Em diálogo Gilles Deleuze e Platão

do simulacro à reversão do platonismo

  • Larissa Farias Rezino Universidade Federal de São Carlos
  • Pedro Fernandez de Souza Universidade Federal de São Carlos
Palavras-chave: Deleuze, Platão, Imagem, Simulacro, Reversão do platonismo.

Resumo

É mais que conhecida entre os leitores de Deleuze a relação entre o pensamento do filósofo francês e a filosofia de Platão. Trata-se de um diálogo constante, mas com tons de conflito: em momentos distintos, o que Deleuze afirma intentar realizar é justamente o que ele chama de reversão do platonismo. O risco é que, ao lermos a obra do filósofo francês e ingressarmos em seu intricado pensamento, nos esqueçamos da referência ao original grego: se Deleuze critica Platão, ou melhor, um certo platonismo que seria o esqueleto conceitual subjacente a boa parte da produção filosófica do Ocidente, faz-se necessário que se leia o próprio Platão. É o que tentamos fazer neste pequeno texto: uma leitura tanto de Platão quanto da sua crítica deleuziana. Para isso nos focamos com mais minúcia nos conceitos de imagem, cópia e simulacro, tal qual Platão nos apresenta em alguns de seus diálogos (em especial O Sofista) e na retomada destes por Deleuze. Com efeito, pode-se dizer que a crítica de Deleuze a Platão centra-se sobretudo nesses conceitos, e a reversão do platonismo almejada se dá, é possível notar, numa espécie de reversão do estatuto do conceito de simulacro. Se para Platão o simulacro é como que o avesso da filosofia (uma cópia malfeita, mas, mais que isso, uma má cópia cujo escopo é passar-se pelo modelo real e ludibriar seus espectadores) e a filosofia, por sua vez, a busca por cópias cada vez mais fidedignas do seu objeto de estudo, para Deleuze o simulacro ganha um estatuto novo e passa a ser um conceito impulsionador do pensamento filosófico. Nosso objetivo central é apresentar um paralelo dos conceitos supracitados nos autores em questão e, mais precisamente, mostrar o caminho intelectual que levou Deleuze a afirmação da reversão do platonismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Larissa Farias Rezino, Universidade Federal de São Carlos

Doutoranda em Filosofia na Universidade Federal de São Carlos.

Pedro Fernandez de Souza, Universidade Federal de São Carlos

Mestrando em Filosofia da Psicanálise pelo Departamento de Filosofia e Metodologia das Ciências da Universidade Federal de São Carlos.

Referências

BOTTER, B. (2016). Enti inesistenti: phantasmata in Platone. Archai, 18, pp. 113-149.

DELEUZE, G. Diferença e repetição. Tradução Luiz Orlandi, Roberto Machado – Rio de Janeiro: Graal, 1988, 1ª edição, 2ª edição, 2006.

DELEUZE, G. Lógica do sentido. Tradução de Luiz Roberto Salinas Fortes. São Paulo, Ed. Perspectivas, 1974. 2°Edição.

DELEUZE, G. Platão e o simulacro. In: DELEUZE, G. Lógica do sentido. Tradução de Luiz Roberto Salinas Fortes. São Paulo, Ed. Perspectivas, 1974. 2°Edição.

DE PINOTI, G. E. M. (2006a). Algunos aspectos de la crítica platónica al arte imitativo. Hypnos, 11 (16), pp. 74-88.

DE PINOTI, G. E. M. (2006b). La crítica platónica a oradores, poetas y sofistas. Estudos de Filosofía de la Universidad de Antioquia, 34, pp. 9-27.

FORCINITI, M. S. (2014). Erótica de las estatuas y retórica de los fantasmas. Una contraposición entre las producciones miméticas del filósofo y el sofista en Platón. Hypnos, 33 (2), pp. 259-282.

LAPOUJADE, D. Deleuze, os movimentos aberrantes. Tradução: Laymet Garcia dos Santos. São Paulo: n-1 edições, 2015.

MARQUES, M. P. (2000/1). Imagem e aporia no Sofista de Platão. Classica, 13/14 (13/14), pp. 189-204.

PLATONE. C. Tutti gli scritti. Milano: Bompiani, pp. 131-190.

PLATONE. C. Sofista. Tutti gli scritti. Milano: Bompiani, pp. 261-314.

PLATONE. C. Teeteto. Tutti gli scritti. Milano: Bompiani, pp. 195-259.

Publicado
2018-12-14
Como Citar
Rezino, L. F., & Souza, P. F. de. (2018). Em diálogo Gilles Deleuze e Platão. Idéias, 9(2), 209-232. https://doi.org/10.20396/ideias.v9i2.8655424
Seção
Seção livre