A obra, o rosto e a mensagem. Reflexões sobre a construção da área portuária de Porto Alegre.

Palavras-chave: Portos. Paisagem cultural. Memória. Patrimônio. Porto Alegre.

Resumo

A investigação pretende aportar uma análise sobre o processo de construção do porto de Porto Alegre, em diálogo com a então ideologia política da capital rio-grandense. Tendo em vista os inúmeros matizes que compõe o caso de estudo, projetos e relatórios oficiais, além de testemunhos artísticos, fotografias e bibliografia sobre o tema serão estudados afim de documentar a evolução da paisagem costeira, desde seus antecedentes até a implantação do projeto “Porto Alegre porto de mar”. O objeto deste artigo é parte integrante de uma pesquisa mais ampla que se dedica a analisar a história e os significados que envolvem o Cais Mauá. A hipótese desta tese parte da premissa de que o lugar em estudo carrega vestígios de valor tanto estético como cultural, signos da história de Porto Alegre, capazes de transmitir as etapas evolutivas da área portuária da cidade e a metamorfose da paisagem no imaginário urbano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Larissa Lohmann, Escola Tècnica Superior d'Arquitectura de Barcelona
Arquiteta e Urbanista graduada pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (2013) e Mestranda da Universidad Politécnica de Catalunya, realizando atualmente tese sobre antigas áreas portuárias sob o enfoque de paisagem cultural.

Referências

BICALHO, F. P. (1908). Plano para a realização do melhoramento dos portos da República (R.D.V.F).

COELHO, C. (2013). Os Elementos Urbanos. Lisboa: Editora Argumentum.

FARIA SANTOS, J. L. (1904). Relatório da Diretoria de Viação Fluvial (R.D.V.F.).

FRANCO, S. (1988). Porto Alegre, guia histórico. Porto Alegre: Editora UFRGS.

FRENCHMAN, D., SABATÉ, J., & SCHUSTER, J.M. (2004). Event Places. Barcelona: Universidad Politécnica de Cataluña, & Massachusetts Institute of Technology.

GODOY, C. J. (1909). Relatório da Secretaria de Estado dos Negócios das Obras Públicas, apresentado a Carlos Barboza Gonçalves. Porto Alegre: Oficinas Gráficas da Livraria do Globo.

INOSTROZA, S. (2002). Huellas en la ciudad heredada: Complejidad y continuidad en la morfo-génesis del proyecto urbano contemporáneo. Tesis doctoral, Universidad Politécnica de Cataluña, Barcelona, España.

LERSCH, I. (2015). A Praça da Alfândega como vestíbulo para a cidade: paradigmas e contradições de um espaço público. Anais do Congresso Internacional de Espaços Públicos, Porto Alegre, RS, Brasil, 1.

MENEGAT, R. (2006). Atlas Ambiental de Porto Alegre. Porto Alegre: Editora UFRGS.

MOREIRA, J. F. (1930). Relatório da Secretaria de Estado dos Negócios das Obras Públicas, apresentado a Getúlio Vargas (volume 1). Porto Alegre: Oficinas Gráficas d’A Federação.

PEIXOTO, N. (2003). Paisagens Urbanas. São Paulo: Senac.

Saint-Hilaire, A. (2002). Viagem ao Rio Grande do Sul. Martins Livreiro: Porto Alegre.

SANTOS, M. (2014). A natureza do espaço. São Paulo: Editora USP.

SAUER, C. (1925). The morphology of landscape. In J. Leighly (ed.). Land and life: a selection from the writings of Carl Ortwin Sauer. Berkeley: University of California Press.

VERISSIMO, E., & KLETTNER, E. (1954). Lembrança de Porto Alegre. Porto Alegre: Editora Globo.

VERISSIMO, E. (2002). O Continente. São Paulo: Editora Geográfica.

Publicado
2016-09-29
Como Citar
Lohmann, L. (2016). A obra, o rosto e a mensagem. Reflexões sobre a construção da área portuária de Porto Alegre. Labor E Engenho, 10(3), 213-231. https://doi.org/10.20396/lobore.v10i3.8646184
Seção
Artigos