Pontal do Paranapanema: planejamento territorial e conflitos de terras (1886-2011)

  • Luiz Augusto Maia Costa Pontifícia Universidade Católica de Campinas
Palavras-chave: Planejamento territorial. Pontal do Paranapanema. São Paulo.

Resumo

O presente artigo visa investigar as possíveis relações entre planejamento territorial, ocupação territorial e conflitos de terras na região do Pontal do Paranapanema. Para isso, retoma ao ano de 1890 quando o engenheiro Theodoro Sampaio faz o que seria o primeiro plano de ocupação da área conhecido e sugere que parte destas áreas fossem “reservas para o futuro”.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Augusto Maia Costa, Pontifícia Universidade Católica de Campinas
Professor Titular do Programa de Pós-Graduação em Urbanismo (POSURB PUC-Campinas) e da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Graduado em Filosofia pela Universidade Católica do Salvador (1991), graduado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal da Bahia (1997), mestre em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo (2001) e doutor em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo (2005). Pós-Doutorado em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo (2008). Membro do Grupo de Pesquisa Cultura Urbanística na Tradição Clássica do CEATEC PUC-Campinas. Possui vários artigos publicados e é autor do livro O Ideário Urbano Paulista na virada do século. O engenheiro Theodoro Sampaio e as questões territoriais e urbanas modernas (1886-1903).Tem experiência na área de Arquitetura e Urbanismo, com ênfase em Teoria do Urbanismo, atuando principalmente nos seguintes temas: História Urbana, Planejamento Urbano, Requalificação Ambiental e São Paulo.

Referências

Andrade, P. P. (2006). Vale do Paranapanema: ocupação, especulação, devastação 1890-1944. Revista Eletrônica Patrimônio e Memória, 2 (1). Assis [SP]: CEDAP.

Caldeira, J. (1995). Mauá – Empresário do Império. São Paulo: Companhia das Letras.

Cobra, A. N. (1923). Em um recanto do sertão paulista. São Paulo: Hennies.

Costa, E. V. (1987). Da Monarquia à República: momentos decisivos. São Paulo: Editora Brasiliense S.A.

Costa, L. A. M. (2014). Nem Tudo Era Europeu: a presença norte-americana no debate de formação do urbanismo paulista (1886-1919). Santo André [SP]: Universidade Federal do ABC.

Costa, L. A. M. (2003). O Ideário Urbano Paulista na Virada do Século: O Engenheiro Theodoro Sampaio e as Questões Territoriais e Urbanas Modernas em São Paulo (1886-1903). São Paulo: RiMa.

Costa, L.A.M; Montovani, S. M. (2013). Relatório Final de IC — O “extremo oeste paulista”, suas descrições científicas e a sua cartografia. 1850 – 2010. Campinas: CEATEC/PUC-Campinas.

Figueirôa, S. F. M. (2008). Batedores da ciência em território paulista: expedições do Sertão de São Paulo na transição para o século XX. História, ciências, saúde 15(3). Manguinhos [RJ] pp.763-777. Recuperado de: http://www.scielo.br/pdf/hcsm/v15n3/10.pdf.

Holanda, S. B. (1976) Monções. (2.ed.). São Paulo: Alfa-Omega.

Júnior Ferraz, R. V. (2005) Questão fundiária no Pontal do Paranapanema. Recuperado de http://intertemas.unitoledo.br/revista/index.php/Juridica/article/viewFile/361/355.

Leite, J. F. (1998). A ocupação do Pontal do Paranapanema. São Paulo: Hucitec: Fundação UNESP.

Leonídio, A. (2007). Matar e desmatar. A ocupação inicial do Pontal do Paranapanema (1850-1930). In XXIV Simpósio Nacional de História — História e Multidisciplinaridade, São Leopoldo [RS]: Unisinos.

Leonídio, A. (2010). Raízes da violência rural no Brasil: Pontal do Paranapanema, 1990-2008. (Tese de Livre Docência), Universidade Estadual de São Paulo, São Paulo, SP.

Medeiros, L. S. (2009). A luta por terra no Brasil e o Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra. Recuperado de: http://geopr1.planalto.gov.br/saei/images/publicacoes/2009/nota_tecnica_a_luta_por_terra_no_brasil_e_o_movimento_dos.pdf.

Ministério do Desenvolvimento Agrário (2011). Relatório Anual. Célula do Pontal do Paranapanema – SP. Acompanhamento e informação para o desenvolvimento rural. Recuperado de: http://sit.mda.gov.br/download/ra/ra073.pdf.

Monbeig, P. (1984). Pioneiros e fazendeiros de São Paulo. São Paulo: Hucitec.

MST (2009). Os 25 anos do MST. Recuperado de: www.mst.org.br/especiais/23.

Oliveira, J. O. S. (1997). Contribuição ao estudo das origens da Ideologia do Planejamento Moderno no Brasil: Domingos Jaguaribe e as Propostas dos Núcleos coloniais 1874-1900 — Faces do Planejamento Territorial no Processo de Modernização sob o complexo Cafeeiro Paulista. (Tese de Doutorado). Universidade Estadual de São Paulo, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, São Paulo, SP, Brasil.

Sampaio, T. (1890). Boletim Nº 04 — Considerações Geográficas sobre o Vale do Rio Paranapanema. São Paulo: Comissão Geográfica e Geológica de São Paulo.

Sampaio, T. (1898). Terras de propriedade do Dr. Domingos Jaguaribe. São Paulo: Tipografia da Indústria de São Paulo.

São Paulo (Estado). (1995). Secretaria de Economia e Planejamento. Coordenadoria de Planejamento Regional. Instituto Geográfico e Cartográfico. Quadro do desmembramento territorial-administrativo dos municípios paulistas. São Paulo: IGC.

Schwarcz, L. M. (1998). As barbas do imperador: D. Pedro II, um monarca nos trópicos. São Paulo: Companhia das Letras.

Silva, A. S. (2010). O caminho da terra: revisitando a história do MST no Pontal do Paranapanema – SP desde uma ótica psicopolítica. Psicologia em Estudo. 15(1) Maringá, pp.137-149.

Silva, M. D. (2013). Relatório Final de IC: o Vale do Paranapanema, um lugar no extremo oeste paulista. 1850–2010. Campinas: CEATEC/PUC-Campinas.

Sobreiro Filho, J. (2012). A luta pela terra no Pontal do Paranapanema: história e atualidade. Geografia em Questão, 5 (1). Recuperado de http://e-revista.unioeste.br/index.php/geoemquestao/article/download/4981/4939

Veiga, J. E. (2002). Cidades imaginárias. O Brasil é menos urbano do que se calcula. Campinas: Editora Autores Associados.

Publicado
2017-09-23
Como Citar
Costa, L. A. M. (2017). Pontal do Paranapanema: planejamento territorial e conflitos de terras (1886-2011). Labor E Engenho, 11(3), 280-295. https://doi.org/10.20396/labore.v11i3.8649149
Seção
Artigos