Pós-humanismo da multidão em Antonio Negri

subjetividade classista para além do sujeito moderno

Palavras-chave: Humanismo, Sujeito, Pós-humanismo, Multidão, Negri, Classe social, Comum.

Resumo

Após as críticas anti-humanistas estruturalistas e pós-estruturalistas à noção moderna de Sujeito, definido por sua identidade e interioridade transhistóricas – seja no recurso ao cogito, à razão, à consciência ou mesma à intersubjetividade e ao trabalho –, o marxismo se viu diante da exigência de enfrentar novamente um problema que sempre o perseguiu: como conceber um sujeito político de classe que se desvencilhe da carga metafísica própria das concepções modernas sobre o Sujeito. Mesmo que inconscientemente os diversos marxismos sempre trouxeram à contrabando a problemática do sujeito, visto que sua insistência em uma conceitualização de classe social leva a algo como um sujeito coletivo de lutas ou político. Com a crítica anti-humanista abriu-se caminho para uma construção teórica sobre a relação entre natureza e cultura, sujeito e objeto, humano e máquina que vai além dos limites estabelecidos pela filosofia moderna. Esse campo de estudos pode ser denominado genericamente de pós-humanismo, e é caracterizado por borrar as fronteiras citadas, levando a uma crítica mesma dessas separações. O dispositivo teórico marxista singular de Antonio Negri propõe uma conceituação de classe social e de sujeito/subjetividade classista que, além de partir das críticas anti-humanistas à metafísica do Sujeito, efetua uma composição entre o marxismo e as pautas propriamente pós-humanistas, chegando, com os conceitos de multidão e de comum, a uma concepção de sujeito classista que rompe com as barreiras do Sujeito moderno e institui uma espécie de humanismo depois da “morte do Homem”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Émerson dos Santos Pirola, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul

Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

                   

