Entre a manutenção da tradição bandeirista, a influência mineira e a policultura: tópicos da arquitetura rural de Itu [SP]

  • Maurício Maiolo Lopes Pontifícia Universidade Católica de Campinas
Palavras-chave: Arquitetura tradicional, Arquitetura rural, Patrimônio cultural.

Resumo

O trabalho reúne alguns resultados de um inventário do Patrimônio Cultural da cidade de Itu [SP]. Apresentamos aqui o tópico referente à arquitetura rural, que, embora ainda não completo, apresenta nos levantamentos até então realizados algumas significativas considerações, das quais daremos destaque a dois aspectos: o primeiro é a relação entre a manutenção da tradição arquitetônica bandeirista e a influência mineira na segunda metade do século XVIII e meados do XIX; o segundo, é a constituição, no século XIX, de núcleos policultores. Diferente do oeste paulista onde foram constituídas novas unidades produtivas, voltadas particularmente à produção cafeeira, Itu se constituicaso singular por dois fatores: primeiro pela existência de uma expressiva variedade tipológica das casas sede, onde se destaca a manutenção do partido bandeirista com marcas da influência mineira verificadas no ciclo do “torna-viagem”; segundo, as fazendas não se constituem exclusivamente como unidades de produção monocultoras e sim como policultoras.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Maurício Maiolo Lopes, Pontifícia Universidade Católica de Campinas
Pesquisador da Pontifícia Universidade Católica de Campinas [PUC-Campinas], Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Campinas [SP].

Referências

BELLOTO, Heloísa Liberalli. Autoridade e Conflito no Brasil Colonial: o Governo do Morgado de Mateus em São Paulo. São Paulo, Secretaria do Estado e da Cultura, 1979.

CANABRAVA, Alice Piffer. O desenvolvimento da cultura do algodão na Província de São Paulo (1861-75). São Paulo, 1951.

IANNI, Octávio. Uma cidade antiga. Campinas: editora da UNICAMP, 1998. pp. 25-26.

JÙNIOR, Alfredo Ellis. Raça de Gigantes. São Paulo, Novíssima Editora, 1926.

KATINSKY, Júlio Roberto. Casas Bandeiristas: Nascimento e reconhecimento da Arte em São Paulo. São Paulo, Instituto de Geografia,1976.

LEMOS, Carlos Alberto Cerqueira. Cozinhas, Etc; um estudo sobre as zonas de serviço da Casa Paulista. São Paulo, Perspectivas, 1978.

LEMOS, Carlos Alberto Cerqueira. Casa Paulista: história das moradias anteriores ao ecletismo trazido pelo café. São Paulo, Editora da Universidade de São Paulo, 1999.

MIRANDA, Alcides da Rocha e CZAJKOWSKI, Jorge. Fazendas: Solares da Região Cafeeira do Brasil Imperial. Rio de Janeiro, 1995.

NARDY, Francisco - Filho. A Cidade de Itu. vol. I; São Paulo: Escola Profissionais Salesianas,1928.

PETRONE, Maria Thereza Schorer. A Lavoura Canavieira em São Paulo. São Paulo: Difusão Europeia do livro, 1968.

PRADO JÚNIOR, Caio. Formação do Brasil Contemporâneo. 4. Ed. São Paulo, Brasiliense, 1953.

SAIA, Luís. Morada Paulista. São Paulo, Perspectiva, 1972.

SERRATH, Pablo Oller Mont. Produção do açúcar na capitania de São Paulo (1793-1802). Em: Anais do II Seminário de História do Açúcar: Trabalho, população e cotidiano; Museu Paulista, São Paulo, 2007.

SOUSA, Jonas Soares de. Arquiteturas do açúcar em Itu. Em: Jornal da SAMUR, Ano IV, no 14.

Publicado
2008-07-27
Como Citar
Lopes, M. M. (2008). Entre a manutenção da tradição bandeirista, a influência mineira e a policultura: tópicos da arquitetura rural de Itu [SP]. Labor E Engenho, 2(1), 32-40. https://doi.org/10.20396/lobore.v2i1.236
Seção
Artigos