A “unidade dos contrários” na análise dos fluxos e impactos ambientais das relações Brasil-China

  • Luiz Enrique Vieira de Souza Universidade Federal da Bahia
  • Alina Mikhailovna Gilmanova Cavalcante Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Unidade dos contrários, Sociologia dos fluxos ambientais, Teoria dos sistemas-mundo, Conflitos socioambientais, Riscos

Resumo

A partir da análise da balança comercial e dos investimentos chineses no Brasil, este trabalho apresenta uma discussão acerca dos fluxos e impactos ambientais das relações Brasil/China. A originalidade de nossa proposta consistiu em lançar mão da “unidade dos contrários” enquanto categoria analítica que aborda os processos de degradação ambiental e os vetores de modernização ecológica enquanto dimensões de uma mesma totalidade. Os dados que fundamentam o artigo incluem nove entrevistas semi-estruturadas com diferentes atores vinculados à questão ambiental, realizadas em Pequim entre novembro de 2015 e julho de 2018.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Enrique Vieira de Souza, Universidade Federal da Bahia

Doutor em sociologia pela USP e professor do departamento de sociologia da UFBA.

Alina Mikhailovna Gilmanova Cavalcante, Universidade Estadual de Campinas

Doutora em ciências sociais pela Unicamp e pesquisadora do Institute of Electrical Engineering/Chinese Academy of Sciences.

Referências

AGÊNCIA SENADO. Senado aprova acordo de cooperação entre Brasil e China na área de ciência e tecnologia, 24/08/2018. Disponível em: , acesso em 24 jun. 2018.
AGUIAR, D. A geopolítica de infraestrutura da China na América Latina: um estudo a partir do caso dos Tapajós na Amazônia brasileira. Rio de Janeiro: ActionAid/FASE, 2017.
BECK, Ü. Sociedade de Risco: rumo a uma outra modernidade. São Paulo: Editora 34, 2011.
BOMBARDI, L. M. Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia. São Paulo: FFLCH/USP, 2017.
CENTRO CHINA BRASIL. Projetos e Pesquisas (Tsinghua/COPPE-UFRJ). Disponível em: , acesso em 17 jul. 2018.
DIÁLOGO CHINO. China impulsiona boom na mineração brasileira, 05/07/2017. Disponível em: , acesso em 15 mai. 2018.
EMBAIXADA BRASILEIRA EM PEQUIM. Entrevista com representantes do setor de ciência e tecnologia da Embaixada Brasileira em Pequim, (03/07/2018).
FEARNSIDE, P. M.; FIGUEIREDO, A. M. R. China’s Influence on Deforestation in Brazilian Amazonia: A Growing Force in the State of Mato Grosso (Discussion Paper). Global Economic Governance Initiative (GEGI), 2015.
FERREIRA, L. C. (org). O desafio das mudanças climáticas: os casos Brasil e China. Jundiaí: Paco Editorial, 2017.
FOLHA DE SÃO PAULO. Pela primeira vez, China compra um quarto de todas as exportações brasileiras, (22/07/2017). Disponível em: , acesso em 28/05/2018.
FRANK, D. J.; HIRONAKA, A.; SCHOFER, E. The Nation-State and the Natural Environment over the Twentieth Century. IN: Americam Sociological Review, v. 65 (1), 96-116, 2000.
FRANKFURT SCHOOL AND UNITED NATIONS ENVIRONMENT PROGRAMME COLABORATION CENTRE (FS & UNEP). Global Trends in Renewable Energy Investment 2015. FS UNEP Centre, 2015.
GAO, X. Entrevista com Gao Xiaoyi, representante da All China Environmental Federation (11/12/2015).
GREEN, F.; STERN, N. China’s changing economy: implications for its carbon dioxide emissions. Climate Policy, v. 17 (4), 423-42, 2017.
GU, L. Entrevista com Gu Lijing, especialista em conservação e eficiência energética do Centre for Renewable Energy Development Research Institute/NDRC (03/12/2015).
HONG, D. Entrevista com Hong Dayong, sociólogo ambiental e vice-reitor da Renmin University (07/01/2016).
JAHIEL, A. R. China, the WTO, and the Implications for the Environment. IN: CARTER, N. T.; MOL, A. P. J. Environmental Governance in China. London/New York: Routledge (2008).
JÄNICKE, M. The Environmental State and Environmental Flows: The Need to Reinvent the Nation-State. IN: SPAARGAREN, G.; MOL, A. P. J.; BUTTEL, F. H. (org). Governing Environmental Flows: Global Challenges to Social Theory. London: MIT Press, 2006.
KICK, E.; JORGENSON, A. Globalization and the Environment. IN: Journal of World-Systems Research, vol. IX (2), 195-203, 2003.
LANG, G.; CHAN, C. H. W. China’s impact on forests in Southeast Asia. Journal of Contemporary Asia, v. 36 (2), 167-94, 2006.
LI, S. Entrevista com Li Shuo, conselheiro sênior de políticas globais do Greenpeace East Asia (07/06/2018).
MA, T. Entrevista com Ma Tianjie, diretor de China Dialogue (11/01/2016).
MARQUES, L. Capitalismo e Colapso Ambiental. Campinas: Editora da Unicamp, 2016.
MORENO, C. O Brasil made in China: para pensar as reconfigurações do capitalismo contemporâneo. São Paulo: Fundação Rosa Luxemburgo, 2015.
MUGGAH, R.; ABDENOUR, A. E. China’s strategic play in Brazil. Americas Quarterly, 2017.
NATIONAL PEOPLE’S CONGRESS OF CHINA (NPC). 13th Five-Year Plan. Beijing, 2016.
NETO, I. C. Dinâmica Capitalista dos Investimentos Chineses no Brasil. Rio de Janeiro: ActionAid, 2016.
SHI, J. Entrevista com Shi Jingli, especialista em energias renováveis do Centre for Renewable Energy Development Research Institute/NDRC (20/11/2015).
SHINN, D. H. The Environmental Impact of China’s Investment in Africa. Cornell International Law Journal, v. 49 (1), 25-66, 2016.
SOUTAR, R. Entrevista com Robert Soutar, editor de Diálogo Chino (06/06/2018).
SOUZA, L. E. V.; CAVALCANTE, A. M. G. Towards a sociology of energy and globalization: Interconnectedness, capital and knowledge in the Brasilian solar photovoltaic industry. Energy Research and Social Sciences, v. 21, 145-54, 2016.
SPAARGAREN, G.; MOL, A. P. J.; BUTTEL, F. H. (org). Governing Environmental Flows: Global Challenges to Social Theory. London: MIT Press, 2006.
STATE COUNCIL. Integrated Reform Plan for promoting Ecological Progress, (22/09/2015). Disponível em: , acesso em 27 mai. 2018.
TRACY, E. F.; SHVARTS, E.; SIMONOV, E.; BABENKO, M. China’s New Eurasian Ambitions: The Environmental Risks of The Silk Road Economic Belt. Eurasian Geography and Economics, v. 58 (1), 56-88, 2017.
UN COMTRADE. International trade in goods and services based on UN Comtrade data. Disponível em: , acesso em 22 mai. 2018.
WALKER, B. China cuts pollution at home, grows coal abroad, 27/09/2016. Disponível em: , acesso em 11 jun. 2018.
WALLERSTEIN, I. World-Systems Analysis: An Introduction. Durham/London: Duke University Press: 2004.
Publicado
2019-05-21
Como Citar
Enrique Vieira de Souza, L., & Mikhailovna Gilmanova Cavalcante, A. (2019). A “unidade dos contrários” na análise dos fluxos e impactos ambientais das relações Brasil-China. Idéias, 9(2), 133-160. https://doi.org/10.20396/ideias.v9i2.8655432