Referências

ALTHUSSER, Louis. Por Marx. Campinas: Editora Unicamp, 2015.
________. A querela do humanismo. Crítica Marxista, São Paulo, Xamã, nº 9, 1999.
________. A querela do humanismo II. Crítica Marxista, São Paulo: Boitempo, v.1, n.14, 2002, p. 48-72.
COCCO, Giuseppe. MundoBraz: O devir-mundo do Brasil e o devir-Brasil do mundo. Rio de Janeiro: Record, 2009.
________. Introdução. In: LAZZARATO, M.; NEGRI, A. Trabalho imaterial: Formas de vida e produção de subjetividade. Tradução de Monica de Jesus Cesar. 2ª ed., Rio de Janeiro: Lamparina, 2013, p. 32-46.
DELEUZE, Gilles & GUATTARI. Félix. O que é a filosofia? São Paulo: Editora 34, 1992.
________. O Anti-Édipo – capitalismo e esquizofrenia 1. Tradução de Luiz B. L. Orlandi. São Paulo: Editora 34, 2010.
________. Mil platôs – Capitalismo e esquizofrenia 2, [5 vs.]. São Paulo: Editora 34, 2014.
DERRIDA, Jacques. Os fins do Homem. In: As Margens da Filosofia. Tradução de Joaquim
Torres Costa e António M. Magalhães. Campinas: Papirus, 1991, p. 149 – 77.
FOUCAULT, Michel. Remarks on Marx. NewYork: Semiotext(e), 1991.
________. As Palavras e as Coisas. Uma arqueologia das ciências humanas. Tradução. Salma Tannus Muchail. São Paulo: Martins Fontes, 2000.
_________. Nascimento da Biopolítica. Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008.
HARAWAY, Donna. Manifesto ciborgue – Ciência, tecnologia e feminismo-socialista no final do século XX. In: Antropologia do ciborgue: as vertigens do pós humano. Tadeu, T. (org). Belo Horizonte: Autêntica, 2009, p. 33 – 118.
HARDT, Michael. & NEGRI, Antonio. Labor of Dionysus: A Critique of the State-Form. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1994.
________. Empire. Cambridge/London: Harvard University Press, 2000.
________. Império. Tradução de Berilo Vargas. Rio de Janeiro: Record, 2001.
________. Globalização e Democracia. In: NEGRI, A. Cinco lições sobre Império. Tradução de Alba Olmi. Rio de Janeiro: DP&A, 2003a, p. 115-138.
________.Traços marxistas. In: NEGRI, A. Cinco lições sobre Império. Tradução de Alba Olmi. Rio de Janeiro: DP&A, 2003b, p. 241-71.
________. Multidão: Guerra e democracia na era do Império. Tradução de Clóvis Marques. 4ª ed. Rio de Janeiro: Record, 2014.
________. Bem-Estar Comum. Tradução de Clóvis Marques. Rio de Janeiro: Record, 2016.
________. Assembly. New York: Oxford University Press, 2017.
HARVEY, David. Para entender O Capital, São Paulo: Boitempo, 2013.
LÉVI-STRAUSS, Claude. O pensamento selvagem. Tradução: Tânia Pellegrini. Campinas: Papirus, 1989.
MARX, Karl. Manuscritos Econômico-Filosóficos. São Paulo, Boitempo, 2010.
________. Grundrisse: manuscritos econômicos de 1857-1858: esboços da crítica da economia política. Tradução de Mario de Duayer e Nélio Schneider. São Paulo: Boitempo, 2011.
MURPHY, Timothy S. Antonio Negri: Modernity and the multitude. Cambridge: Polity, 2011.
NEGRI, Antonio. Interpretation of the Class Situation Today: Methodological Aspects. In: BONEFIELD, W.; GUNN, R.; PSYCHOPEDIS, K. (eds.). Open Marxism - vol. 2: Theory and Practice. London: Pluto Press, 1992, p. 69-105.
________. A anomalia selvagem: poder e potência em Spinoza. Tradução de Raquel Ramalhete. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1993.
________. Cinco lições sobre Império. Tradução de Alba Olmi. Rio de Janeiro: DP&A, 2003a.
________. Kairòs, Alma Venus, Multitudo. Tradução de Orlando dos Reis e Marcello Lino. Rio de Janeiro: DP&A, 2003b.
________. De volta: abecedário biopolítico. Rio de Janeiro: Record, 2006.
________. Biocapitalismo: entre Spinoza e a constituição política do presente. Tradução de Maria Paula Gurgel Ribeiro. São Paulo: Iluminuras, 2015a.
________. O poder constituinte: ensaio sobre as alternativas da modernidade. Tradução de Adriano Pilatti. 2ª ed. Rio de Janeiro: Lamparina, 2015b.
________. Como e quando li Foucault. Organizado e traduzido por Mario Antunes Marino. São Paulo: n-1 edições, 2016a.
________. Espinosa subversivo e outros escritos. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2016b.
________. Marx além de Marx: Ciência da crise e da subversão – Cadernos de trabalho sobre os Grundrisse. Tradução de Bruno Cava. São Paulo: Autonomia Literária, 2016c.
________. Em torno de Foucault... E de Marx, Hoje. In: SANTIAGO, Homero; TIBLE, Jean; TELLES, Vera (orgs.). Negri no Trópico 23º 26′ 14″. Rio de Janeiro-São Paulo: Autonomia Literária, N-1 edições e Editora da Cidade, 2017a, p. 241-254.
________. O comum como modo de produção. In: SANTIAGO, Homero; TIBLE, Jean; TELLES, Vera (orgs.). Negri no Trópico 23º 26′ 14″. Rio de Janeiro-São Paulo: Autonomia Literária, N-1 edições e Editora da Cidade, 2017b, p. 225-237.
NUNES, Rodrigo, ‘Forward How? Forward Where? I: (Post-)Operaismo Beyond the Immaterial Labour Thesis. ephemera, vol. 7 (1), 2007, p. 178-202.
REVEL, Judith, Antonio Negri, French Nietzschean? From the will to power to the ontology of power. In: MURPHY, T. S.; MUSTAPHA, A. K. (eds.), The Philosophy of Antonio Negri - Volume Two: Revolution in Theory. London: Pluto Press, 2007, p. 87-108.
ROGGERO, Gigi. Cinco teses sobre o comum. Lugar Comum, n. 42, 2014, p. 11-30.
SANTIAGO, Homero. Um conceito de classe. Cadernos Espinosanos, nº 30, jan.-jun. 2014, p. 24–48.
SPINOZA, Benedictus de. Ética. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014.
Publicado
2019-11-26
Como Citar
Pirola, Émerson dos S. (2019). Pós-humanismo da multidão em Antonio Negri. Idéias, 10, e019014. https://doi.org/10.20396/ideias.v10i0.8656519
Seção
Dossiê: As vertigens do sujeito no marxismo