Evolução diária e variação sazonal da turbulência atmosférica em espaços livres de cidades do Oeste Paulista

Autores

  • Antonio Jaschke Machado Universidade Estadual Paulista

DOI:

https://doi.org/10.20396/labore.v10i4.8646284

Palavras-chave:

Espaços livres. Turbulência atmosférica. Anemômetro sônico.

Resumo

Este artigo procura identificar um padrão da turbulência do ar que reflita o efeito de edifícios nas características da turbulência medida em espaços livres de cidades do Oeste Paulista. A turbulência atmosférica foi estimada utilizando-se observações de alta-frequência das três componentes ortogonais do vento (u, v, w). Um anemômetro sônico CSAT3 da Campbell Scientific Inc. (CSI) foi instalado na cobertura de um edifício, e as componentes turbulentas (u', v', w') foram sistematicamente medidas e registradas em intervalos de 0.1 s e 5 min, respectivamente, durante 1 ano entre março de 2015 e fevereiro de 2016 com um sistema automático de aquisição de dados CR3000 (CSI). A análise dos dados considerou a variabilidade diurna e noturna da turbulência, e os resultados experimentais revelaram a existência de um padrão diário de circulação vertical. A componente w variou entre 15 e 45 cm.s-1 em média, e as flutuações turbulentas observadas indicaram que uma componente ascendente com uma velocidade de até 1 m.s-1 predominou durante o meio do dia e início da tarde. Durante a noite até as primeiras horas da manhã, uma componente descendente, menos robusta, com uma velocidade de até 0.5 m.s-1 foi observada. O fluxo horizontal médio (u, v) foi de baixa velocidade (em torno de 1 m.s-1) e predominantemente de sudeste. Houve uma mudança consistente na direção deste vento, que girou para leste durante a manhã conforme o ramo ascendente se desenvolveu. É proposto um modelo para a circulação do ar próximo à superfície na qual esta mudança na direção do vento é o principal efeito do edifício na turbulência observada. Concluiu-se que outros padrões assimétricos observados, do tipo brisas de vale, podem ser compreendidos como circulações secundárias que tem como pano de fundo o efeito do edifício.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Antonio Jaschke Machado, Universidade Estadual Paulista

Antonio Jaschke Machado é Bacharel em Meteorologia desde 1990, tendo obtido o doutorado em Geografia Física em 2009. Atualmente é Docente dos Cursos de Bacharelado em Arquitetura e Urbanismo e Bacharelado em Geografia da FCT-UNESP, vinculado aos Laboratórios de Climatologia, Clima e Conforto e Estação Meteorológica. Desenvolve há dezoito anos pesquisas em climatologia urbana.

Referências

AZEVEDO, T. R. de (2001). O fluxo de calor gerado pelas atividades humanas. In J. R. TARIFA, & T. R. AZEVEDO (Orgs.). Os climas da cidade de São Paulo: teoria e prática. São Paulo: Universidade de São Paulo, FFLCH, Departamento de Geografia.

AZEVEDO, T. R. de. (2004). A frota de automóveis e o pó que São Paulo respira (particulado inalável no clima da cidade). In A. F. A. Carlos, & A. U. Oliveira (Orgs.). Geografias de São Paulo: representação e crise da metrópole (Vol. 1, pp. 73-88). São Paulo: Editora Contexto.

BARBOZA, E. C., & MACHADO, A. J. (2015). Bowen ratio in Western São Paulo State, Brazil. Proceedings of the INTERNATIONAL CONFERENCE on BUILDING, ARCHITECTURE and URBANISM, Barcelona, España, 17. Barcelona: WASET, 2015, v. 17, n. 10, Part XII, p. 1770-1773.

FERREIRA, M. J., OLIVEIRA, A. P. de, & SOARES, J. (2013). Diurnal variation in stored energy flux in São Paulo city, Brazil. UC Urban Climate, 5 (1), 36-51 [Amsterdan]. ISSN 2212-0955. Recuperado em 25 setembro 2015, de http://www.sciencedirect.com/science/article/pii/S2212095513000254>. DOI: http://dx.doi.org/10.1016/j.uclim.2013.06.001

FINATI, G. I., & MACHADO, A. J. (2015). Evolução diurna do calor antropogênico liberado por cozinhas e sua relação com o balanço de energia à superfície no Oeste Paulista, SP. PARC Pesquisa em Arquitetura e Construção, 6 (2), 103-119 [Campinas, SP]. http://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/parc/article/view/8635016.

GARRAT, J. R. (1992). The atmospheric boundary layer. Cambridge University Press.

INSTITUTO BRASILEIRO de GEOGRAFIA e ESTATÍSTICA [IBGE]. Disponível em http://www.censo2014.ibge.gov.br/ Acessado em 3 de julho de 2015.

LANDSBERG, H. E. (2006). O clima das cidades [Trad. Tarik Rezende de Azevedo]. Revista do Departamento de Geografia, 18, 95-111.

MACEDO, S. S. (2012). Paisagismo brasileiro na virada do século: 1990-2010. São Paulo: Edusp; Campinas: Editora da Unicamp.

MACHADO, A. J., & AZEVEDO, T. R. de. (2013). Spatial distribution in long-wave radiation flux in São Paulo city, Brazil. WJEPS World Journal of Engineering and Physical Sciences, 1 (3), 33–52 [Albany]. [ISSN 2331-1878]. Recuperado em 25 setembro, 2015, de http://wsrjournals.org/journal/wjeps

OKE, T. R. (1987). Boundary Layer Climates (2nd ed.). London: Routledge.

OKE, T. R. (2006). Towards better scientific communication in urban climate. Theoretical and Applied Climatology, 84, 179-190. DOI 10.1007/s00704-005-0153-0.

PRADELLA, H. L. (2014). A construção do conceito de “tipos de tempo” entre os séculos XVII e XXI, no âmbito das Ciências Atmosféricas. Dissertação (Mestrado em Geografia Física) — Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

RIBEIRO, H., & AZEVEDO, T. R. (2003). O patrimônio em áreas verdes da USP e atmosfera urbana. In: COMISSÃO de PATRIMÔNIO CULTURAL da USP. Meio Ambiente: Patrimônio Cultural da USP (pp.19-39). São Paulo: Universidade de São Paulo.

STEWART, I. D., & OKE, T. R. (2012). Local climate zones for urban temperature studies. BAMS Bulletin of American Meteorological Society, 93 (12), 1879-1900 [ISSN 1520-0477]. Recuperado em 25 setembro, 2015, de http://journals.ametsoc.org/doi/abs/10.1175/BAMS-D-11-00019.1

DOI: http://dx.doi.org/10.1175/BAMS-D-11-00019.1

STULL, R. B. (1988). An Introduction to Boundary Layer Meteorology. London: Kluwer Academic Publishers.

TARIFA, J. R., & ARMANI, G. (2001). Os Climas Urbanos. In J. R. TARIFA, & T. R. AZEVEDO (Orgs.). Os climas da cidade de São Paulo: teoria e prática. São Paulo: Universidade de São Paulo, FFLCH, Departamento de Geografia.

Downloads

Publicado

2016-12-31

Como Citar

MACHADO, A. J. Evolução diária e variação sazonal da turbulência atmosférica em espaços livres de cidades do Oeste Paulista. Labor e Engenho, Campinas, SP, v. 10, n. 4, p. 330–342, 2016. DOI: 10.20396/labore.v10i4.8646284. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/labore/article/view/8646284. Acesso em: 26 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos