Formação territorial enquanto instrumento de afirmação das fronteiras entre São Paulo e Minas Gerais nos séculos XVIII e XIX. A freguesia de N. S. da Conceição do Bom Sucesso do Rio Pardo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/labore.v11i3.8648835

Palavras-chave:

formação territorial. Rede urbana. Território paulista e mineiro. Fronteiras. Paisagem

Resumo

O presente artigo discute a formação de parte da região nordeste paulista a partir da criação da freguesia de Nossa Senhora da Conceição do Bom Sucesso do Rio Pardo (Caconde), elucidando o processo de ocupação do território, enquanto afirmação da fronteira entre as Capitanias e, posteriormente, Províncias de São Paulo e Minas Gerais. O trabalho parte da definição teórico-metodológica da constituição de rede de cidades, enquanto forma de consolidar a ocupação dos territórios no Brasil Colônia e Império. A gênese dos conflitos ligados à definição da fronteira na região envolve os novos descobertos auríferos, a abertura de caminhos e a criação de novas freguesias e vilas. O trabalho adota uma abordagem macrorregional para compreender as relações territoriais, definindo a formação da paisagem a partir da sobreposição dos diferentes tempos históricos. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Augusto Silva Ferreira, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Arquiteto e Urbanista, mestrando do Programa de Pós-graduação em Urbanismo da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (POSURB - PUC Campinas), bolsista CAPES

Renata Baesso Pereira, Pontifica Universidade Católica de Campinas

Professora Titular da Pontifícia Universidade Católica de Campinas - SP, Membro do corpo docente permanente do Programa de Pós Graduação em Urbanismo (POSURB PUC - Campinas, desde 2012) e da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU PUC Campinas, desde 2008). Membro do grupo de pesquisa "História das Cidades: Ocupação Territorial e Ideários Urbanos" do CEATEC PUC Campinas. Doutora pelo Programa de Pós Graduação da FAU USP na área de concentração de História e Fundamentos da Arquitetura e do Urbanismo (2008), mestre em Urbanismo pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2000) e graduada na Escola de Arquitetura da Universidade Federal de Minas Gerais (1994).

Referências

Arquivo do Estado de São Paulo [AESP] (1896) Documentos interessantes para a história e costumes de São Paulo, Divisas de São Paulo e Minas Gerais. (11) São Paulo: Typografia. Recuperado de: http://bibdig.biblioteca.unesp.br/bd/bfr/or/10.5016_10-ORDCISP-06-11_volume_11/#/190/

Arquivo Público de Casa Branca (1846). Patrimônio Doado à Freguesia de Caconde – Reconhecimento, Casa Branca, 11p.

Bacellar, C. de A. P., & Brioschi, L. R. (Orgs.) (1999). Na Estrada do Anhanguera: uma visão regional paulista. São Paulo: Humanitas FFLCH/USP.

Brioschi, L. R. (1995). Criando História; paulistas e mineiros no nordeste de São Paulo, 1725-1835. 266 folhas. (Tese de doutorado). Universidade de São Paulo, Programa de Pós Graduação em Sociologia, da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, São Paulo, SP, Brasil.

Bueno, B. P. S. (2009). Dilatação dos confins: caminhos, vilas e cidades na formação da Capitania de São Paulo (1532-1822). Anais do Museu Paulista. s/n., São Paulo, pp. 251-294.

Bueno, B. P. S. (2016). O Brasil-Colônia: em que medida mais urbano do que parece à primeira vista? In Actas Primer Congreso Iberoamericano de Historia Urbana, Santiago de Chile, pp. 825-834.

Campanhole, A. (1979). Memória da Cidade de Caconde: freguesia antiga de N. S. da Conceição do Bom Sucesso do Rio Pardo. São Paulo: A. Campanhole.

Corrêa, L. (1989). A rede urbana. São Paulo: Editora Ática.

Derntl, M. F. (2010). Método e arte: criação urbana e organização territorial na capitania de São Paulo (1765-1811). (Tese de Doutorado). Universidade Estadual de São Paulo, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, São Paulo, SP, Brasil.

Fonseca, Cláudia Damasceno (2011). Arraiais e vilas d’el rei: espaço e poder nas Minas setecentistas (M. J. G. Teixeira, & C. D. Fonseca, Trads.). Belo Horizonte: Editora UFMG.

Ghirardello, N. (2010). A formação dos patrimônios religiosos no processo de expansão urbana paulista (1850-1900). São Paulo: Ed. UNESP.

Holloway, T. H. (1984). Imigrantes para o café: café e sociedade em São Paulo, 1886-1934 (E. Malheiros, Trad.). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

IBGE (2009). Recuperado de: http://mapas.ibge.gov.br/politico-administrativo/regionais

Jucá Neto, C. R. (2012). Primórdios da Urbanização no Ceará. Fortaleza: Edições UFC; Editora Banco do Nordeste do Brasil.

Marx, M. (1991). Cidade no Brasil: terra de quem? São Paulo: Nobel; Editora da Universidade de São Paulo.

Monbeig, P. (1984). Pioneiros e Fazendeiros de São Paulo. São Paulo: Editora Hucitec; Editora Polis.

Reis, N. G. (2013). As minas de ouro e a formação das Capitanias do Sul. São Paulo: Via das Artes.

REIS, N. G. (2014). O caminho do Anhanguera (1a. ed.) [Beatriz Cannabrava, Trad./versión en español]. São Paulo: Via das Artes.

SANTOS, M. (2002). A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. São Paulo: Edusp.

Downloads

Publicado

2017-09-23

Como Citar

FERREIRA, R. A. S.; PEREIRA, R. B. Formação territorial enquanto instrumento de afirmação das fronteiras entre São Paulo e Minas Gerais nos séculos XVIII e XIX. A freguesia de N. S. da Conceição do Bom Sucesso do Rio Pardo. Labor e Engenho, Campinas, SP, v. 11, n. 3, p. 313-334, 2017. DOI: 10.20396/labore.v11i3.8648835. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/labore/article/view/8648835. Acesso em: 30 out. 2020.

Edição

Seção

Artigos