Beco sem saída ou ponto de partida? A ilusão biográfica e os historiadores

  • Vinicius Alves do Amaral Universidade Federal do Amazonas
Palavras-chave: Biografia. Literatura. História.

Resumo

Apesar do interesse por histórias de vida ser antigo, a sociedade contemporânea tem requisitado cada vez mais obras do gênero. Contudo, profundas transformações no pensamento ocidental nas últimas décadas repercutiram nos princípios e métodos das biografias. Nosso propósito no presente ensaio é compreender os principais termos desse debate através da literatura e quais seus reflexos para uma classe intelectual específica, os historiadores.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Vinicius Alves do Amaral, Universidade Federal do Amazonas

Doutorando em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Graduado em História pelo Centro Universitário do Norte (UNINORTE/LAUREATE), mestre em História pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Amazonas (PPGH-UFAM). Professor Docente I na Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro (SEEDUC-RJ). 

Referências

ALBUQUERQUE JÚNIOR, D. M. Mennochio e Rivière: criminosos da palavra, poetas do silêncio. Revista Resgate, n. 2, v. 2, p. 48-55, dez. 1990.

AVELAR, A. S. A biografia como escrita da História: possibilidades, limites e tensões. Dimensões, v. 24, p. 157-172, 2010.

BORGES, V. P. Grandezas e misérias da biografia. In: PINSKY, C. B. (Org). Fontes Históricas. 2ª ed. São Paulo: Contexto, 2008, p. 203-234.

BOURDIEU, P. A ilusão biográfica. In: AMADO, J. ; FERREIRA, M. de M. (Orgs.). Usos e abusos da história oral. Trad. Glória Rodríguez, Luiz Alberto Monjardim, Maria Magalhães e Maria Carlota Gomes. 5ª ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2002, p. p. 183-191.

BOURDIEU, P. Coisas Ditas. Trad. Cássia da Silveira e Denise Pegorim. São Paulo: Brasiliense, 2004.

BOURDIEU, P. Meditações pascalianas. Trad. Sérgio Miceli. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

CARVALHO, M. A. S. Julio Florencio se torna Cortázar: o peronismo visto através da Literatura (1945-1956). Dissertação de Mestrado (História) – Universidade Federal Fluminense, 2014.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano: artes de fazer. Trad. Ephraim Ferreira Alves. 17ª ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

CHARTIER, R; LOPES, J. S. L. Pierre Bourdieu e a História. Topoi, n. 4, v. 3, p. 139-182, jan-jun. 2002.

CORTÁZAR, J. Octaedro. Trad. Glória Rodríguez. São Paulo: Companhia Brasileira de Letras, 2011.

CORTÁZAR, J. Valise de cronópio. Trad. Davi Arrigucci Jr. e João Alexandre Barbosa. 2ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2006.

DELEUZE, G. Crítica e clínica. Trad. Peter Pál Pelbart. São Paulo: Editora 34, 1997.

DOSSE, F. O desafio biográfico: escrever uma vida. Trad. Gilson César Cardoso de Souza. São Paulo: EDUSP, 2009.

FILGUEIRAS, A. Desastre (menina, cadê minha perna?). In: VIANNA, A. ; VIANNA, B. (Orgs.). Manaus 20 autores. Belo Horizonte: Quixote, 2013, p. 19-30.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso. Trad. Laura Almeida Sampaio. 5ª ed. São Paulo: Edições Loyola, 1999.

FOUCAULT, M. A verdade e as formas jurídicas. Trad. Roberto Cabral Machado. Rio de Janeiro: NAU Editora, 2005.

FOUCAULT, M. Ditos e escritos. Estética: literatura e pintura, música e cinema. Vol. III. Trad. Inês Autran Dourado. 2ª ed. Rio de Janeiro: Editora Forense, 2009.

FOUCAULT, M. História da Sexualidade II: o uso dos prazeres. Trad. Maria Thereza da Costa Albuquerque. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

GAGLIARDI, C. O problema da autoria na teoria literária: apagamentos, retomadas e revisões. Estudos Avançados, v. 24, n. 69, p. 285-299, 2010.

GINZBURG, C. O fio e os rastros. Trad. Rosa Freire D’Aguiar e Eduardo Brandão. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. Trad. Laurent León Schaffter. São Paulo: Editora Vértice, 1990.

HARTOG, F. A arte da narrativa histórica. In: BOUTIER, J. ; JULIA, D. (Orgs.). Passados recompostos: campos e canteiros da História. Trad. Marcella Mortara e Anamaria Skinner. Rio de Janeiro: Editora UFRJ/ Editora FGV, 1998, p. 192-201.

HATOUM, M. Cinzas do Norte. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

HATOUM, M. Laços de parentesco: ficção e antropologia. Raízes da Amazônia, vol. 1, n. 1, p. 83-87, Jan. 2005.

LEAL, B. A. Nas trilhas de Milton Hatoum: um breve estudo de uma trajetória intelectual. Dissertação de Mestrado (Sociologia) – Universidade Federal do Amazonas, 2010.

LEVI, G. Usos da biografia. In: AMADO, J.; FERREIRA, M. de M. (Orgs.). Usos e abusos da história oral. Trad. Glória Rodríguez, Luiz Alberto Monjardim, Maria Magalhães e Maria Carlota Gomes. 5ª ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2002, p. 167-182.

LORIGA, S. Nos interstícios da História. Trad. Carla Miussi de Barros. Locus, n. 1, v. 20, p. 251-259, 2014.

LORIGA, S. O eu do historiador. História da Historiografia, n. 10, p. 247-259, dez. 2012.

NICOLAZZI, F. A narrativa da experiência em Foucault e Thompson. Anos 90, v. 11, n. 19, p. 103-131, jan-dez. 2004.

PAES, J. P. O lugar do outro. São Paulo: Topbooks, 1999.

PESAVENTO, S. J. O mundo como texto: leituras da História e da Literatura. História da Educação, n. 14, p. 31-45, set. 2003.

PORTELLI, A. O massacre de Civitella Val di Chiana (Toscana, 29 de Junho de 1944). In: AMADO, J. ; FERREIRA, M. de M. (Orgs.). Usos e abusos da história oral. Trad. Glória Rodríguez, Luiz Alberto Monjardim, Maria Magalhães e Maria Carlota Gomes. 5ª ed. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2002, p. 103-130.

RICOEUR, P. História e verdade. Trad. Fernando Ribeiro. Rio de Janeiro: Editora Forense, 1968.

VARGAS LLOSA, M. A morte de Aurora. El País. Disponível em: http://brasil.elpais.com/brasil/2014/11/13/opinion/1415893327_540070.html. Acesso em: 22 Jan. 2015.

Publicado
2017-08-23
Como Citar
Amaral, V. A. do. (2017). Beco sem saída ou ponto de partida? A ilusão biográfica e os historiadores. Ideias, 8(2), 219-242. https://doi.org/10.20396/ideias.v8i2.8650130