Capacle Paiva, Universidade Estadual de Campinas
Doutoranda em Ciências Sociais pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp).

Referências

ARAÚJO, A. M. C. Informalidade e relações de gênero. In: GEORGES, I.; LEITE, M. P. (orgs.). Novas configurações do trabalho e economia solidária. São Paulo: Annablume, 2012, p. 135-172.

BARBOSA, M. Condições de trabalho em unidades de triagem de resíduo sólido em quatro cooperativas de Campinas, SP: caracterização e percepção de catadores. Tese (Doutorado) – Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo, Universidade Estadual de Campinas, 2011.

BOSI, A. P. A organização capitalista do trabalho informal: o caso dos catadores de recicláveis. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 23, n. 67, p. 101-116, jun. 2008.

CALDERONI, S. Os bilhões perdidos no lixo. São Paulo: Humanitas Publicações/FFLCH-USP, 1998.

CASTILHO, M.; MELO, H. P. Trabalho reprodutivo no Brasil: quem faz? Revista Economia Contemporânea, v. 13, n. 1, p. 135-158, jan./abr. 2009.

DEDECCA, C. S. Regimes de trabalho, uso do tempo e desigualdade entre homens e mulheres. In: COSTA, A. O.; SORJ, B.; BRUSCHINI, C. HIRATA, H. (orgs.). Mercado de trabalho e gênero: comparações internacionais. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2008, p. 279-298.

FCC – FUNDAÇÃO CARLOS CHAGAS. Banco de dados sobre o trabalho das mulheres, 1998. Série Mulher, trabalho e família. Disponível em: http://www.fcc.org.br/bdmulheres/serie2.php?area=series. Acesso em: 02 nov. 2015.

FREITAS, L. F. S.; FONSECA, I. F. Caderno Diagnóstico – Catadores. IPEA, 2011. Disponível em: http://www.cnrh.gov.br/projetos/pnrs/documentos/cadernos/04_CADDIAG_Catadores.pdf. Acesso em: 30 out. 2015.

FREITAS, T. V.; NOBRE, M. Possibilidades e limites na construção de igualdade de gênero na Economia Solidária. In: GEORGES, I.; LEITE, M. P. (orgs.). Novas configurações do trabalho e economia solidária. São Paulo: Annablume, 2012, p. 399-421.

GONÇALVES, R. S. Catadores de materiais recicláveis: trajetórias de vida trabalho e saúde. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) – Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca, 2004.

IPEA – INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA. Pesquisa sobre Pagamento por Serviços Ambientais Urbanos para Gestão de Resíduos Sólidos. Relatório de Pesquisa. Brasília: IPEA, 2010.

KERGOAT, D. La division de travail entre les sexes. In: KERGOAT, J. (org.). Le monde du travail. Paris: La Découverte, 1998, p. 319-327.

KERGOAT, D. Percurso pessoal e problemática da divisão social e sexual do trabalho. In: HIRATA, H. Nova divisão sexual do trabalho? Um olhar voltado para empresa e a sociedade. São Paulo: Boitempo, 2002.

KERGOAT, D.; HIRATA, H. Divisão sexual do trabalho profissional e doméstico Brasil, França e Japão. In: COSTA, A. O.; SORJ, B.; BRUSCHINI, C. HIRATA, H. (orgs.). Mercado de trabalho e gênero: Comparações internacionais. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2008, p. 263-278.

LEITE, M. P. Cooperativas e trabalho: um olhar sobre o setor de reciclagem e fábricas recuperadas em São Paulo. In: GEORGES, I.; LEITE, M. P. (orgs.). Novas configurações do trabalho e economia solidária. São Paulo: Annablume, 2012, p. 227-267.

LOMBARDI, M. R. Anotações sobre desigualdades de gênero no mercado de trabalho. In: GEORGES, I.; LEITE, M. P. (orgs.). Novas configurações do trabalho e economia solidária. São Paulo: Annablume, 2012, p. 109-134.

LOPES, B. E. M. Grupo focal na pesquisa em ciências sociais e humanas. Revista Educação e Políticas em Debate, v. 3, n. 2, ago./dez. 2014.

MNCR – MOVIMENTO NACIONAL DOS CATADORES DE MATERIAIS RECICLÁVEIS. Disponível em: www.mncr.org.br. Acesso em: 10 jan. 2014.

MNCR. Mulheres catadoras. Disponível em: http://www.mncr.org.br/setores/mulheres-catadoras. Acesso em: 02 nov. 2015.

PAIVA, C. C. Caderno de Campo da pesquisa com catadores de materiais recicláveis de Araraquara: entrevista com Helena, presidente da Acácia e grupo focal com participantes I, II, III, IV e V. Doutorado, Programa de Pós-graduação em Ciências Sociais. Unicamp, IFCH, 2015.

SEMUCSP. Assim nasceu a Secretaria das Mulheres Catadoras de Materiais Recicláveis do Estado de São Paulo. Produzido por Coopcent ABC com patrocínio da Secretaria Nacional de Economia Solidária – SENAES, do Ministério do Trabalho e Emprego – MTE, set. 2014.

SOUZA-LOBO, E. A classe operária tem dois sexos. São Paulo: Brasiliense, 1991.

WALDMAN, M. Lixo: cenários e desafios: abordagens básicas para entender os resíduos sólidos. São Paulo: Cortez, 2010.

WIRTH, I. G. As relações de gênero em cooperativas populares do segmento da reciclagem: um caminho para a construção da autogestão. Dissertação (Mestrado em Educação) – Instituto de Educação, Universidade Estadual de Campinas, 2010.

Publicado
2017-03-09
Como Citar
Paiva, C. C. (2017). Mulheres catadoras: articulação política e ressignificação social através do trabalho. Idéias, 7(2), 151-174. https://doi.org/10.20396/ideias.v7i2.8649500