Imperatriz [MA] e Porto Nacional [TO]: duas cidades, um rio e muitas histórias

  • Leandro Mendes Rocha Universidade Federal de Goiás
  • Maria de Fátima Oliveira Universidade Estadual de Goiás
Palavras-chave: Rio Tocantins, cidades, Imperatriz, Porto Nacional, História ambiental

Resumo

O presente texto é uma reflexão sobre as relações do ser humano com a natureza, mais especificamente com o rio Tocantins, sob a perspectiva da História Ambiental.  Pretende ainda analisar as interações das populações ribeirinhas com o referido rio, principalmente no que se refere aos problemas do aproveitamento deste rio como gerador de energia, como meio de lazer e para transporte de pessoas e mercadorias. Embora já existam alguns estudos sobre o rio Tocantins, pode-se dizer que o mesmo ainda carece de análises mais consistentes que envolvam aspectos históricos e as relações com o meio ambiente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leandro Mendes Rocha, Universidade Federal de Goiás
Professor Faculdade de História da Universidade Federal de Goiás [UFG]. Membro do Programa de Pós-Graduação em História da referida Universidade e do Curso Licenciatura Intercultural Indígena da UFG.
Maria de Fátima Oliveira, Universidade Estadual de Goiás
Professora na Unidade Universitária de Ciências Sócio Econômicas e Humanas (UnUCSEH) da Universidade Estadual de Goiás (UEG). Membro no Programa de Mestrado Interdisciplinar Territórios e Expressões Culturais no Cerrado (TECCER). Doutora em História (UFG). Pós-Doutoranda em História (UFG).

Referências

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS - ANA. Cadernos de recursos hídricos: a

navegação interior e sua interface com o setor de recursos hídricos. V. 3. Brasília: ANA, 2005. Disponível em:

http://arquivos.ana.gov.br/planejamento/estudos/sprtew/3/3-ANA.swf. Acessado em: 12/mai.2014.

ALMEIDA, Alfredo Wagner Berno de. Movimentos Migratórios nos vales do Tapajós e do Xingu. Relatório de pesquisa do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social. Museu Nacional, Rio de Janeiro: UFRJ, 1974.

ALMEIDA, Alivinio; PERES, Fernando. Hidrovia Tocantins-Araguaia segundo a percepção dos agentes econômicos sociais. In: RBRH, V. 12, n. 2, Abr./Jun. 2007.

AZEREDO, Luiz Cezar Loureiro de. Investimento em Infra-Estrutura no Plano Plurianual (PPA) 2004-2007 – uma visão geral. Brasília, IPEA, junho de 2004.

BECKER, Berta K. "Redefinindo a Amazônia: o vetor tecno-ecológico". In Iná Elias de Castro, Paulo César da Costa Gomes, Roberto Lobato Correa (orgs.). Brasil: questões atuais de reorganização do território. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.

BECKER, Berta K. e EGLER, Claudio A. G. Brasil: uma nova potência regional na economia-mundo. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1994.

BERTHET, Laurent Michel. Uma Viagem de Missão (1883). In: Memórias Goianas I. Goiânia: UCG, 1982.

BRASIL. Presidência da República. Secretaria de Portos. Agência Nacional de Transportes Aquaviários. Caracterização da oferta e da demanda do transporte fluvial de passageiros da região amazônica/Agência Nacional de Transportes Aquaviários. – Brasília: ANTAQ, 2013.

CALVINO, Ítalo. As Cidades Invisíveis. Tradução de Diogo Mainardi. Rio de Janeiro: Companhia das Letras, 1990.

CAMPOS, Francisco Itami. Coronelismo em Goiás. Goiânia: UFG, 1987.

CEBRAC. Analysis or the environmental impact study (EIA/RIMA) for the Araguaia-Tocantins Hidrovia: a report by o blue ribbon porel or independent exports. Brasília: CEBRAC, 2000.

CERQUEIRA, Francisco J. da Gama. Relatório apresentado à Assembléia Legislativa da Província de Goyaz, na sessão ordinária de 1858. In: Memórias Goianas n. º 7. Goiânia: UCG, 1997.

CONEXÃO TOCANTINS. Hidrovia: viagem experimental abre perspectivas comerciais. Palmas, 2008. http://conexaoto.com.br/2008/05/16/hidrovia-viagem-experimental-abre-perspectivas-comerciais. Acesso em: 01/05/2014.

DRUMMOND, José Augusto. A História Ambiental: temas, fontes e linhas de pesquisa IN: Estudos Históricos, Rio de Janeiro: vol 4, n. 8, 1991, p. 177-197.

ENCICLOPÉDIA DE IMPERATRIZ. Imperatriz 150 anos: 1852-2002. Imperatriz: Instituto Imperatriz, 2003.

FEARNSIDE, Philip. M. Impactos Sociais da Hidrelétrica de Tucuruí. Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (INPA). 2002. http://philip.inpa.gov.br/publ_livres/mss%20and%20in%20press/tuc-soc-por-inpa.pdf.

Acesso em 12/05/2014.

GOMES, Horieste; TEIXEIRA NETO, Antônio. Geografia Goiás-Tocantins. Goiânia: Ed. Da UFG, 1993.

LEONARDI, Victor Paes de Barros. Os Historiadores e os Rios: natureza e ruína na Amazônia brasileira. Brasília: Paralelo 15/UNB, 1999.

MAPA DO INVESTIDOR DE TOCANTINS: Potencialidades e Indicadores Econômicos. Palmas. (sd) Disponível em www.portalto.gov.br/arquivos/mapa%20do%20investidor_final_web.pdf.

MARTINS, José de Souza. Fronteira: a degradação do Outro nos confins do humano. São Paulo: Hucitec,1997.

MATTOS, Raymundo José da Cunha. Chorograpfia Histórica da Província de Goyáz. Goiânia: SUDECO/Governo de Goiás, 1979.

OLIVEIRA, Maria de Fátima. Portos do Sertão: cidades ribeirinhas do Rio Tocantins. Goiânia: PUC Goiás, 2010.

PATERNOSTRO, Júlio. Viagem ao Tocantins. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1945.

SAWYER, Diana Oya et al. Projeto de Gestão Ambiental Integrada da Região do Bico do Papagaio. Palmas, Seplan/DZE, 2004.

TIERRA, Pedro. O Porto Submerso. Brasília: s.e., 2005.

VALVERDE, Orlando; DIAS, Catharina V. A Rodovia Belém-Brasília: estudo de geografia regional. Rio de Janeiro: IBGE, 1967.

Publicado
2015-06-24
Como Citar
Rocha, L. M., & Oliveira, M. de F. (2015). Imperatriz [MA] e Porto Nacional [TO]: duas cidades, um rio e muitas histórias. Labor E Engenho, 9(2), 70-80. https://doi.org/10.20396/lobore.v9i2.8635573
Seção
Artigos