A validade da explicação demográfica para a tendência recente do homicídio de homens jovens em quatro regiões metropolitanas brasileiras (2002-2012).

Autores

  • Alex Manetta Universidade Autônoma do Estado de Hidalgo
  • José Eustáquio Diniz Alves Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

DOI:

https://doi.org/10.20396/ideias.v9i1.8652691

Palavras-chave:

Estrutura etária. Homicídio. Condições de ocupação. Juventude. Brasil.

Resumo

Este artigo revisa a validade da explicação demográfica para as alterações das condições de vida e da tendência do homicídio para a população jovem masculina, aplicada às regiões metropolitanas de Recife, Salvador, Rio de Janeiro e São Paulo (2002-2012). Utiliza-se como método uma análise descritiva-comparativa das tendências das mudanças na estrutura demográfica; nas taxas de desemprego, de ocupação e de inatividade; nas taxas de homicídio e suas inter-relações. Conclui-se que esta explicação não se aplica ao conjunto de RM avaliadas e que o peso relativo de cada variável tende a ser diferente segundo contextos particulares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alex Manetta, Universidade Autônoma do Estado de Hidalgo

Instituto de Ciências Sociais e Humanidades da Universidade Autônoma do Estado de Hidalgo (UAEH) (Pachuca de Soto, Hidalgo, México)

José Eustáquio Diniz Alves, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística

Escola Nacional de Ciências Estatísticas (ENCE) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Referências

ADORNO, Sérgio. Exclusão socioeconômica e violência urbana. Sociologias, v. 4, n. 8, p. 84-135, 2002.

AIDAR, Tirza. A face perversa da cidade: configuração sócioespacial das mortes violentas em Campinas nos anos 90. Tese (Doutorado). Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, 2003.

ARENDT, Hannah (1985). Da violência. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1985.

BERCOVICH, Alicia. Onda jovem, mercado de trabalho e violência: um enfoque demográfico. Tese (Doutorado). Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, 2004.

BERCOVICH, Alicia; DELLASOPPA, Emilio; ARRIAGA, Eduardo. J’ad junte, mais je ne corrige pas: jovens, violência e demografia no Brasil. Algumas reflexões a partir dos indicadores de violência. In: BERQUÓ, Elza (Org.). Jovens acontecendo na trilha das políticas públicas. Brasília: IPEA/CNPD, 1998, p. 293-363.

BERCOVICH, Alicia; MADEIRA, Felícia. Descontinuidades demográficas no Brasil e no Estado de São Paulo. In: Encontro Nacional de Estudos Populacionais, 1., 1990, Caxambu. Anais... Caxambu: ABEP, 1990.

BERCOVICH, Alicia; MASSÉ, Gladys. Descontinuidades demográficas, onda jovem e mercado de trabalho: uma comparação entre Brasil e Argentina. In: Congreso de la Asociación Latinoamericana de Estudios de Población, 1., 2004, Caxambu. Anais… Caxambu: ALAP, 2004.

DOMENACH, Jean M. La violencia. In: Unesco. La violencia y sus causas, Nova York: Editorial de la Unesco, 1981, p 33-46.

EASTERLIN, R. Birth and fortune: the impact of numbers on personal welfare. Chicago: University of Chicago Press, 1980.

FERREIRA, I. C. B.; VASCONCELOS, A. M. N.; PENNA, N. de A. Violência urbana: a vulnerabilidade dos jovens da periferia das cidades. Encontro Nacional de Estudos Populacionais, 1., 2008, Caxambu. Anais... Caxambu: ABEP, 2008.

GALTUNG, Johan. Cultural violence. Journal of peace research, v. 27, n. 3, p. 291-305, 1990.

HIRATA, Helena. Salariado, precariedade, exclusão. Trabalho e relações sociais de sexo-gênero: uma perspectiva internacional. In: OLIVEIRA, M. C. (Org.) Demografia da exclusão social: temas e abordagens. Campinas: Editora da Unicamp/Nepo, 2001, p. 105- 118.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Síntese de Indicadores Sociais. Uma análise das condições de vida da população brasileira. Rio de Janeiro: IBGE, 2013.

LIVI-BACCI, Massimo. 500 anos de demografia brasileira: uma resenha. Revista Brasileira de Estudos de População, v.19, n.1, p. 141-159, 2002.

MANETTA, A.; ALVES, J. E. D. Óbitos violentos e inflexão precoce na razão de sexo: Argentina e Brasil (2001-2011). Revista Latinoamericana de Población, n. 17, p. 83-106, 2015.

MATTA, Roberto da. As raízes da violência no Brasil: reflexões de um antropólogo social. In: MATTA, Roberto da (Org.). Violência brasileira, 1982, p. 14-28.

MERRICK, T. W.; GRAHAM, D. H. População e desenvolvimento econômico no Brasil de 1800 até a atualidade. Rio de Janeiro: Zahar editores, 1979.

MICHAUD, Yves (1986). La violence. Presses Universitaires de France. Paris (1986).

MINAYO, M. C. de S. Violência um problema para a saúde dos brasileiros. In: Brasil. Ministério da Saúde, Impacto da violência na saúde dos brasileiros. Brasília: Ministério da Saúde, 2005, p. 9-33, 2005.

MUNIZ, J. O. As descontinuidades demográficas exercem efeitos sobre o mercado de trabalho metropolitano de jovens? Revista Brasileira de Estudos da População, v.19, n.2, p. 65-98, 2002.

OLIVEIRA, M. C.; PINTO, L. G. Exclusão social e demorafia: elementos para uma agenda. In: OLIVEIRA, M. C. (Org.) Demografia da exclusão social: temas e abordagens. Campinas: Editora da Unicamp/Nepo, 2001, 12-58 p.

SACHSIDA, A.; MENDONÇA; M. J. C. de. Combatendo os homicídios no Brasil: o que funciona em São Paulo funciona na Bahia. In: IPEA. Texto para Discussão, Rio de Janeiro: IPEA, n. 1979, 2014, p. 11-40.

SOUZA, Edinilsa R. de; LIMA, Maria L. C. de. Panorama da violência urbana no Brasil e suas capitais. Ciência & Saúde Coletiva, v. 11, 2006.

SWANSON, D.; SIEGEL, J. S. The methods and materials of demography. San Diego: Academic Press, 1976.

VELHO, Gilberto. O desafio da violência. Estudos Avançados, v. 14, n. 39, p. 56-60, 2000.

WAISELFISZ, J. J. Mapa da violência 2014: os jovens do Brasil. Brasília: FLACSO, 2014.

ZALUAR, Alba. Democratização inacabada: fracasso da segurança pública. Estudos Avançados, v. 21, n. 61, p. 31-49, 2007.

Downloads

Publicado

2018-06-12

Como Citar

MANETTA, A.; ALVES, J. E. D. A validade da explicação demográfica para a tendência recente do homicídio de homens jovens em quatro regiões metropolitanas brasileiras (2002-2012). Ideias, Campinas, SP, v. 9, n. 1, p. 193–220, 2018. DOI: 10.20396/ideias.v9i1.8652691. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ideias/article/view/8652691. Acesso em: 20 jan. 2022.