Banner Portal
Visibilizar, sensibilizar, engajar: atuação de Brokers nos processos de resistência ao pré-sal no estado do Espírito Santo
PDF

Palavras-chave

Neoextrativismo. Conflitos ambientais. América Latina. Redes de ativismo ambiental. Brokerage.

Como Citar

CASTRO, Julia Silva de. Visibilizar, sensibilizar, engajar: atuação de Brokers nos processos de resistência ao pré-sal no estado do Espírito Santo. Ideias, Campinas, SP, v. 9, n. 1, p. 125–146, 2018. DOI: 10.20396/ideias.v9i1.8652818. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ideias/article/view/8652818. Acesso em: 25 jun. 2024.

Resumo

Partindo das atuais discussões acerca das mobilizações em torno dos impactos de atividades extrativistas na América Latina, busca-se compreender o processo de contestação dos afetados pela indústria do petróleo e gás no estado do Espírito Santo, tendo em vista as intermediações entre o local e o global. Diferentes valorações e práticas estão envolvidas no processo de mobilização e, nesse sentido, o
intercâmbio de afetados, enquanto a materialização de uma performance constituída através de um ator “glocal”, ou broker, irá forjar uma vivência capaz de vincular demandas locais com enquadramentos que possuam projeção global.

https://doi.org/10.20396/ideias.v9i1.8652818
PDF

Referências

ACSELRAD, H. Ambientalização das lutas sociais o caso do movimento por justiça ambiental. Estudos Avançados, v. 24, n. 68, 2010.

BRINGEL, B. Ativismo transnacional, o estudo dos movimentos sociais e as novas geografias pós-coloniais. Estudos de Sociologia (Recife), v. 16, p. 185-215, 2011.

DE LA CADENA, M. Indigenous cosmopolitics in the Andes: conceptual reflections beyond ‘politics’. Cultural Anthropology, v. 25, n. 2, p. 334-370, 2010.

GONÇALVES, F. P. Atividade energética e riscos no litoral de Linhares: problemas e perspectivas para a gestão do território. 2011. Dissertação (Mestrado em Geografia – Programa de PósGraduação da Universidade Federal do Espírito Santo), Vitória, 2011.

GUDYNAS, E. Estado compensador y nuevos extractivismos. Nueva Sociedad, v. 237, p. 128-146. 2012a.

GUDYNAS, E. La ecología política del giro biocéntrico en la nueva Constituición de Ecuador. Revista de Estudios Sociales No 32. p. 34-46. 2009.

KIRSCH, S. Mining Capitalism. The relationship between corporations and their critics. University of California Press. 2014.

LERNER, S. Sacrifice zones: the front lines of toxic chemical exposure in the United States. Cambridge: The MIT Press, 2010.

LOSEKANN, C. A política dos afetados pelo extrativismo na América Latina. Revista Brasileira de Ciência Política, p. 121-164, 2016.

MCADAM, D; TARROW, S; TILLY, C. Dynamics of contention. Cambridge: Cambridge University Press, 2001.

MIGNOLO, W. D. A colonialidade de cabo a rabo: o hemisfério ocidental no horizonte conceitual da modernidade. In: LANDER, E. (Org.). A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais. Perspectivas latinoamericanas. Ciudad Autónoma de Buenos Aires, Argentina: CLACSO, 2005.

MIGNOLO, W. D. ‘DELINKING’, Cultural Studies, v. 21, n.2, p. 449 - 514, 2007.

MILANEZ, B; SANTOS, R. S. P. Neoextrativismo no Brasil? Uma análise da proposta do novo marco legal da mineração. Revista Pós Ciências Sociais, v. 10, n. 19, 2013.

MILANEZ, B.; SANTOS, R. S. P. A Iniciativa Yasuní-ITT: uma análise a partir do Modelo de Fluxos Múltiplos. Revista de Sociologia e Política (Online), v. 24, p. 39-65, 2016.

SVAMPA, M. Consenso de los commodities, giro ecoterritorial y pensamiento crítico en América Latina. Revista del Observatorio Social de la América Latina, Buenos Aires, ano 18, n. 32, p. 15- 38, 2012.

VON BÜLOW, M. Building transnational networks: civil society and the politics of trade in the Americas. New York: Cambridge University Press, 2010.

ZANOTELLI, C. L. Cadeia do petróleo e impacto na Região Metropolitana de Vitória. In: Caderno de debates 3: Cidades, indústrias e os impactos do desenvolvimento brasileiro. Organização: Joana Barros, Evanildo Barbosa e Lívia Duarte. Rio de Janeiro: Fase, 2015, p. 59-74.

A Idéias utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.