Água: um olhar feminino

Autores

  • Luciana Cordeiro Souza-Fernandes Faculdade de Ciências Aplicadas da Universidade Estadual de Campinas.

DOI:

https://doi.org/10.20396/labore.v12i2.8652743

Palavras-chave:

Gestão da água. Mulher e água. Força da mulher. Luta pela água.

Resumo

O presente trabalho traça um panorama da questão da água e a participação da mulher no cuidado com este bem da vida, numa luta diária como provedora ou guerreira para levar a sua família o acesso a este direito fundamental.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Cordeiro Souza-Fernandes, Faculdade de Ciências Aplicadas da Universidade Estadual de Campinas.

Professora de Direito. Faculdade de Ciências Aplicadas da Universidade Estadual de Campinas; Programa de Pós Graduação em Ensino e História de Ciências da Terra, Instituto de Geociências, Unicamp. Limeira [São Paulo] Brasil. 

Referências

Agenda 21 Global (n.d.). Recuperado de: http://www.mma.gov.br/responsabilidade-socioambiental/agenda-21/agenda-21-global

Bertelli, M. et al. (n.d.). La guerra interminable: 15 años de lucha por el agua en Bolivia. El pais. Disponível em: https://elpais.com/elpais/2015/07/13/planeta_futuro/1436796771_984802.html

Brasil (2007). Lei da Política Nacional de Saneamento. Recuperado de: http://www.planalto.gov.br/ ccivil_03/_ato2007-2010/2007/lei/l11445.htm

Campos G., S. I. (2016). Água: uma coisa de mulheres? Recuperado de: https://blogs.iadb.org/ideacao/2016/10/20/3305_agua_mulheres_genero/

Garcia, L. (2007). Água em três movimentos: sobre mitos, imaginário e o papel da mulher no manejo das águas. Gaia Scientia 1(1), 17-23.

Gómez-Fuentes, A. C. (2009). Un ejército de mujeres. Un ejército por el agua. Las mujeres indígenas Mazahuas en México. Agricultura, sociedad y desarrollo, sept./dic., 208, 207-221.

Instituto Trata Brasil (2017). Situação Saneamento no Brasil. Recuperado de: http://m.tratabrasil.org.br/saneamento-no-brasil

Monje Silva, A., Núñez, A., & Subiza, D. (n.d.). A água tem gênero? Recuperado de: https://publications.iadb.org/handle/11319/7700?locale-attribute=ptsthash.xtMzHsyo.dpuf.

ONU (2015). Objetivo 5. Alcançar a igualdade de gênero e empoderar todas as mulheres e meninas. Recuperado de: https://nacoesunidas.org/pos2015/ods5/

ONU (2015). Transformando Nosso Mundo: a agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável. Recuperado de: https://nacoesunidas.org/pos2015/agenda2030/

Silva, E. R .(1998). O curso da água na história: simbologia, moralidade e a gestão dos recursos hídricos. (Tese de Doutorado). Fundação Oswaldo Cruz, Escola Nacional de Saúde Pública, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

p.

Souza, L.C. (2008) Descobrindo-se água: um olhar feminino. In Heimann et al. (Org.) Nossas Mulheres 2. Jundiaí: In House, 141-145.

Udaeta, M. E. (2001) Bolivia: La Vision y Participacion de las Mujeres en la Guerra del Agua em Cochabamba Bolivia. Recuperado de: http://genderandwater.org/es/productos-gwa/conocimientosobre-

genero-y-agua/guia-para-la-integracion-de-genero-en-la-gestion-integrada-de-recursos-hidricos/estudios-da-caso-genero-y-la-girh/bolivia-la-vision-y-participacion-de-las-mujeres-en-la-guerra-del-aguaen-

cochabamba-bolivia/

Downloads

Publicado

2018-06-29

Como Citar

SOUZA-FERNANDES, L. C. Água: um olhar feminino. Labor e Engenho, Campinas, SP, v. 12, n. 2, p. 182-196, 2018. DOI: 10.20396/labore.v12i2.8652743. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/labore/article/view/8652743. Acesso em: 25 nov. 2020.

Edição

Seção

Artigos