Poluição e geração de energia: implicações ambientais em Pequenas Centrais Hidrelétricas do estado de São Paulo

  • Giorgia Limnios Universidade de São Paulo
  • Edson Alves Filho Universidade de São Paulo
  • Sueli Angelo Furlan Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Pequenas Centrais Hidrelétricas. Poluição. Bacia hidrográfica. Uso da terra

Resumo

A atual situação de escassez hídrica do Estado de São Paulo vislumbrada pelo risco iminente de desabastecimento das principais áreas urbanas tem levantado não somente a problemática da preservação dos recursos hídricos, mas também questões relacionadas à segurança energética, fato este identificado em uma série de expedições de campo realizadas no âmbito do projeto “História da Energia Elétrica no Estado de S. Paulo (1890-1960): Patrimônio Industrial, Paisagem e Meio-Ambiente - Eletromemória II”. O objetivo deste projeto é estudar um conjunto extremamente representativo de usinas e pequenas centrais hidrelétricas construídas durante o período inicial da eletrificação do Estado de São Paulo - Brasil (1890-1960), juntamente com sua evolução dentro do contexto social, histórico e geográfico, para evidenciar as transformações da paisagem advindas do processo de eletrificação, bem como os beneficiários e os impactos na paisagem no período de estudo. Nas visitas empreendidas, além do problema da escassez d’agua, as usinas enfrentam restrições de geração relacionadas à intensa poluição hídrica, seja de fontes difusas ou pontuais. Alguns estudos desenvolvidos no Brasil têm analisado a interferência da poluição na geração de energia, ressaltando o papel das fontes difusas como resíduos sólidos, sedimentos provenientes de áreas com forte erosão, óleos lubrificantes de veículos ou mesmo o desenvolvimento de espécies invasoras, particularmente as macrófitas como agentes causadores de alterações bioquímicas que promovem a formação de compostos químicos capazes de corroer os equipamentos eletromecânicos das usinas ou mesmo impedir o fluxo de água da tomada d’água das mesmas. As usinas contempladas no escopo do Projeto Eletromemória II apresentam estes mesmos problemas, o que suscitou a necessidade de estabelecer uma relação entre poluição em suas diversas formas e geração de energia elétrica. Para que seja estabelecida esta ponte, foi necessário o levantamento de material bibliográfico como relatórios técnicos, legislação ambiental, material cartográfico e fotográfico, relatórios de visitas de campo, entre outros. Como resultado parcial dos estudos desenvolvidos no projeto Eletromemória II, foram visitados 32 empreendimentos hidrelétricos, distribuídos em 8 bacias hidrográficas, por meio de 06 expedições científicas interdisciplinares no período de julho de 2013 a janeiro de 2015. A partir dos insumos possibilitados pelo material bibliográfico e técnico consultado, é apresentado um panorama geral dos efeitos da poluição tanto em relação à segurança da geração de energia elétrica, como seus efeitos nos ecossistemas locais, sobretudo na ictiofauna e habitats correlacionados.

Biografia do Autor

Giorgia Limnios, Universidade de São Paulo
Doutoranda no Programa de Pós Graduação em Geografia Física da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.
Edson Alves Filho, Universidade de São Paulo
Mestrando no Programa de Pós Graduação em Geografia Física da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.
Sueli Angelo Furlan, Universidade de São Paulo
Professora Doutora no Departamento de Geografia da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo.

Referências

ANEEL. Resolução 652/2003, disponível em www.aneel.gov.br, acesso em 15/02/2015.

CETESB. Qualidade das águas superficiais no estado de São Paulo 2013 [recurso eletrônico]/CETESB. São Paulo: CETESB, 2014.

COMITÊ DE BACIA HIDROGRÁFICA DO MOGI GUAÇU(CREUPI). Diagnóstico da bacia hidrográfica do rio Mogi-Guaçu – UGRHI-09. São Paulo: CBH-MOGI/CREUPI, 1999.

COMPANHIA DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS E INDUSTRIAIS (CPTI). Plano de Bacias da UGRHI-1 – Mantiqueira. São Paulo (Relatório Técnico), 2009.

