A mímesis do Quinteto Armorial: Uma busca pela autenticidade da música brasileira

Autores

  • Nívea Lins dos Santos Universidade Estadual Paulista

DOI:

https://doi.org/10.20396/ideias.v8i2.8651268

Palavras-chave:

Quinteto Armorial. Mímesis. Música brasileira. Modernidade. Tradição

Resumo

Este artigo teve por finalidade analisar, sob o conceito de mímesis, as referências artístico-culturais do grupo musical Quinteto Armorial e sua atuação em prol da construção de certa “autêntica música brasileira”, em meio à modernidade. Sob a orientação de Ariano Suassuna, a paisagem sonora do quinteto foi uma resposta a um determinado momento histórico brasileiro que parecia colocar em xeque perspectivas e práticas mais tradicionais sobre laços identitários (tanto nacional quanto nordestino). Sendo assim, buscou-se refletir como o grupo atuou mimeticamente tendo por cenário a relação entre tradição e modernidade no contexto brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nívea Lins dos Santos, Universidade Estadual Paulista

Doutoranda em História e Cultura Social no Programa de Pós-graduação da UNESP/Franca, desenvolvendo a tese “Brasilindia: o mosaico sonoro de Alberto Marsicano (1984-2009)”, com financiamento da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Integra o Grupo de Estudos Culturais (GECU) da UNESP/Franca.

Referências

ALBUQUERQUE JUNIOR, Durval Muniz de. A invenção do nordeste e outras artes. 3ª ed. Recife: FJN; Massangana / São Paulo: Cortez, 2006.

ARISTÓTELES. Política (Tradução de Roberto Leal Ferreira). 2ª ed. São Paulo: Martins Fontes, 1998.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Lembrar escrever esquecer. São Paulo: Ed. 34, 2006.

GAGNEBIN, Jeanne Marie. Sete aulas sobre linguagem, memória e história. 2ª ed. Rio de Janeiro: Imago, 2005.

HOLLANDA, Heloísa Buarque de. Impressões de viagem: CPC, vanguarda e desbunde: 1960/70. 5ª ed. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2004.

MACHADO, Roberto. Nietzsche e a polêmica sobre o nascimento da tragédia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2005.

NIETZSCHE, Friedrich. A origem da tragédia. 13ª ed. São Paulo: Centauro, 2008.

ORTIZ, Renato. A moderna tradição brasileira: cultura brasileira e indústria cultural. 2ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1989.

PLATÃO. A República (Tradução de Carlos Alberto Nunes). 3ª ed. Belém: EDUFPA, 2000.

SANTOS, Nívea Lins. O galope nordestino diante do parque industrial: o projeto estético do Quinteto Armorial no Brasil moderno. Dissertação de Mestrado em História. Franca: UNESP, 2015.

SCHAFER, Raymond Murray. A afinação do mundo - uma exploração pioneira pela história passada e pelo atual estado do mais negligenciado aspecto de nosso ambiente: a paisagem sonora. São Paulo: UNESP, 2001.

SOLER, L. Origens árabes no folclore do sertão nordestino. Florianópolis: Ed. UFSC, 1995.

SUASSUNA, Ariano. Almanaque armorial (Organização de Carlos Newton Júnior). Rio de Janeiro: José Olympio, 2008.

SUASSUNA, Ariano. O Movimento Armorial, Revista Pernambucana de Desenvolvimento, Recife, v. 4, n. 1, p. 39-65, jan./jun. 1977.

TELES, José. Do frevo ao manguebeat. 2ª ed. São Paulo: Ed. 34, 2012.

VARGAS, Herom. Hibridismos musicais de Chico Science & Nação Zumbi. Cotia: Ateliê, 2007.

VENTURA, Leonardo Carneiro. Música dos espaços: paisagem sonora do nordeste no movimento armorial. Dissertação de Mestrado em História. Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte, 2007.

MEDEIROS, Wandecy. Entrevista de Ariano Suassuna a Wandecy Medeiros, 4 maio 2013. Disponível em: http://www.patosonline. com/post.php?codigo=33916. Acesso em: 05 nov. 2017.

WISNIK, José Miguel. O som e o sentido: uma outra história das músicas. 2ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

Downloads

Publicado

2017-12-15

Como Citar

Santos, N. L. dos. (2017). A mímesis do Quinteto Armorial: Uma busca pela autenticidade da música brasileira. Ideias, 8(2), 113–130. https://doi.org/10.20396/ideias.v8i2.8651268

Edição

Seção

Dossiê: Relações Brasil-China