A “unidade dos contrários” na análise dos fluxos e impactos ambientais das relações Brasil-China

Palavras-chave: Unidade dos contrários, Sociologia dos fluxos ambientais, Teoria dos sistemas-mundo, Conflitos socioambientais, Riscos.

Resumo

A partir da análise da balança comercial e dos investimentos chineses no Brasil, este trabalho apresenta uma discussão acerca dos fluxos e impactos ambientais das relações Brasil/China. A originalidade de nossa proposta consistiu em lançar mão da “unidade dos contrários” enquanto categoria analítica que aborda os processos de degradação ambiental e os vetores de modernização ecológica enquanto dimensões de uma mesma totalidade. Os dados que fundamentam o artigo incluem nove entrevistas semi-estruturadas com diferentes atores vinculados à questão ambiental, realizadas em Pequim entre novembro de 2015 e julho de 2018.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Enrique Vieira de Souza, Universidade Federal da Bahia

Professor do departamento de Sociologia da Universidade Federal da Bahia. Doutorado em Sociologia pela Universidade de São Paulo.

Alina Mikhailovna Gilmanova Cavalcante, Universidade Estadual de Campinas

Doutora em Ciências Sociais do Instituto de Filosofia e Ciência Humanas pela Universidade Estadual de Campinas.

Referências

AGÊNCIA SENADO. Senado aprova acordo de cooperação entre Brasil e China na área de ciência e tecnologia, 24/08/2018. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2016/08/24/senado-aprova-acordo-de-cooperacao-entre-brasil-e-china-na-area-de-ciencia-e-tecnologia. Acesso em: 24 jun. 2018.

AGUIAR, D. A geopolítica de infraestrutura da China na América Latina: um estudo a partir do caso dos Tapajós na Amazônia brasileira. Rio de Janeiro: ActionAid/FASE, 2017.

BECK, Ü. Sociedade de risco: rumo a uma outra modernidade. São Paulo: Editora 34, 2011.

BOMBARDI, L. M. Geografia do uso de agrotóxicos no Brasil e conexões com a União Europeia. São Paulo: FFLCH/USP, 2017.

CENTRO CHINA BRASIL. Projetos e Pesquisas (Tsinghua/COPPE-UFRJ). Disponível em: http://www.centrochinabrasil.coppe.ufrj.br/. Acesso em: 17 jul. 2018.

DIÁLOGO CHINO. China impulsiona boom na mineração brasileira, 05/07/2017. Disponível em: http://dialogochino.net/china-impulsiona-boom-na-mineracao-brasileira/?lang=pt-pt. Acesso em: 15 mai. 2018.

EMBAIXADA BRASILEIRA EM PEQUIM. Entrevista com representantes do setor de ciência e tecnologia da Embaixada Brasileira em Pequim, (03/07/2018).

FEARNSIDE, P. M.; FIGUEIREDO, A. M. R. China’s influence on deforestation in Brazilian Amazonia: a growing force in the State of Mato Grosso (Discussion Paper). Global Economic Governance Initiative (GEGI), 2015.

FERREIRA, L. C. (Org). O desafio das mudanças climáticas: os casos Brasil e China. Jundiaí: Paco Editorial, 2017.

FOLHA DE SÃO PAULO. Pela primeira vez, China compra um quarto de todas as exportações brasileiras, (22/07/2017). Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2017/07/1903460-pela-1-vez-china-compra-um-quarto-de-todas-as-exportacoes-brasileiras.shtml. Acesso em: 28 maio 2018.

FRANK, D. J.; HIRONAKA, A.; SCHOFER, E. The nation-state and the natural environment over the twentieth century. IN: Americam Sociological Review, v. 65 (1), 96-116, 2000.

FRANKFURT SCHOOL AND UNITED NATIONS ENVIRONMENT PROGRAMME COLABORATION CENTRE (FS & UNEP). Global Trends in Renewable Energy Investment 2015. FS UNEP Centre, 2015.

GAO, X. Entrevista com Gao Xiaoyi, representante da All China Environmental Federation (11/12/2015).

GREEN, F.; STERN, N. China’s changing economy: implications for its carbon dioxide emissions. Climate Policy, v. 17 (4), 423-42, 2017.

