Porto das Barcas e galpões portuários em Parnaíba [PI]: memória, patrimônio e identidade

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/labore.v12i3.8652839

Palavras-chave:

Identidade, Memória, Parnaíba, Patrimônio

Resumo

O presente trabalho aborda a dimensão material e imaterial do patrimônio industrial da cidade de Parnaíba, localizada na região litorânea do Estado do Piauí́, nordeste do Brasil. Possui como objeto de estudo o espaço delimitado pelo Conjunto do Porto das Barcas e galpões Portuários, parte integrante do Conjunto Histórico e paisagístico de Parnaíba, tombando pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, IPHAN, no ano de 2008.  O objetivo geral é compreender a relação entre espaço, democracia, cultura, memória e identidade na produção e gestão do patrimônio histórico urbano.  A metodologia utilizada baseia-se na pesquisa documental, pesquisa histórica e pesquisa arquitetônica. Busca-se refletir, de maneira pluridiciplinar, sobre patrimônio, apropriação social e democracia a partir de uma perspectiva mais ampla, simultaneamente municipal e histórica, social e política.  A dissolução do patrimônio urbano impacta diretamente nos valores comuns de uma sociedade O presente trabalho justifica-se pelo pela importância que o ambiente construído possui para o desenvolvimento de determinada sociedade. Procura-se uma melhor compreensão propiciada pelo conhecimento histórico acerca do patrimônio e das relações de memória e identidade de determinado local, de maneira a auxiliar no planejamento urbano contemporâneo, no fortalecimento da cultura urbana e na salvaguarda do patrimônio histórico, uma vez que a eficácia da patrimonialização e revitalização está relacionada com a preservação e salvaguarda da história e do fortalecimento da identidade de um local a partir de uma apropriação social ativa e democrática. 

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isis Meireles Rodrigues Sampaio, Contro Universitário Uninovapafi

Arquiteta e Urbanista formada pela Universidade Federal do Piauí (2010), Arquiteta da PREUNI/UFPI aprovada por meio de concurso público, Especialista em práticas projetuais de arquitetura e engenharas (UFPI/2012) Mestre em História do Brasi (UFPI/2014) Doutoranda em Arquitetura e Urbanismo pela UFMG (2017-) sob orientaçao da prof. Dr. Celina Borges Lemos. Professora do Centro Universitário Uninovafapi.

Aracelly Moreira Magalhaes, Centro Universitário Uninovafapi

Arquiteta e Urbanista, Mestre em Construção Civil pela FUMEC, Centro Universitário Uninovafapi. Teresina [PI] Brasil.

Referências

ABRAHÃO, S. L. Espaço público, do urbano ao político. São Paulo: Annablume, Fapesp, 2008.

ABREU, M. Sobre a memória das cidades. In CARLOS, A.; SOUZA, M.; SPOSITO, M. A produção do espaço urbano. Agentes e processos, escalas e desafios. São Paulo: Contexto, 2016.

AGAMBEM, G. Stasis. Civil war as a political paradigma (N. Heron, tansl.) Edimburgo: Edimburgh University Press. 2015

ARENDT, Hannah. A condição humana. Tradução de Roberto Raposo, posfácio de Celso Lafer. – 10. Ed – Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

BAUMAN, Zygmunt. Ensaios sobre o conceito de cultura. Rio de Janeiro: Zahar, 2012.

BENEVOLO, Leonardo. A cidade e o arquiteto. Editora Perspectiva: São Paulo, 1984.

BERGER, Peter L. LUCKMANN, Thomas. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2008.

CARLOS, A. F. A.; Da “organização” à “produção” do espaço no movimento do pensamento geográfico. In CARLOS, A.; SOUZA, M.; SPOSITO, M. A produção do espaço urbano. Agentes e processos, escalas e desafios. São Paulo: Contexto, 2016.

CARSALARDE, F. A pedra e o tempo: a arquitetura como patrimônio cultural. Belo Horizonte: UFMG, 2014.

