A porosidade no Largo da Batata, em São Paulo [SP]: cultura como patrimônio imaterial na cidade contemporânea

Palavras-chave: Porosidade. Paisagem urbana. Espaço público. Projeto urbano.

Resumo

O Largo da Batata torna-se objeto de estudo na busca pela compreensão da Porosidade na cidade como condicionante de ocupação e uso dos espaços públicos pelo ser humano, assim como este próprio se construindo a partir de experiências possíveis por imersão nessa esfera. O espaço público identificado como um espaço de significações, constituído por camadas que denotam as transformações do sentido de lugar.  Nesse contexto, os poros são indiretamente percebidos, pois não são possíveis de serem interpretados apenas pelas formas físicas (visuais). Trata-se de uma análise fenomenológica das formas de ocupação atuais somadas às dinâmicas de uso e identidade desse lugar ao longo do tempo, as quais são entendidas aqui como membranas. Investiga-se, portanto, quais são os parâmetros que definem a porosidade? Há relação entre as condicionantes de porosidade física e de porosidade social? Como elas qualificam os espaços urbanos públicos no cotidiano citadino (espaço existencial)? É possível construir porosidade?

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Piovan Blümer, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Mariana Piovan Blumer - Mestranda do programa de Pós-Graduação em Urbanismo da Pontifícia Universidade Católica de Campinas na Linha de Pesquisa História do Pensamento Urbanístico. Área de atuação e pesquisa: Arquitetura e Urbanismo, Projeto do Espaço Urbano, Teoria da Arquitetura e Urbanismo, Paisagem Cultural. Membro do Núcleo de Apoio à Pesquisa (NAU) do Programa de Pós Graduação da Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Graduada em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Metodista de Piracicaba (2014).

Jane Victal, Pontifícia Universidade Católica de Campinas
Jane Victal - Professora Titular do Programa de Pós-Graduação em Urbanismo (POSURB PUC-Campinas) onde integra a Linha de Pesquisa História do Pensamento Urbanístico e da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Pontifícia Universidade Católica de Campinas. É graduada em Arquitetura e Urbanismo pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (1982), mestre e doutor em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo (1999), Pós-Doutorado na Kings College London. Foi tutora do Programa de Educação Tutorial (PET) da Secretaria de Educação Superior (Sesu), unidade do Ministério da Educação (MEC). Coordenou o Centro Audiovisual (CAV) e o Centro de Documentação (CeDoc ) do Centro de Ciências Exatas, Ambientais e de Tecnologias (CEATEC PUC-Campinas). Foi Editor e membro do Conselho Editorial da Revista Oculum Ensaios e Consultora ad hoc da FAPESP. Áreas de atuação: Arquitetura e Urbanismo, História Urbana, Patrimônio Cultural, Teoria da Urbanização e Urbanismo Contemporâneo.

Referências

CANEVACCI, M. (2004). A cidade polifônica: ensaio sobre antropologia da comunicação urbana (2a.ed.). São Paulo: Studio Nobel.

COLETIVIDADE NIPO-BRASILEIRA de PINHEIROS. (1962). Recuperado em 07 outubro, 2015, de http://media.discovernikkei.org/articles/2352/map-5-2sm2.jpg

Concurso NACIONAL de PROJETO de RENOVAÇÃO URBANA do LARGO DA BATATA. Recuperado em 17 outubro, 2015, de http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/02.017/2143?page=2

DURHAM, E.R. (2004). A dinâmica da cultura. São Paulo: Cosac Naify.

EISENMAN, P. (2014). Creo que la arquitectura es más necesaria que nunca. Interview: NY. Retrieved May 5, 2015, from https://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=JyKSkYEk5Is

FRASCINO, T. L. (2002). Concurso. São Paulo. Recuperado em 17 outubro, 2015, de http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/02.017/2143?page=2

HEIDEGGER, M. (2005). Ser e tempo (15a.ed.). Rio de Janeiro: Vozes.

MATOS, O. (2013). Tempo sem experiência. Recuperado em 22 outubro, 2015, de https://www.youtube.com/watch?v=arANFGj10Tg

NORBERG-SHULZ, C. (1975). Existencia, espacio y arquitectura. Barcelona: Blume.

Ocupação Regular Colaborativa “A batata precisa de você”. (2014). Largo da Batata, Pinheiros, São Paulo. Mistura Urbana. Recuperado em 07 outubro, 2015, de http://misturaurbana.com/2014/10/a-batata-precisa-de-voce-a-ocupacao-regular-colaborativa-do-largo-da-batata/

PROPOSTA VENCEDORA no CONCURSO para RECONVERSÃO URBANA (2013). 19º Congresso Brasileiro de Transporte e Trânsito. São Paulo. Recuperado em 07 outubro, 2015, de http://www.antp.org.br/_5dotSystem/download/dcmDocument/2013/10/06/87D2B872-0C0A-4A1B-A276-C50A4A19A5DD.pdf

RENOVAÇÃO URBANA e MOBILIDADE: O PROJETO do LARGO da BATATA (2013). 19º Congresso Brasileiro de Transporte e Trânsito. Brasília. Recuperado em 07 outubro, 2015, de http://www.antp.org.br/_5dotSystem/download/dcmDocument/2013/10/06/87D2B872-0C0A-4A1B-A276-C50A4A19A5DD.pdf

SANTOS, M. (2006). A natureza do espaço, técnica, tempo, razão e emoção (4a.ed.). São Paulo: Edusp.

São Paulo (1995). Operação Urbana Consorciada Faria Lima (Lei 11.732/1995). São Paulo: Prefeitura Municipal. Secretaria de Desenvolvimento Urbano. Recuperado em 17 outubro, 2015, de http://www.prefeitura.sp.gov.br/cidade/secretarias/desenvolvimento_urbano/sp_urbanismo/operacoes_urbanas/faria_lima/index.php?p=19591

SÃO PAULO (Município). (2000, fevereiro, 24). A Operação Urbana Faria Lima: relatório dos resultados obtidos: agosto de 1995 a dezembro de 1999. Diário Oficial do Município de São Paulo.

Secchi, B. (2012). Primeira lição de urbanismo. São Paulo: Perspectiva.

SENNETT, R. (2008). Carne e Pedra. Rio de Janeiro: Best Bolso.

SENNETT, R. (2014). O declínio do homem público. Rio de Janeiro: Record.

SENNETT, R. (2013). The open city. Retrieved May 31, 2015, from https://www.youtube.com/watch?v=eEx1apBAS9A

SENNETT, R. (2013). The open city. Retrieved May 31, 2015, from https://www.richardsennett.com/site/senn/UploadedResources/The%20Open%20City.pdf

SILVA, F. L. (2008). As tramas do contemporâneo. Recuperado em 22 outubro, 2015, de https://www.youtube.com/watch?v=-6Ancgcreos

TUAN, Yi-Fu. (2013). Espaço e lugar. Londrina: Eduel.

Publicado
2016-09-29
Como Citar
Blümer, M. P., & Victal, J. (2016). A porosidade no Largo da Batata, em São Paulo [SP]: cultura como patrimônio imaterial na cidade contemporânea. Labor E Engenho, 10(3), 313-325. https://doi.org/10.20396/lobore.v10i3.8646113
Seção
Artigos