Marcos de formação/transformação da Região Metropolitana de Campinas à luz da história territorial paulista: séculos XVII-XX

Autores

  • Mirza Maria Baffi Pellicciotta Prefeitura Municipal de Campinas
  • André Luiz dos Santos Furtado Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

DOI:

https://doi.org/10.20396/lobore.v4i3.83

Palavras-chave:

Território. Paisagem cultural. Região Metropolitana de Campinas.

Resumo

O território de São Paulo contém, em seu interior, diferentes paisagens culturais; paisagens que, formadas no curso do tempo, sofreram transformações profundas nos últimos séculos frente aos processos acelerados de substituição da cobertura vegetal pela produção diversificada de gêneros, criação e agricultura de exportação; pela entrada massiva de grupos populacionais procedentes das mais variadas regiões do Brasil e do mundo (cerca de 70 grupos étnicos); pela intensidade da urbanização (entre os séculos XIX e XX); pela complexificação dos sistemas de escoamento (estradas tropeiras, linhas férreas, estradas de rodagem, aviação), entre outros, que permitiram a então Capitania, depois Província e atual Estado vencer a Serra do Mar (que a mantivera isolada da dinâmica colonial ao longo dos séculos XVI a XVIII) e estabelecer vínculos comerciais e produtivos entre as regiões mais interiorizadas e o litoral. Particularmente, nos últimos cento e sessenta anos, a intensidade e força de certos processos, em grande medida externos ao território paulista, se revelaram capazes de apagar (nos limites entre dizimar e incorporar) a presença milenar de populações indígenas, ao mesmo tempo em que diluir marcas centenárias de constituição cultural original (indígenas e européias) para dar lugar a paisagens plenamente alteradas em suas bases econômicas, sociais, culturais e políticas originais. A expressão “paulista”, utilizada para caracterizar um povo diferente pelos hábitos, língua, costumes e formas de vida mestiça, passou em pouco tempo a designar uma população disforme pelos tantos aspectos culturais, vínculos e motivações agora associadas ao capital transnacional. No estudo da Região Metropolitana de Campinas encontramos testemunhos das diferentes paisagens.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mirza Maria Baffi Pellicciotta, Prefeitura Municipal de Campinas

Historiadora. Mestre em História Social. Prefeitura Municipal de Campinas. Campinas [SP], Brasil.

André Luiz dos Santos Furtado, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Biólogo (UERJ). Me., Ecologia (UFRJ), Dr., Ecologia (UFRJ). Bolsista do DAAD e da EED no Leibniz-Institut für Gewässerökologie und Binnenfischerei em Neuglobsow (Alemanha). Pesquisador da Embrapa - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Campinas [SP], Brasil.

Referências

BACELAR, C. de A. P., Brioschi L. R. (orgs). Na Estrada do Anhanguera: uma Visão Regional da História Paulista. São Paulo: Humanitas/CERU, 1999.

BRIOSCHI, Lucila Reis et al. Entrantes no Sertão do Rio Pardo: o Povoamento Da Freguesia de Batatais – séculos XVIII e XIX. São Paulo: CERU, 1991.

CUNHA, Manuela Carneiro da (org.). História dos Índios no Brasil. 2 ed. São Paulo: Companhia das Letras/FAPESP/Secretaria Municipal de Cultura, 1998.

DUTRA, Miguel. O Poliédrico Artista Paulista. São Paulo: MASP, 1981.

ELLIS JR, Alfredo. A Economia paulista no século XVIII. O ciclo do Muar, o ciclo do Açúcar. São Paulo, s/e, 1950.

GOULART, José Alípio. Tropas e Tropeiros na formação do Brasil. Rio de Janeiro: Conquista, 1961.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Caminhos e Fronteiras . Rio de Janeiro: José Olympio Editora, 1957.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. Monções. 3ª edição ampliada. São Paulo: Brasiliense, 1960.

LEITE, Marcelo (org). Nos caminhos da biodiversidade paulista. São Paulo: Secretaria do Meio Ambiente, 2007.

MONTEIRO, John Manoel. Negros da Terra: Índios e Bandeirantes nas origens de São Paulo. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

MARTINS, José de Souza. Frente Pioneira – Contribuição para uma caracterização sociológica. ESTUDOS HISTORICOS, n.10, p.33-41, 1971.

MATOS, O. N. de. Café e Ferrovia. São Paulo: Pontes Editores, 1990.

MEMÓRIA URBANA: A grande São Paulo até 1940. São Paulo: Arquivo do

Estado/Emplasa/Imprensa Oficial, 2001.

MONBEIG, Pierre. Pioneiros e Fazendeiros de São Paulo. São Paulo: Hucitec/Polis, 1984.

PETRONE, Maria Thereza Schorer. A Lavoura Canavieira em São Paulo. São Paulo: Difel, 1968.

PETRONE, Pasquale. Aldeamentos Paulistas. São Paulo: EDUSP, 1995.

PINHEIRO, Niminon Suzel. Os Nômades. Etno-História Kaingang e seu contexto: São Paulo (1850-1912). Assis: Mestrado em História da UNESP, 1992.

QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. Bairros Rurais Paulistas. Livraria Dias Cidades, 1973.

SAINT-HILAIRE, Auguste de. Segunda Viagem a São Paulo e Quadro Histórico da Província de São Paulo. São Paulo: Comissão do IV Centenário da Cidade de São Paulo, 1954.

TAUNAY, Afonso E. História Geral das Bandeiras Paulistas. São Paulo: Imprensa Oficial, 1950.

Downloads

Publicado

2010-09-29

Como Citar

Pellicciotta, M. M. B., & Furtado, A. L. dos S. (2010). Marcos de formação/transformação da Região Metropolitana de Campinas à luz da história territorial paulista: séculos XVII-XX. Labor E Engenho, 4(3), 44–63. https://doi.org/10.20396/lobore.v4i3.83

Edição

Seção

Artigos