COOPERATIVA DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS E INDUSTRIAIS (CPTI). Plano de Bacia da Unidade de Gerenciamento de Recursos Hídricos do Tietê/Jacaré (UGRHI 13). Relatórios Técnicos 02. São Paulo: CBH-TJ /FEHIDRO, 2008.

COPPETEC Plano de Recursos Hídricos para a fase Inicial da cobrança na bacia do Rio Paraíba do Sul: diagnóstico da situação atual dos recursos hídricos. PGRH-RE-010-R0, v.1, 243. 2006.

CPTI – Cooperativa de Serviços e Pesquisas Tecnológicas e Industriais.(2008) Plano de Bacia a Unidade de Gerenciamento de Recursos Hídricos do Pardo (UGRHI 04)– Revisão para atendimento da Deliberação CRH 62. Relatório Técnico 401/08. São Paulo: CPTI, 370 p.

SILVA, Mariana Borin da. Estudo da influência da poluição difusa na qualidade da água de reservatórios de usinas hidrelétricas. Monografia apresentada no Instituto de Eletrotécnica e Energia da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2012.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA – EMBRAPA. Mapa Pedológico do Estado de São Paulo. Brasília, Serviço de Produção de Informação, 1999.

FUNDAÇÃO DE APOIO A UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO – FUSP. Relatório de Situação dos Recursos Hídricos da Bacia Hidrográfica Alto-Tietê (UGRHI-6) (Relatório Técnico). São Paulo (2011).

FUNDAÇÃO SISTEMA ESTADUAL DE ANÁLISE DE DADOS (SEADE). Atlas da População do Estado de São Paulo. São Paulo, 1991. – Perfil dos Municípios Paulistas.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTÁTISTICA. Informações dos Municípios Brasileiros. Dados Demográficos. Disponível em: http://cidades.ibge.gov.br/xtras/home.php. Acesso em: 20/09/2013.

INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS DO ESTADO DE SÃO PAULO (IPT). Mapa Geomorfológico do Estado de São Paulo, 1981.

INSTITUTO FLORESTAL (IF). Plano de Manejo do Parque Estadual da Serra do Mar. São Paulo, 2006.

PREFEITURA DE SÃO BERNARDO DO CAMPO. Anuário Demográfico e Estatístico Municipal. Disponível em: http://www.saobernardo.sp.gov.br. Acesso em: 21/09/2013.

RODRIGUES, Ricardo Ribeiro; LEITÃO FILHO, Hermógenes de Freitas. Matas Ciliares: Conservação e Recuperação. São Paulo: EDUSP, FAPESP, 2000.

ROSS, J. L. S. e MOROZ, I. C. Mapa Geomorfológico do Estado de São Paulo. São Paulo, DG-FFLCH-USP, IPT, FAPESP, 1997.

SÃO PAULO (ESTADO). SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE. Meio Ambiente Paulista [recurso eletrônico]: relatório de qualidade ambiental 2014/Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo, Coordenadoria de Planejamento Ambiental ; Organizadores Edgar Cesar de Barros, Priscila Ferreira Capuano ; Equipe técnica Nádia Gilma Beserra de Lima [et al.]. ─ 1ª ed. ─ São Paulo: SMA, 2014.

SERVIÇO GEOLÓGICO DO BRASIL (CPRM). Mapa Geológico do Estado de São Paulo. Escala 1:750.000. Rio de Janeiro, 2005.

SETZER, J. Atlas Climático e Ecológico do Estado de São Paulo. São Paulo: CIBPU, 1966.

SHS CONSULTORIA E PROJETOS DE ENGENHARIA (SHS). Plano de Bacia da UGRHI 5 – Piracicaba – Capivari – Jundiaí (Relatório Técnico). São Paulo, 2006.

Publicado
2015-06-24
Como Citar
Limnios, G., Alves Filho, E., & Furlan, S. A. (2015). Poluição e geração de energia: implicações ambientais em Pequenas Centrais Hidrelétricas do estado de São Paulo. Labor E Engenho, 9(2), 6-17. https://doi.org/10.20396/lobore.v9i2.8635584
Seção
Artigos