Mulher e Água: definições e novas representações

Autores

  • Nathalie Cristine Gallo Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Geociências
  • Anna Carolina Lourenço Navarro Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Geociências

DOI:

https://doi.org/10.20396/labore.v12i2.8652742

Palavras-chave:

Mulher. Água. Objeto. Representação. Sujeito da história.

Resumo

Por meio de uma pesquisa bibliográUica, o objetivo deste trabalho é estabelecer a relação mulher e água e atualizar esta deUinição. Nesta questão, ambas - mulher e água tem o poder de tornarem-se objeto e sujeito da história não somente devido às conquistas do público feminino ao longo dos tempos por seus direitos. A temática aqui apresentada tem o compromisso de ir além dos direitos alcançados e da associação da mulher em ter como principais funções os afazeres domésticos, o parto e os direitos femininos, que são importantes. Mas graças à reUlexão destes é fundamental abrir um leque de possibilidades que se tem para associar, comparar, relacionar e correlacionar água e mulher do ponto de vista histórico, artístico, social e cultural. Tais reUlexões deste estudo colaboram para a atualização da visão que se deve ter do papel da mulher nos diversos momentos relacionados à água, em variados cenários e contextos em que ambas estão inseridas conjuntamente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nathalie Cristine Gallo, Universidade Estadual de Campinas. Instituto de Geociências

Mestranda no Programa Ensino e História de Ciências da Terra. Universidade Estadual de Campinas,
Instituto de Geociências. Campinas [São Paulo] Brasil.

Anna Carolina Lourenço Navarro, Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Geociências

Mestranda do Programa em Política Científica e Tecnológica. Universidade Estadual de Campinas, Instituto
de Geociências. Campinas [São Paulo] Brasil.

Referências

Azevedo, P. S. A.; Pereira, F. W. L.; Paiva, S. A. R. (n.d.) Água, Hidratação e Saúde. Recuperado de: https://dicionariodoaurelio.com/mulher.

Borsa, J. C.; Feil, C. F. (n.d.) O papel da mulher no contexto familiar: uma breve reflexão. Portal dos psicólogos.

Brasil (1988) Constituição da República Federativa do Brasil. Recuperado de:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm

Brasil (1997) Política Nacional de Recursos Hídricos – Lei 9433/1997. Recuperado de:http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9433.ht

Cardoso, M. L. M. (2003). A demografia das águas na sua prática: O caso dos comitês de Bacias Hidrográficas de Minas Gerais. Museu Nacional.

Chaia, M. (2016) Arte e água na obra de Sandra Cinto. Revista do Centro de Pesquisa e Formação, São Paulo, n. 3, p.73-82, nov. Recuperado de:

https://www.sescsp.org.br/files/artigo/f5a3b5ca-e9a5-4075-9a3d-5a3d257c2a45.pdf

Costa, I.H., & Androsio, V.O. (n.d.) As transformações do papel da mulher na contemporaneidade. Recuperado de:

http://srvwebbib.univale.br/pergamum/tcc/Astransformacoesdopapeldamulhernacontemporaneidade.pdf

Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2007) Declaração de Dublin. Recuperado de:

http://www.meioambiente.uerj.br/emrevista/documentos/dublin.htm>

Ferreira, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa (n.d). Recuperado de:https://dicionariodoaurelio.com/agua

Ferreira, V.R.T. (2002) Casais de ontem, casais de hoje. Mudanças no casamento e em duas gerações de

casais. In: Cenci, C.M.B, Piva, M., & Ferreira V.R.T. Relações familiares: uma re9lexão contemporânea. Passo Fundo: UPF Editora.

Fiocruz Minas (2016). Acesso à água e ao saneamento re9lete desigualdade de gênero. Recuperado de:

https://portal.Uiocruz.br/noticia/acesso-agua-e-ao-saneamento-reUlete-desigualdade-de-genero.