CHARTIER, Roger. A História Cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difel, 1990.

CHAUI, M. Cultura e democracia . En: Crítica y emancipación : Revista latinoamericana de Ciencias Sociales. Año 1, no. 1 (jun. 2008- ). Buenos Aires : CLACSO, 2008.

CHAUI, M. Cultura Política e política cultural. In Estudos avançados. São Paulo: USP, 1995. v.9 n. 23

CHOAY, Françoise. A alegoria do patrimônio histórico; tradução de Luciano Vieira. São Paulo: Editora Estação da Liberdade. 2001

COELHO NETTO, J. Teixeira. A Construção do sentido na arquitetura. 3ed. São Paulo: Perspectiva, 1993.

CORREA, R. L. Sobre agentes sociais, escala e produção do espaço. Da “organização” à “produção” do espaço no movimento do pensamento geográfico. In CARLOS, A.; SOUZA, M.; SPOSITO, M. A produção do espaço urbano. Agentes e processos, escalas e desafios. São Paulo: Contexto, 2016.

COSTA, L. C. N.; GASTAL, S. A. Paisagem Cultural: Diálogos entre o Natural e o Cultural. In Anais do VI seminário de pesquisa em turismo do Mercosul. Semitur: Caxias do Sul, 2010.

DESCHAMPS, Jean Claude; MOLINER, Pascal. A identidade em psicologia social: dos pro- cessos identitários às representações sociais. Tradução de Lúcia M. Endlich Orth. Petrópolis: Vozes, 2014.

DIAS. C. C. Engenharia Piauiense. Teresina: Sieart, 2017.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

GHIONE, Roberto. Tempo e Lugar. Disponível em: http://www.caupr.org.br/?p=6432. Acesso em maio de 2018.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. Tradução de Beatriz Sidou. 2a ed. São Paulo: Centauro, 2013.

HELLER, Agnes. O cotidiano e a história. 4.ed. São Paulo: Paz e Terra, 1992.

IBGE. Porto das barcas. 2017. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/biblioteca-catalogo.html?id=449149&view=detalhes. Acesso em maio de 2018.

IPHAN. Anais do Colóquio Ibero-americano Paisagem Cultural, Patrimônio e Projeto. Belo Horizonte: IEDS, 2017. n. 6 ; v. 1

IPHAN. Conjunto histórico e paisagístico de Parnaíba. 19 SR/PI: Teresina, 2008.

KÜHL, Beatriz Mugayar. Arquitetura do ferro e arquitetura ferroviária em São Paulo: Ateliê Editorial/ FAPESP/ Secretaria de Cultura, 2004.

LEFEBVRE, Henri. A produção do espaço. Trad. Doralice Barros Pereira e Sérgio Martins (do original: La production de l’espace. 4e éd. Paris: Éditions Anthropos, 2000). Primeira versão: início - fev.2006.

MACHADO JÚNIOR, J. A. S. MACEDO, J. P. A relação do turismo no Delta do Parnaíba com comunidades locais. In CULTUR, Santa Catarina: UESC, 2016. ano 10 - no 01 – Fev/2016.

MENDES, Francisco Iweltman Vasconcelos. Parnaíba Educação e Sociedade (da Colonização ao fim do Estado Novo). Parnaíba: Sieart. 2007.

MOURA, C. O advento dos conceitos de cultura e civilização: sua importância para a consolidação da autoimagem do sujeito moderno. In Filosofia. São Leopoldo: Unisinos, 2009.

NAPOLEÃO DO REGO, J. M. A. Dos sertões aos mares: história do comércio e dos comerciantes de Parnaíba (1700-1950). Doutorado em História Social. UFF, 2010.

NORA, Pierre. Entre história e memória: A problemática dos lugares. In: Projeto História. São Paulo, nº 10, p. 7-28, dez. 1993.

