Feminismo, identidade e exclusão política em Judith Butler e Nancy Fraser

  • Ingrid Cyfer Universidade Federal de São Paulo
Palavras-chave: Nancy Fraser. Judith Butler. Teoria crítica. Feminismo.

Resumo

O objetivo deste artigo é apontar déficits normativos em Judith Butler, assim como pontos cegos no diagnóstico de Nancy Fraser. Com base em Fraser, sustento que Butler não pode justificar sua crítica à exclusão e nem tampouco diferenciar práticas mais ou menos opressoras em razão de um preconceito pós-estruturalista contra critérios normativos. De outro lado, com base em Butler, argumentarei que a recusa de Fraser em articular psicologia e política lhe deixa sem ferramentas para diagnosticar as ambiguidades da motivação da subordinação, em particular nos casos de injustiça de gênero.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ingrid Cyfer, Universidade Federal de São Paulo

Professora de Teoria Política UNIFESP. Pós Doutorado no Departamento de Filosofia em Dartmouth College (2014), e Doutorado no Departamento Ciência Política- Universidade de São Paulo-USP (2009), com período de estágio doutoral na New School for Social Research (2008).

Referências

ALLEN, A. The Politics of Ourselves: Power, Autonomy and Gender in Contemporary Critical Theory. New York: Columbia University Press, 2008.

BUTLER, J. Bodies that Matter: On Discursive Limits of Sex. Nova York: Routledge, 1993.

BUTLER, J. Merely Cultural. Social Text, vol. 13, n. 52-53, p. 265-77, 1997a.

BUTLER, J. The Psychic Life of Power: Theories in Subjection. Stanford: Stanford University Press, 1997b.

BUTLER, J. Bodies and Norms Revisited. In: TAYLOR, D.; VINTGES, K. (orgs.). Feminism and the Final Foucault. Urbana: University of Illinois Press,2004, p. 183-194.

BUTLER, J. Gender Trouble: Feminism and the Subversion of Identity. Nova York, Londres: Routledge, 2007 [1990].

CYFER, I. A tensão entre o feminismo moderno e pós-moderno na crítica à exclusão do feminismo. Tese (Doutorado em Ciência Política), Universidade de São Paulo, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, São Paulo, 2009.

FERRARESE, E. Nancy Fraser and the Theory of Participatory Parity, Books and Ideas, 14/09/2015. Disponível em: http://www.booksandideas.net/Nancy-Fraser-and-the-Theory-of-Participatory-Parity.html. Acesso em: 05/02/2017.

FRASER, N. False Antitheses: A Response to Seyla Benhabib and Judith Butler. In: BENHABIB, S.; CORNELL, D.; BUTLER, J.; FRASER, N. Feminist Contentions: A Philosophical Exchange. New York, London: Routledge, 1995, p. 59-74.

FRASER, N. Heterosexism, Misrecognition and Capitalism: A Response to Judith Butler. Social Text, vol. 13, n. 52-53, p. 279-89, p. 1997.

FRASER, N. Rethinking Recognition, New Left Review, 3, p. 107-20, 2000.

FRASER, N. Mapeando a imaginação feminista: da redistribuição ao reconhecimento e à representação. Revista de Estudos Feministas, vol. 15, n. 2, p. 291-308, 2007a.

FRASER, N. Reconhecimento sem ética? Lua nova, 70, p. 101-38, 2007b.

FRASER, N. Scales of Justice. Nova York: Columbia University Press, 2009.

FRASER, N.; HONNETH, A. Redistribution or Recognition: A Political-philosophical Exchange. Nova York: Verso, 2003.

JUDITH BUTLER, philosophe en tout genre. Direção: Paul Zajdermann. Arte, 2006. Disponível em: https://www.youtube.com/playlist?list=PL4EC66D573ED68FA1. Último acesso em: 05/02/2017.

Publicado
2017-08-03
Como Citar
Cyfer, I. (2017). Feminismo, identidade e exclusão política em Judith Butler e Nancy Fraser. Idéias, 8(1), 247-274. https://doi.org/10.20396/ideias.v8i1.8649783