Banner Portal
Vozes de Mariana à Luz de Chernobyl
Imagem capa: "Retirantes" de Cândido Portinari (1944)
PDF

Palavras-chave

Desastres
Mariana
Chernobyl
Pós-modernidade

Como Citar

MORETTI, Felipe; LUZ, Victor Junqueira. Vozes de Mariana à Luz de Chernobyl. Ideias, Campinas, SP, v. 14, n. 00, p. e023001, 2023. DOI: 10.20396/ideias.v14i00.8671252. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/ideias/article/view/8671252. Acesso em: 24 jul. 2024.

Resumo

  Acreditamos, assim como Anthony Giddens (1991, 2010) e Ulrich Beck (1992), que a pós-modernidade cria um ambiente totalmente novo ao ser humano. Faz-se presente, nesse novo tipo de sociedade, riscos de tipo moderno. Estes são globalizados e produtos dos desenvolvimentos técnico-científicos e muitas vezes são produtores de desastres.  Defendemos que, observando a forma como são relatados e registrados na história os fatos da vida de um cidadão comum atingido por uma catástrofe, analisamos formas de vida que foram alteradas profundamente pelo desenrolar de um risco criado pela modernidade. Usamos como objeto de nossa pesquisa os desastres de Chernobyl e Mariana. Buscamos, através das duas obras, compreender o valor que os relatos têm em registrar a vida dos indivíduos atingidos. Para tanto, traçamos um paralelo entre a série jornalística “Vozes de Mariana”, veiculada no Jornal Estado de Minas e o livro da autora bielorrussa, Svetlana Aleksiévitch, ganhadora do prêmio Nobel de literatura em 2015. Analisamos a partir dessa contraposição qual o valor dos relatos pessoais nas narrativas dominantes do mundo moderno bem como qual seu valor sociológico e historiográfico.

https://doi.org/10.20396/ideias.v14i00.8671252
PDF

Referências

Aleksiévitch, S. (2017). O fim do homem soviético. São Paulo: Companhia das Letras.

Aleksiévitch, S. (2016). Vozes de Tchernóbil: a história oral do desastre nuclear. São Paulo: Companhia das Letras.

Beck, Ulrich. Risk Society: towards a new modernity. Thousand Oaks: Sage, 1992.

Bourdieu, Pierre. Para uma Sociologia da CIência. São Paulo: Edição 70, 2008.

Bourdieu, Pierre. Os usos sociais da ciência: Por uma sociologia clínica do campo científico. São Paulo: Editora Unesp, 2004

Collins, Harry; Evans, Robert. Repensando a Expertise. Belo Horizonte: Fabrefactum, 2016. Tradução de Igor Antonio Lourenço da Silva.

Das, V. (2007). Life and Words: Violence and the descent into the ordinary. Berkeley: University of California Press.

Deleuze, G. (1985). Cinema 1. A imagem-movimento. (S. Senra, Trad.). São Paulo: Brasiliense.

Danowski, D., & Viveiros, E. (2014). Há mundo por vir? Ensaio sobre os medos e os fins. Florianópolis: Desterro, Cultura e Barbárie e Instituto Socioambiental.

Estado de Minas (sem data). Vozes de Mariana. Extraído de https://www.em.com.br/vozes-de-mariana/.

Fassin, D. (2014). The Parallel Lives of Anthropology and Philosophy. In V. Das, M. Jackson, A. Kleinman, & B. Singh (Eds.), The ground between: anthropologists engage philosophy (pp. 50-70). London: Duke University Press.

Fassin, D. (2016). The Value of Life and the Worth of Lives. In V. Das, & C. Han (Eds.), Living and dying in the contemporary world: a compendium (pp. 770-783). Berkeley: University of California Press.

Feyerabend, Paul K.. Ciência, um Monstro: lições trentinas. Belo Horizonte: Autêntica, 2016.

Giddens, A. (1991). Modernity and self-identity: Self and society in the late modern age. Cambridge: Polity Press.

GIDDENS, Anthony. A política da mudança climática. Rio de Janeiro: Zahar, 2010. Tradução: Vera Ribeiro.

Nestrovski, A., & Seligmann-Silva, M. (2000). Catástrofe e representação. Rio de Janeiro: Escuta.

Petryna, A. (2013). Life Exposed: Biological Citizens after Chernobyl. Princeton: Princeton University Press.

Pina-Cabral, J. (2018). Turning to Life. A comment. HAU: Journal of Ethnographic Theory, 8(30), 522-529. doi:10.1086/701115.

Serra, C. (2018). Tragédia em Mariana: a história do maior desastre ambiental do Brasil. Rio de Janeiro: Record.

Vasconcellos, J. (2005). A filosofia e seus intercessores: Deleuze e a não-filosofia. Educação & Sociedade, 26(93), 1217-1227.

Virilio, P. (2008). Pure War: Twenty-Five Years Later. (M. Polizzotti, Trans.). Los Angeles: Semiotext(e).

Zoettl, P. A. (2011). Aprender cinema, aprender antropologia. Etnográfica, 15(1), 185-198.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Ideias

Downloads

Não há dados estatísticos.