Fischer, I.R. (n.d.). A participação das mulheres na gestão da água no espaço público: rebatimentos nas

relações familiares. Gênero, desigualdades e cidadania. Recuperado de: http://actacientiUica.servicioit.cl/biblioteca/gt/GT11/GT11_RuUinoFischerI.pdf

Fortes Júnior, H. F. S. (2006). Poéticas líquidas: a água na arte contemporânea. São Paulo. Recuperado de:

http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/27/27131/tde-13082009-155421/.../923480.pdf

Fortes, H. (n.d.) Água: signiUicados e simbologias na arte contemporânea. Recuperado de:

http://www.ip.usp.br/laboratorios/lapa/versaoportugues/2c91a.pdf

Franzin, A., Sinimbú, F., & Ferreira, P. (2018). Mulheres lutam por espaço na gestão da água no país. Recuperado

de: http://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2018-03/mulheres-brigam-por-espa%C3%A7o-nagest%

C3%A3o-da-%C3%A1gua-no-pa%C3%ADs.

Guiraldelli, R.(2012). Adeus à divisão sexual do trabalho? desigualdade de gênero na cadeia produtiva da confecção. Soc. estado, Brasília, 27(3), 709-732, Dec. Recuperado de: http://www.scielo.br/scielo.php?

script=sci_arttext&pid=S0102-69922012000300014&lng=en&nrm=iso.

Leloup, J.Y. (2000) O Evangelho de João. Tradução: Guilherme João de Freitas Teixeira. Petrópolis: Vozes.

Malacarne, J. (2017). Líquido amniótico: tudo o que você precisa saber sobre ele. Revista crescer. Recuperado de: https://revistacrescer.globo.com/Gravidez/noticia/2017/06/liquido-amniotico-tudo-oque-voce-precisa-saber-sobre-ele.html

Melo, L. A. (2010). A mulher agricultora: relação íntima com a água. Fazenda Gênero 9: Diásporas,

Diversidades, Deslocamentos. Recuperado de: http://www.fazendogenero.ufsc.br/9/resources/anais/

_ARQUIVO_TEXTOULTIMO2010.pdf

Melo, L. A. (2006). Relações de gênero na convivência com o semi-árido brasileiro: a água para o consumo

doméstico. In: Scott, Parry; Cordeiro, Rosineide et al. (Orgs). Agricultura familiar e gênero: práticas,

movimentos e políticas públicas. Recife: Ed. Universitária da UFRE. 331.

Melo, L. A. (2003). Relações de Gênero na Agricultura Familiar: o caso do Pronaf em Afogados da Ingazeira.

(Tese de Doutorado). Faculdade de Sociologia, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, PE, Brasil.

Neves-Silva, P; Heller, L. (2016). O direito humano à água e ao esgotamento sanitário como instrumento

para promoção da saúde de populações vulneráveis. Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, 21(6) 1861-1870.

Recuperado de: http://www.scielo.br/scielo.php?

script=sci_arttext&pid=S1413-81232016000601861&lng=en&nrm=iso.

Organização das Nações Unidas (2016). Recuperado de: https://nacoesunidas.org/unicef-mulheres-emeninas-

do-mundo-gastam-200-milhoes-de-horas-por-dia-coletando-agua/

Pinto, S. S.P. F. (2014). Água da vida e seus simbolismos na perspectiva do evangelista João: o diálogo de Jesus

com a Samaritana. Pontifícia Universidade Católica do Paraná: Jornada interdisciplinar de pesquisa em teologia e humanidades, Recuperado de: http://www2.pucpr.br/reol/index.php/5jointh?

dd1=14940&dd2=7418&dd3=pt_BR&dd99=pdf

Pontes, E. (2013). A Estreita Relação entre Mulher e Água no Semiárido: o Caso do Programa um Milhão de

Cisternas Rurais. Revista Latino-americana de Geografia e Gênero, 4(1), 14-21.

Downloads

Publicado

2018-06-29

Como Citar

GALLO, N. C.; NAVARRO, A. C. L. Mulher e Água: definições e novas representações. Labor e Engenho, Campinas, SP, v. 12, n. 2, p. 166-181, 2018. DOI: 10.20396/labore.v12i2.8652742. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/labore/article/view/8652742. Acesso em: 25 nov. 2020.

Edição

Seção

Artigos