Paisagem e arquitetura rural: o caso da região Pelotense [RS]

  • Marcelo Panis Universidade Estadual de Campinas
  • Melissa Ramos da Silva Oliveira Universidade Estadual de Campinas
Palavras-chave: Arquitetura rural, Paisagem, Patrimônio cultural, Museu.

Resumo

No Brasil, as regiões de imigração européia têm sido reconhecidas como patrimônio cultural, pois são marcadas tanto pela presença de bens materiais móveis e imóveis, quanto por traços identitários da reprodução social dos imigrantes italianos, além de elementos naturais que compõem a paisagem rural. Esse trabalho analisa a Colônia Maciel, no Distrito de Rincão da Cruz, no município de Pelotas,no estado do Rio Grande do Sul, que apresenta um conjunto de objetos, costumes e tradições, além da própria arquitetura rural remanescente da época da colonização italiana nessa região. O trabalho propõe-se também a discutir como a presença deste patrimônio cultural rural, preservado e legitimado socialmente pela comunidade local, pode ser um fator determinante para o reconhecimento oficial da 5º Colônia de Imigração Italiana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcelo Panis, Universidade Estadual de Campinas
Mestre em Geografia pela Universidade Estadual de Campinas [Unicamp]. Licenciado em Geografia pela Universidade Federal de Pelotas [UFPel]. Doutorando do Programa de Pós-Graduação em Geografia da Universidade Estadual de Campinas.
Melissa Ramos da Silva Oliveira, Universidade Estadual de Campinas
Arquiteta e Urbanista. Mestre em Geografia pela Universidade Estadual de Campinas [Unicamp]. Doutoranda em Geografia, Instituto de Geociências da Universidade Estadual de Campinas.

Referências

ANJOS, Marcos Hallal dos. Italianos e modernização: a cidade de Pelotas no último quartel do século XIX. História em Revista, Pelotas [RS], v. 05, p, 33-47, dezembro de 1999.

ARGOLLO FERRÃO, André Munhoz. Arquitetura rural e o espaço não urbano. Labor&Engenho, Campinas [SP], ano I, no 1, p. 89-110, março 2007.

CANCLINI, Néstor Garcia. O patrimônio cultural e a construções imaginárias do nacional. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Brasília [DF], n. 23, p. 95-111, 1994.

DE BONI, Luis. A.; COSTA, Rovilio. Os italianos do Rio Grande do Sul. Caxias do Sul [RS] EST – Correio Riograndense: EDUCS, 1984, 244 p.

FAORO, Raymundo. Os donos do poder: formação do patronato brasileiro. 13 ed., São Paulo [SP]: Globo, 1998. 397 p.

FONSECA, Maria Cecília Londres. O patrimônio em processo: trajetória da política federal de preservação no Brasil. Rio de Janeiro [RJ]: UFRJ/IPHAN, 1997. 316 p.

FETTER, Leila Maria Wulff. A colonização ocorrida na área rural de Pelotas na segunda metade do século XIX. 2002. 1300 p. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional), UNISC: Universidade de Santa Cruz do Sul, Santa Cruz do Sul [RS], 2002.

GRANDO, Marinês Zandavalli. Pequena agricultura em crise: o caso da colônia francesa no Rio Grande do Sul. Porto Alegre [RS]: FEE (teses no 14), 1990. INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL. Cartas Patrimoniais. Brasília [DF]: IPHAN/Ministério da Cultura, 1995. (Cadernos de Documentos no 3). 343 p.

MAGNOLI, Demétrio; OLIVEIRA, Giovana; MENEGOTTO, Ricardo. Cenário gaúcho: representações históricas e geográficas. São Paulo [SP]: Moderna, 2001. 127 p.

MENEZES, Ulpiano Bezerra. Patrimônio ambiental urbano em São Paulo. Comunidade e Debate. São Paulo [SP]: Emplasa, 1979. p. 20-33.

MORAES, Antônio Carlos Robert. Bases da formação territorial no Brasil: o território colonial brasileiro no “longo” século XVI. São Paulo [SP]: Hucitec, 2000a. (Estudos históricos, 41). 431p.

Publicado
2008-07-27
Como Citar
Panis, M., & Oliveira, M. R. da S. (2008). Paisagem e arquitetura rural: o caso da região Pelotense [RS]. Labor E Engenho, 2(1), 1-15. https://doi.org/10.20396/lobore.v2i1.234
Seção
Artigos