NUNES, M. Célis Portella. ABREU, Irlane Gonçalves de. Vilas e cidades do Piauí. In: SANTANA, R. N. (org.) Piauí, formação, desenvolvimento, perspectivas. Halley. 1995.

O DIA. Porto das Barcas é doado à Associação Comercial de Parnaíba. 2013. Disponível em: https://www.portalodia.com/noticias/piaui/porto-das-barcas-e-doado-a-associacao-comercial-de-parnaiba-174170.html. Acesso em: maio de 2018.

PINHEIRO, Áurea; MOURA, Cássia. (org.) Conjunto histórico e paisagístico de Parnaíba in Cadernos do Patrimônio cultural do Piauí, v.2 Teresina: Superintendência do IPHAN no Piauí, 2010.

POLLACK, Michael. Memória e identidade social. Estudos históricos. Rio de Janeiro, CPDOC- FGV, v. 5, n. 10, 1992, p.202-2015.

PREFEITURA MUNICIPAL DE PARNAÍBA. Plano Diretor de Desenvolvimento sustentável. Vol III. Parnaíba: PMP, 2016.

RAMOS, J.N.A. Parnaíba de A a Z: Guia afetivo. Brasília: Multicultural Arte e comunicação, 2008.

RAPOPORT, Amos. Origens Culturais da Arquitetura. In: SNYDER, James C. e CATANESE, Anthony. Introdução à Arquitetura. Rio de Janeiro: Ed. Campus Ltda., 1984.

SACRISTÁN, J. Gimeno; GÓMEZ, A. I. Pérez. Compreender e transformar o ensino. 4.ed. Porto Alegre: ArtMed, 1998.

SANTOS, M. A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razã o e Emoção / Milton Santos. - 4. ed. 2. reimpr. - São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2006. - (Coleção Milton Santos; 1)

SEEC. Secretaria de Estado da Cultura – Paraná. Tombamento – Conceitos. Disponível em: http://www.patrimoniocultural.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=4. Acesso em: maio de 2018.

SENA, J. Conheça o Porto das Barcas em Parnaíba. In Blog Mario Pires. 2017. Disponível em: http://www.blogdomariopires.com.br/2017/12/conheca-o-porto-das-barcas-em-parnaiba.html. Acesso em: maio de 2018.

SERPA, A. O espaço público na cidade contemporânea. São Paulo: Contexto, 2007.

SILVA F., Olavo Pereira da. Carnaúba, pedra e barro na Capitania de São José do Piauhy. BH. Rona. 2007. 3 vol.

SILVA, Josenias. Parnaíba e o Avesso da Belle Epoque: cotidiano e pobreza (1930-1950). (dissertação de mestrado). Mestrado em História do Brasil, UFPI. Teresina, 2012.

SILVA, M. L. A ideia de espaço público em hannah arendt. In Cadernos Zigmut Bauman. São Luís: UFMA. vol. 7, num. 13, 2017.

SOUSA, D. Monumento da águia. In Maloca Piauiense, 2015. Disponível em: http://malocapiauiense.blogspot.com/2015/05/monumento-da-aguia.html. Acesso em maio de 2018.

VASCONCELOS, Pedro de Almeida. Os agentes modeladores das cidades brasileiras no período colonial. In: CASTRO, Iná; GOMES, Paulo; CORREA, Roberto Lobato. Explorações geográficas: percursos do fim do século. Rio de Janeiro: s.ed.

Downloads

Publicado

2018-10-01

Como Citar

SAMPAIO, I. M. R.; MAGALHAES, A. M. Porto das Barcas e galpões portuários em Parnaíba [PI]: memória, patrimônio e identidade. Labor e Engenho, Campinas, SP, v. 12, n. 3, p. p.341-358, 2018. DOI: 10.20396/labore.v12i3.8652839. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/labore/article/view/8652839. Acesso em: 25 nov. 2020.

Edição

Seção

Artigos