GU, L. Entrevista com Gu Lijing, especialista em conservação e eficiência energética do Centre for Renewable Energy Development Research Institute/NDRC (03/12/2015).

HONG, D. Entrevista com Hong Dayong, sociólogo ambiental e vice-reitor da Renmin University (07/01/2016).

JAHIEL, A. R. China, the WTO, and the implications for the environment. In: CARTER, N. T.; MOL, A. P. J. Environmental Governance in China. London/New York: Routledge (2008).

JÄNICKE, M. The environmental state and environmental flows: the need to reinvent the nation-state. IN: SPAARGAREN, G.; MOL, A. P. J.; BUTTEL, F. H. (Org). Governing environmental flows: global challenges to social theory. London: MIT Press, 2006.

KICK, E.; JORGENSON, A. Globalization and the environment. IN: Journal of world-systems research, vol. IX (2), 195-203, 2003.

LANG, G.; CHAN, C. H. W. China’s impact on forests in Southeast Asia. Journal of Contemporary Asia, v. 36 (2), 167-94, 2006.

LI, S. Entrevista com Li Shuo, conselheiro sênior de políticas globais do Greenpeace East Asia (07/06/2018).

MA, T. Entrevista com Ma Tianjie, diretor de China Dialogue (11/01/2016).

MARQUES, L. Capitalismo e colapso ambiental. Campinas: Editora da Unicamp, 2016.

MORENO, C. O Brasil made in China: para pensar as reconfigurações do capitalismo contemporâneo. São Paulo: Fundação Rosa Luxemburgo, 2015.

MUGGAH, R.; ABDENOUR, A. E. China’s strategic play in Brazil. Americas Quarterly, 2017.

NATIONAL PEOPLE’S CONGRESS OF CHINA (NPC). 13th Five-Year Plan. Beijing, 2016.

NETO, I. C. Dinâmica capitalista dos investimentos chineses no Brasil. Rio de Janeiro: ActionAid, 2016.

SHI, J. Entrevista com Shi Jingli, especialista em energias renováveis do Centre for Renewable Energy Development Research Institute/NDRC (20/11/2015).

SHINN, D. H. The environmental impact of China’s investment in Africa. Cornell International Law Journal, v. 49 (1), 25-66, 2016.

SOUTAR, R. Entrevista com Robert Soutar, editor de Diálogo Chino (06/06/2018).

SOUZA, L. E. V.; CAVALCANTE, A. M. G. Towards a sociology of energy and globalization: interconnectedness, capital and knowledge in the Brasilian solar photovoltaic industry. Energy Research and Social Sciences, v. 21, 145-54, 2016.

SPAARGAREN, G.; MOL, A. P. J.; BUTTEL, F. H. (Org). Governing environmental flows: global challenges to social theory. London: MIT Press, 2006.

STATE COUNCIL. Integrated reform plan for promoting Ecological Progress, (22/09/2015). Disponível em: http://english.gov.cn/policies/latest_releases/2015/09/22/content_281475195492066.htm. Acesso em: 27 mai. 2018.

TRACY, E. F.; SHVARTS, E.; SIMONOV, E.; BABENKO, M. China’s new eurasian ambitions: the environmental risks of the silk road economic belt. Eurasian Geography and Economics, v. 58 (1), 56-88, 2017.

UN COMTRADE. International trade in goods and services based on UN Comtrade data. Disponível em: https://comtrade.un.org/labs/dit-trade-vis/?reporter=76&partner=156&type=C&year=2017&flow=2. Acesso em: 22 mai. 2018.

WALKER, B. China cuts pollution at home, grows coal abroad, 27/09/2016. Disponível em: http://www.climatechangenews.com/2016/09/27/china-cuts-pollution-at-home-grows-coal-abroad/. Acesso em: 11 jun. 2018.

WALLERSTEIN, I. World-systems analysis: an introduction. Durham/London: Duke University Press: 2004.

Publicado
2018-12-14
Como Citar
Souza, L. E. V. de, & Cavalcante, A. M. G. (2018). A “unidade dos contrários” na análise dos fluxos e impactos ambientais das relações Brasil-China. Idéias, 9(2), 133-160. https://doi.org/10.20396/ideias.v9i2.8655432
Seção
Dossiê: Relações Brasil-China