Banner Portal
Automatismo ontem e hoje
PDF

Palavras-chave

Inteligência artificial
Automatismo
Gilbert Simondon

Como Citar

GONÇALVES, Rafael. Automatismo ontem e hoje: reflexões sobre os limites da inteligência artificial a partir de Simondon. Ideias, Campinas, SP, v. 13, n. 00, p. e022008, 2022. DOI: 10.20396/ideias.v13i00.8668218. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ideias/article/view/8668218. Acesso em: 22 abr. 2024.

Resumo

Com a crescente popularidade das técnicas de inteligência artificial, questões relativas às capacidades e limitações dessas tecnologias ganham notoriedade. Este trabalho propõe que, como formas contemporâneas de automatismo, tais tecnologias compartilham semelhanças com as analisadas pela filosofia da técnica de Gilbert Simondon e que, por isso, seu pensamento seria de grande valor para refletir sobre elas. Partindo principalmente da “Nota complementar sobre as consequências da noção de individuação”, e tomando o algoritmo rede neural artificial como exemplo, o artigo apresenta três momentos em que a inteligência artificial apresentaria limitações em relação a sua estrutura fixada pelo humano inventor: nos dados de entrada, no treinamento do modelo e na representação final do conhecimento supostamente aprendido. O artigo conclui com uma breve análise das consequências do uso extensivo de tecnologias inteligentes à luz das limitações apresentadas.

https://doi.org/10.20396/ideias.v13i00.8668218
PDF

Referências

ANGWIN, J. et al. Machine Bias: There’s software used across the country to predict future criminals. And it’s biased against blacks. ProPublica, 23 maio 2016. Disponível em: https://www.propublica.org/article/machine-bias-risk-assessments-in-criminal-sentencing. Acesso em: 21 abr. 2022.

CRAWFORD, K.; PAGLEN, T. Excavating AI: The politics of images in machine learning training sets. The AI Now Institute, NYU, 19 set. 2019. Disponível em: https://excavating.ai/. Acesso em: 21 abr. 2022.

ELISH, M. C.; BOYD, DANAH. Situating methods in the magic of Big Data and AI. Communication Monographs, v. 85, n. 1, p. 57–80, 2 jan. 2018.

GOODFELLOW, I.; BENGIO, Y.; COURVILLE, A. Deep Learning. [s.l.] MIT Press, 2016. Disponível em: https://www.deeplearningbook.org/. Acesso em: 21 abr. 2022.

LECUN, Y.; BENGIO, Y.; HINTON, G. Deep learning. Nature, v. 521, n. 7553, p. 436–444, maio 2015.

PASQUINELLI, M.; JOLER, V. The Nooscope manifested: artificial intelligence as instrument of knowledge extractivism. AI & SOCIETY, v. 36, n. 4, p. 1263–1280, 2021.

PRATES, M. O. R.; AVELAR, P. H.; LAMB, L. C. Assessing gender bias in machine translation: a case study with Google Translate. Neural Computing and Applications, v. 32, n. 10, p. 6363–6381, maio 2020.

ROUVROY, A.; BERNS, T. Governamentalidade algorítmica e perspectivas de emancipação: o díspar como condição de individuação pela relação? Revista ECO-Pós, v. 18, n. 2, p. 36–56, 2015.

SEARLE, J. R. Minds, brains, and programs. Behavioral and Brain Sciences, v. 3, n. 3, p. 417–424, 1980.

SILVA, T. Racismo algorítmico em plataformas digitais: microagressões e discriminação em código. In: SILVA, T. (Org.). Comunidades, algoritmos e ativismos digitais: Olhares afrodiaspóricos. 1. ed. São Paulo: LiteraRUA, 2020. p. 121–137.

SIMONDON, G. Do modo de existência dos objetos técnicos. Tradução: Vera Ribeiro. 1. ed. Rio de Janeiro: Editora Contraponto, 2020a.

SIMONDON, G. Nota complementar sobre as consequências da noção de individuação. In: A individuação à luz das noções de forma e de informação. Tradução: Luís Eduardo Ponciano Aragon; Tradução: Guilherme Ivo. 1. ed. São Paulo: Editora 34, 2020b. p. 507–545.

TURING, A. M. I.—COMPUTING MACHINERY AND INTELLIGENCE. Mind, v. LIX, n. 236, p. 433–460, out. 1950.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Ideias

Downloads

Não há dados estatísticos.