O campo recente de estudos sobre os movimentos sociais no Brasil: um balanço crítico a partir dos conceitos de permeabilidade estatal e repertórios.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/ideias.v9i1.8652796

Palavras-chave:

Movimentos sociais. Permeabilidade. Repertórios.

Resumo

Este artigo consiste em um balanço crítico sobre as contribuições, avanços e limitações de dois conceitos chaves presentes nas análises sobre movimentos sociais no Brasil: a permeabilidade da esfera estatal e o conceito de repertórios. A partir da análise crítica da literatura sobre o referido campo de estudos, argumenta-se a pertinência e urgência de analisar como repertórios formados por práticas tão diversificadas se transformam e desafiam as barreiras impostas pelas assimetrias na permeabilidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diego Matheus Oliveira de Menezes, Universidade Federal da Bahia

Doutorando e Mestre em Ciências Sociais pela Universidade Federal da Bahia.

Referências

ABERS, R; VON BÜLOW, M. Movimentos sociais na teoria e na prática: como estudar o ativismo através da fronteira entre Estado e sociedade? Sociologias, Porto alegre, ano 13, n. 28, set./dez., p. 52-84, 2011

ABERS, R.; SERAFIM, L. e TATAGIBA, L. A participação na era Lula: repertórios de interação em um Estado heterogêneo. In: ENCONTRO ANUAL DA ANPOCS, 35., Caxambu, 2011. Anais dos... Caxambu: ANPOCS, 2011.

ALONSO, A. Repertório, segundo Charles Tilly: história de um conceito. Sociol. Antropol. vol.2 no.3 Rio de Janeiro June 2012

ALONSO, A.; COSTA, V. e MACIEL, D. Identidade e estratégia na formação do movimento brasileiro. Novos Estudos, n. 79, novembro, 2007.

AVRITZER, L; Sociedade Civil e Estado no Brasil: da autonomia à interdependência política. Opinião Pública, v. 18, n 2, Campinas. 2012

AVRITZER, L; Instituições participativas e desenho institucional: algumas considerações sobre a variação da participação no Brasil democrático. Opinião Pública, v. 14, n 1, 2008.

CARLOS, E. 2011. Movimentos sociais: revisitando participação e institucionalização. Lua Nova Revista de Cultura e Política, São Paulo, v. 48. 2011

BLIKSTAD, K. O agir coletivo nas interfaces da sociedade civil e do sistema político: o caso da atuação do movimento de moradia de São Paulo sobre a política pública de habitação. Dissertação de Mestrado. UNICAMP. Campinas. 2012.

DAGNINO, E.; OLVERA, A.; PANFICHI, A. Para uma outra leitura da disputa pela construção democrática na América Latina. In: DAGNINO, Evelina. OLVERA, Alberto J. (Org. ). A disputa pela construção democrática na América Latina. 2006.

DAGNINO, E. Sociedade civil e espaços públicos no Brasil. In: ______ (Org.). Sociedade civil e espaços públicos no Brasil. São Paulo: Paz e Terra, 2002.

DOIMO, A. M. A vez e a voz do popular: movimentos sociais e participação política no Brasil pós-70. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 1995.

DOWBOR, M. Além dos Protestos. Seminário de Pós-graduação USP. 2012

DELLA PORTA, D.; DIANI, M. Social movements: anintroduction.Oxford: Blackwell. 2006

DIANI, M. The concept of social movement. The Sociological Review, v.40, n.1, p. 1-25. 1992.

GIUGNI, Marco; PASSY, Florence. Contentious politics in complex societies: new social movements between conflict and cooperation. In: GIUGNI, Marco; McADAM, Doug; TILLY, Charles (eds.). From contention to democracy. Lanham: Rowman & Littlefield, 1998.

GOHN, M. Movimentos Sociais e lutas pela moradia. Editora Loyola. 1991

LAVALLE, A. Sem pena nem glória: o debate da sociedade civil nos anos 1990. Novos Estudos. CEBRAP. São Paulo, v. 66, n. 66, p. 91-110, 2003.

LUCHMANN, L. Associações, participação e representação: combinações e tensões. Lua Nova, São Paulo, 84: 141-174, 2011

MARQUES, E. Em busca de um objeto esquecido: A política e as políticas do urbano no Brasil. RBCS, v. 32 n. 95, 2017.

MARQUES, E. Redes sociais e instituições na construção do Estado e sua permeabilidade. RBCS v. 14, 1999

MARQUES, E. Redes sociais e permeabilidade do Estado: instituições e atores políticos na produção da infra-estrutura urbana no Rio de Janeiro. Campinas, tese de doutorado em Ciências Sociais, IFCH/Unicamp. 1998.

McADAM, D. “Conceptual origins, current problems, future directions” In: McADAM, D; McCARTHY, D. John ; ZALD, N. Mayer. (Org.) Comparative Perspectives on Social Movements. Political Opportunities, Mobilizing Structure, and Cultural Framings. Cambridge University Press, 2006.

MEYER, D.; TARROW, S. (Org.). The social movement society: contentions politics for a new century. Lanham, MA: Rowman& Littlefield, 1998.

MUNCK, G. Formação de atores, coordenação social e estratégia política: problemas conceituais do estudo dos movimentos sociais. Dados, n. 40, 1997.

POULANTZAS, N. O Estado, o poder e o socialismo. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

RIBEIRO, E. A. ; BORBA, J. Participação e cultura política: rendimentos subjetivos da experiência do Orçamento Participativo. Revista debates, v. 5, p. 47-66, 2011.

SAULE J. Retratos sobre a atuação da sociedade civil pelo direito à cidade: diálogo entre Brasil e França. São Paulo: Instituto Polis; Paris: AITEC, 2006.

TATAGIBA, L. Relação entre movimentos sociais e instituições políticas na cidade de São Paulo: o caso do movimento de moradia. In: KOWARICK, L.; MARQUES, E. (Org.). São Paulo: novos percursos e atores. São Paulo: Editora 34, 2011.

Downloads

Publicado

2018-06-26

Como Citar

Menezes, D. M. O. de. (2018). O campo recente de estudos sobre os movimentos sociais no Brasil: um balanço crítico a partir dos conceitos de permeabilidade estatal e repertórios. Ideias, 9(1), 101–124. https://doi.org/10.20396/ideias.v9i1.8652796