Imagem para capa

A construção de uma das pioneiras usinas hidrelétricas paulistas: Itatinga

Ana Luisa Howard de Castilho, Itamar Barbosa Gonçalves

Resumo


As motivações e os desafios tecnológicos que promoveram a construção da usina hidrelétrica de Itatinga e sua viabilidade na região de Bertioga [SP] foram muitos. A participação constante do Eng. Weinschenck e suas anotações, no período de 1903 até 1914, contribuíram para que a memória de sua construção pudesse ser resgatada. Também a existência de uma vila operária assegurou a permanência da maioria dos funcionários e suas famílias em Itatinga por muitos anos. A Usina passou por dois grandes processos de modernização tecnológica e permanece gerando energia até os nossos dias.

Palavras-chave


Construção civil. Tecnologia. Vila operária. Acervo

Texto completo:

PDF

Referências


ARQUIVO Nacional.Ata da Primeira Reunião da Assembleia de Constituição. Diário Oficial da União, 4 jul. 1909, p. 4247-9.

BARROS, G.M. Guilherme Guinle 1882-1960. Ensaio Biográfico. Rio de Janeiro: Agir, 1982.

BERENGER, J. de M. Usina hidroelétrica de Itatinga. Revista GE, p. 29-31, jul. 1954.

CASTILHO, A. L. H. Itatinga: a hidrelétrica e seu legado. São Paulo: Editora Neotropica, 2010.

CASTILHO, A.L.H.; POMPÉIA, M. Texto para a Exposição “A Jóia do Itatinga”, 2011.

CODESP irá restaurar Vila e Usina de Itatinga. A Tribuna, Santos, 29 dez. 2009, p. C2 Porto e Mar.

CRAWFORD, M. Building the Workingman’s Paradise. The Design of American Company Towns. London, New York: Verso, 1985.

GAMA, R. A tecnologia e o trabalho na história. São Paulo: Nobel/Edusp, 1986.

Itatinga. A Tribuna, Santos, 25 jul. 2010, p.A12 Baixada Santista.

KALTMAN, H. Docas de Santos: uma empresa através dos séculos. Rio de Janeiro: Agir, 2000.

LEGISLAÇÃO portuária. Edição comemorativa da abertura dos portos. Rio de Janeiro: Departamento Nacional de Portos, Rios e Canais, 1958.

LOBO, H. Docas de Santos: suas origens, lutas e realizações. Rio de Janeiro: Typ. do Jornal do Commercio, 1936.

MAGALHÃES, Gildo. Força e luz: eletricidade e modernização na República Velha. São Paulo: Editora Unesp: Fapesp, 2000.

MARCOVITCH, J. Pioneiros e empreendedores: a saga do desenvolvimento no Brasil. São Paulo: Edusp, 2005

MEMORIAL Madeley. In: A Crise do Porto de Santos, Estudo Preliminar Elaborado pela Associação Commercial de São Paulo: s.l., s.e.,1925, p. 237-238.

Rapport General sur les Usines, l’Organisation, les Concessions et les Franchises de la Companhia Brazileira de Energia Electrica. Publié par le Bureau de Londres avec l’approbation du Siège Social de la Société à Rio de Janeiro, s/d.

SAES, A. M. Luz. leis e livre-concorrência: conflitos em torno das concessões de energia elétrica na cidade de São Paulo no início do século XX. 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/his/v28n2/08.pdf. Acesso em: 3 ago. 2010.

SAES, A. M. Industrialização e política local: constrangimentos na expansão da Companhia Nacional de Tecidos de Juta no início do século XX. In: XIII Econtro de História Anpuh-Rio. 2008. Disponível em: http://encontro2008.rj.anpuh.org/resources/content/anais/1208480198_ARQUIVO_AnpuhRiodeJaneiro.pdf. Acesso em: 9 ago. 2010.

SANTOS, F. M. Historia de Santos, 1532-1936. São Vicente: Caudex, 1986.

VARGAS, M. História da ciência e da tecnologia no Brasil: uma súmula. São Paulo: Humanitas, 2001.

WEINSCHENCK, G. B. Itatinga cálculos Provisórios 1° volume – 1903-1904. Manuscritos.

WEINSCHENCK, G. B. Itatinga cálculos 3° volume – 1906. Manuscritos.

WEINSCHENCK, G. B. Itatinga cálculos 4° volume – 1907. Manuscritos.

WEINSCHENCK, G. B. Itatinga cálculos 5° volume – 1908. Manuscritos.

WEINSCHENCK, G. B. Central electrica em Santos. Distribuição de energia electrica. Manuscritos, s/d.




DOI: https://doi.org/10.20396/lobore.v9i1.2095

Métricas do Artigo

Carregando métricas...

Metrics powered by PLOS ALM

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Labor & Engenho

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - NãoComercial 4.0 Internacional.

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição-NãoComercial 4.0 Internacional.

Labor & Eng., Campinas (SP) - ISSN: 2176-8846.