Heróis da travessia

fascismo e romanidade em um monumento de São Paulo

Autores

  • Giovanni Pando Bueno Universidade de São Paulo
  • Julia Nogueira Zon Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.20396/ideias.v13i00.8668579

Palavras-chave:

Aviação, Fascismo, Mito da romanidade, Monumento

Resumo

O presente artigo tem por objeto o monumento dedicado aos aviadores De Pinedo e Ribeiro de Barros que cruzaram o Atlântico em 1927. Analisamos a composição do projeto fascista do Heróis da Travessia, buscando compreender o papel do mito de Roma na construção de laços entre a comunidade ítalo-paulista e a Itália durante o Ventennio. Por meio do exame da política externa italiana, que promoveu as crociere aeree como propaganda, e da análise iconográfica de sua materialidade, que mobiliza signos associados ao culto da romanidade, demonstramos que o monumento é estruturado antes de tudo como um elogio à Itália de Mussolini.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giovanni Pando Bueno, Universidade de São Paulo

Mestrando pelo Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade de São Paulo.

Julia Nogueira Zon, Universidade de São Paulo

Mestranda pelo Programa de Pós-Graduação em História Social da Universidade de São Paulo.

Referências

BERTONHA, J. F. A política cultural da Itália fascista no Brasil: O soft power de uma potência média em terras brasileiras (1922-1940). In: MAGALHÃES, A. G. (Org.). Modernidade latina: os italianos e os centros do modernismo latino-americano. São Paulo: MAC-USP, 2015, p. 1-15.

BERTONHA, J. F. Divulgando o Duce e o fascismo em terra brasileira: a propaganda italiana no Brasil, 1922-1943. Revista de História Regional, v. 5, n. 2, p. 83-112, 2007.

BERTONHA, J. F. Entre Mussolini e Plínio Salgado: o Fascismo italiano, o Integralismo e o problema dos descendentes de italianos no Brasil. Revista Brasileira de História. São Paulo, v. 21, n. 40, p. 85-105, 2001. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-01882001000100005

BERTONHA, J. F. O Brasil, os imigrantes italianos e a política externa fascista, 1922-1943. Revista Brasileira de Política Internacional, v. 40, n. 2, p. 106-130, 1997. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-73291997000200005

BERTONHA, J. F. O fascismo e os imigrantes italianos no Brasil. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2017.

CORREIO PAULISTANO. Azas do Brasil. BNDIGITAL. São Paulo, ed. 22998, 02 ago. 1927, p. 1.

CORREIO PAULISTANO. Cruzador "Trento". BNDIGITAL. São Paulo, ed. 23638, 22 ago. 1929, p. 9.

CORREIO PAULISTANO. De Pinedo: o decimo anniversario da descida do "az" nas águas de Santo Amaro. BNDIGITAL. São Paulo, ed. 24835, 02 mar. 1937, p. 7.

CORREIO PAULISTANO. O "Raid" Transcontinental do Marquez De Pinedo: as azas do "Santa Maria" sulcaram hontem o céu paulista. BNDIGITAL. São Paulo, ed. 22849, 01 mar. 1927, p. 2.

CUNHA, M. C. B. A construção de templos: a arquitetura religiosa no período augustano. Mare Nostrum, v. 11, n. 2, p. 131-159, 2020. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2177-4218.v11i2p131-159

DAMASCENO, V. Com Borba Gato, prefeitura de SP cria lista com 40 monumentos polêmicos; saiba quais são. Folha de S. Paulo, São Paulo, 21 ago. 2021.

DPH (DIVISÃO DE PRESERVAÇÃO HISTÓRICA). Inventário de Obras de Arte em logradouros Públicos da Cidade de São Paulo: Heróis da Travessia do Atlântico. Seção Técnica de Levantamentos e Pesquisa, 2008.

FINOTTI, I. Totem "fascista" volta à Guarapiranga. Folha de S. Paulo, São Paulo, 28 jun. 2010. Ilustrada, p. 3.

GENTILE, E. Fascism as political religion. Journal of Contemporary History, v. 25, n. 2/3, p. 229-251, 1990. DOI: https://doi.org/10.1177/002200949002500204

GIORIO, M. B. La scultura fascista di soggetto sportivo tra bellezza e propaganda ideologica. Italies, v. 23, p. 65-80, 2019. DOI: https://doi.org/10.4000/italies.6979

LEVY, M. S. F. O papel da migração internacional na evolução da população brasileira (1872-1972). Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 8, n. suppl, p. 49-90, 1974. DOI: https://doi.org/10.1590/S0034-89101974000500003

MARANHÃO, R. Relíquia fascista. Boletim Histórico da Eletropaulo, p. 5-7, jun. 1986.

MENESES, U. T. B. O objeto como documento. Aula ministrada no curso Patrimônio cultural políticas e perspectiva, 1980.

PARODO, C. Roma antica e l'archeologia dei simboli nell'Italia fascista. Medea, v. 2, n. 1., p. 1-27, 2016.

POLLINI, J. From Republic to Empire: Rhetoric, Religion, and Power in the Visual Culture of Ancient Rome. Norman: University of Oklahoma Press, 2012.

SILVA, G. J. Historicidade, memória e escrita da história: Augusto e o Culto della Romanità durante o Ventennio Fascista. Romanitas, Revista de Estudos Grecolatinos, n. 12, p. 142-163, 2018. DOI: https://doi.org/10.17648/rom.v0i12.21428

TRENTO, A. Os viajantes italianos na América Latina durante o período fascista: entre curiosidade e ideologia. Locus: revista de história, Juiz de Fora, v. 14, n. 2, p. 105-148, 2008.

VITRÚVIO. Tratado de Arquitetura. Tradução, introdução e notas de M. Justino Maciel. São Paulo: Martins Fontes, 2019.

Downloads

Publicado

2022-08-04

Como Citar

Bueno, G. P., & Zon, J. N. (2022). Heróis da travessia: fascismo e romanidade em um monumento de São Paulo. Ideias, 13(00), e022012. https://doi.org/10.20396/ideias.v13i00.8668579