Lógica de organização territorial guarani: concepções do modo de ser

Palavras-chave: Paisagem cultural. Organização territorial. Guarani. Aldeamentos.

Resumo

O objetivo da pesquisa é demonstrar que a cultura Guarani possui uma lógica de organização territorial estreitamente relacionada com as características do território. Parte-se do conceito de Paisagem Cultural para reconhecer essa lógica, e se valora como ao longo da história se produzem sucessivas intenções de aculturação, que fundamentalmente se baseiam na pretensão de impor modelos urbanos como meio civilizatório. Apesar de todo o processo de aculturação, se pretende demonstrar que os Guaranis ainda preservam traços de sua antiga organização, servindo como suporte para manter suas tradições e seu modo de vida. Neste artigo, apresentamos os padrões culturais dos seus assentamentos, baseando-se principalmente nas narrativas de jesuítas, para depois comparar com a legislação portuguesa de 1755, que inicia um sistema de urbanização utilizando a população indígena como meio de organização e defesa do território.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adelita Araujo de Souza, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Mestre em Urbanismo pela PUC-Campinas. Cursa doutorado na Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC Campinas) com doutorado Sanduiche na Universitat Politècnica de Catalunya (UPC Barcelona Tech)

 

Jane Victal, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Arquiteta e Urbanista. Mestre e Doutora em Arquitetura e Urbanismo (USP). Pós-Doutorado na Kings College London. Professora Titular do Programa de Pós-Graduação em Urbanismo (POSURB PUC-Campinas).

Joaquín Sabaté Bel, Universidad Politécnica de Cataluña

Catedrático de Urbanismo en la Universidad Politécnica de Cataluña. Coordinador de la Maestría y Doctorado enUrbanismo y del Programa de Postgrado Proyectar el Territorio. Fundador del Laboratorio Internacional de Paisajes Culturales. Barcelona [Cataluña], España.

Referências

ARISTÓTELES (2006). Política, Livro III. São Paulo: Martin Claret.

AZEVEDO, M., BRAND, A., HECK E., MARQUES L., & MELIÀ. B. (2008). Caderno Guarani Retã. http://pib.socioambiental.org (consulta: 10/08/2015).

BRASIL (1755). Alvará de 7 de junho de 1755. Diretório dos Índios. Pará e Maranhão.

BRASIL (1758). Alvará de 8 de maio de 1758. Estende o Diretório dos Índios a todo o Brasil.

Brasil (1845). Decreto nº 426, de 24 de Julho de 1845. Regulamento das Missões de catequese e civilização dos indígenas do Brasil.

BREDA, T. (2014). Guaranis resistem a preconceito enquanto exigem demarcações no Paraná. Disponível em http://www.redebrasilatual.com.br. (consulta: 08/07/2015).

CORTESÃO J. (1951). Jesuítas e Bandeirantes no Guairá (1549-1640) Manuscritos da Coleção de Angelis. Rio de Janeiro: Biblioteca Nacional do Brasil.

MELIÀ, B., & GRÜNBERG (1976). Los Paî-Tavyterã: Etnografia guarani del Paraguai contemporaneo, in: Suplemento Antropológico de la Revista del Ateneo Paraguayo, Vol XI nº 1-2.

MELIÁ, B., SAUL, J., & MURARO, V. (1987). O Guarani, uma Bibliografia Etnológica. Santo Angelo: Fundação Pró-Memória. FUNDAMES.

NIMUENDAJÚ, C. (1910a). Nimongaraí. Mana 7, pp.143-149, 2001.

NIMUENDAJÚ C. (1910b). Apontamentos sobre os Guarani. Revista Tellus 24, pp.311-360, 2001.

SAUER, C. (1925) The Morphology of Landscape. Geography. University of California Publications 2, pp.19-54.

SCHADEN, E. (1974). Aspectos fundamentais da cultura Guarani. São Paulo, Editora Edusp.

SUSNIK, B. (1964). El Guaraní en la vida Socio-Económica Colonial. Revista de Sociología 01, pp.30-48.

SUSNIK, B. (1965). El Guaraní Colonial. "El indio Colonial del Paraguay". Asunción: Museo Etnográfico Andrés Barbero.

SUSNIK, B. (1983). "Los Aborígenes de Paraguay", Tomo V. Ciclo Vital y Estructura Social. Asunción: Museo Etnográfico Andrés Barbero.

PARAGUAI (1556). Ordenanzas de Irala sobre repartimientos y encomiendas.

Publicado
2016-09-29
Como Citar
Araujo de Souza, A., Victal, J., & Sabaté Bel, J. (2016). Lógica de organização territorial guarani: concepções do modo de ser. Labor E Engenho, 10(3), 249-267. https://doi.org/10.20396/lobore.v10i3.8646223
Seção
Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo (s) autor (es)

1 2 > >>