As fábricas de ladrilho hidráulico de Campina Grande [PB]: um estudo do patrimônio industrial

Palavras-chave: Patrimônio industrial, Ladrilho hidráulico, Metro materiais

Resumo

O presente artigo apresenta uma pesquisa sobre as fábricas de ladrilho hidráulico que funcionaram em Campina Grande, com foco na Fábrica Metro Materiais, a antiga “Fábrica de Mosaicos Resistência”, a primeira fundada na cidade inaugurada em 1947 e a única que existe atualmente no Estado da Paraíba. Popularmente conhecido como mosaicos, essa tipologia de revestimento foi um elemento construtivo importante na constituição histórica da arquitetura de Campina. A cidade foi palco de grande desenvolvimento em diversos setores industriais e, por isso, torna-se importante a investigação da trajetória das fábricas de ladrilhos hidráulicos que funcionaram no município. A pesquisa empenhou-se em detalhar o processo de fabricação dos ladrilhos produzidos pela fábrica Metro com o objetivo de registrar as técnicas e as ferramentas desenvolvidas empiricamente, utilizadas no fabrico do produto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Arthur Thiago Thamay Medeiros, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutorando em Design, com ênfase em Design e Tecnologia pela UFRGS, Mestre em Design pela Universidade Federal de Campina Grande - UFCG, especialista em Artes pela FISIG, graduado em Design de Produto pela Universidade Federal de Campina Grande e bacharel em Comunicação Social pela  UEPB. Atua ainda como pesquisador colaborador responsável pela linha de pesquisa "Design Moderno: arte, cultura e comunicação" e "História da arquitetura e da cidade moderna. FORM CG" do GRUPAL - Grupo de Pesquisa Arquitetura e Lugar - CNPq/UFCG. 

Alcilia Afonso de Albuquerque e Melo, Universidade Federal de Campina Grande
Doutora em Projetos Arquitetônicos pela ETSAB / UPC (Barcelona, Espanha). Professora  do Curso de Arquitetura e Urbanismo da UFCG. Coordenadora do GRUPAL. Grupo de pesquisa Arquitetura e Lugar.UFCG

Referências

ABNT. NBR 9457. (1986). Ladrilho hidráulico. Rio de Janeiro.

ACAYABA, M. M. (2011). Residências em São Paulo 1947 - 1975. RG facsimile, volume 1. São Paulo, Romano Guerra.

AFONSO, A. (2017). O processo de industrialização na década de 1960 e as transformações da paisagem urbana do Bairro da Prata. Campina Grande. Barcelona: 8º Seminário Internacional de Investigação em Urbanismo. SIIU UPC/ETSAB.

AFONSO, A.; CARVALHO, J. (2015). Patrimônio industrial e território: Campina Grande e seu entorno. Seminário Ibero-americano Arquitetura e Documentação, 4. Anais. Belo Horizonte: UFMG.

AFONSO, A.; MENESES, C. (2015). A Influência da escola do recife na arquitetura de Campina Grande 1950-1970. Seminário Ibero-americano Arquitetura e Documentação, 4. Anais. Belo Horizonte: UFMG.

ALVES, L. da S. (2012). Á industrialização incentivada do Nordeste e o caso Campina Grande - PB. 2012. 95 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Desenvolvimento Regional, Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Regional. UEPB / UFCG, Campina Grande.

AMARAL, I. (2009) Quase tudo que você queria saber sobre tectônica, mas tinha vergonha de perguntar. PÓS-: Revista do Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo da FAUUSP, São Paulo, v. 1, n. 26, p.148-167, dez.

AMORIM, L. (2000) A paisagem recriada: a sedução do progresso recria memória na demolição de patrimônio histórico. In: GURJÃO, Eliete de Queiroz. Imagens multifacetadas da história de Campina Grande. Campina Grande: PMCG. p. 1-22.

ANUÁRIO DE CAMPINA GRANDE: Comércio - Indústria - Profissão. (1950). Campina Grande: PMCG. Anual.

BNB. (1968). Consumo de produtos industriais na cidade de Campina Grande / Banco do Nordeste do Brasil. Fortaleza, BNB.

CEBRAE. (1973). Cadastro das Empresas Industriais do Estado da Paraíba. João Pessoa: NAIPB.

CINGRA. (1966). Campina Grande, Dados e Informações - Companhia de Industrialização de Campina Grande - CINGRA.

CINGRA. (1965). Feira da Industria de Campina Grande. Campina Grande: PMCG.

DEZEN-KEMPTER, E. (2016). Patrimônio Industrial: em busca da sobrevivência. In: Simpósio Nacional de História, 2007, São Leopoldo. História e Multidisciplinaridade: territórios e deslocamentos. São Leopoldo - Rs: Unisinos, 2007. p. 1 - 12. Disponível em: https://goo.gl/yQiQJ2. Acesso em: 05 dez.

DINOÁ, R. (1993). Memórias de Campina Grande. 2 vols. Campina Grande. Editoração Eletrônica.

FIEP. (1966). Azulejos: estudo de viabilidade para implantação de uma indústria em Campina Grande. Campina Grande: UFPB.

FIEP. (1969). Cadastro Industrial do Estado da Paraíba.

FIEP. (1974). Cadastro Industrial do Estado da Paraíba.

FIEP. (1985). Cadastro Industrial do Estado da Paraíba.

FIEP.(1992). Cadastro Industrial do Estado da Paraíba.

FIEP. (1997). Cadastro Industrial do Estado da Paraíba.

GIL, A. C. (2008). Como elaborar projetos de pesquisa. 4.ed. São Paulo: Atlas.

IBGE. (2016). Histórico Campina Grande Paraíba - PB. Disponível em: http://ibge.gov.br/cidadesat/painel/historico.php?codmun=250400&search=paraiba|campina-grande|inphographics:-history⟨=. Acesso em: 13 dez. 2016.

MACEDO, F. (2013). A geometria do ladrilho hidráulico. Goiânia: Instituto Casa Brasil de Cultura.

MARQUES, J. de S. (2012). Estudo do processo de produção de ladrilhos hidráulicos visando à incorporação de resíduos sólidos. 2012. 119 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Programa de Pós-graduação em Engenharia de Edificações e Saneamento, Universidade Estadual de Londrina, Londrina.

OLIVEIRA, M. J. S. (2005). Do discurso dos planos ao plano discurso: PDLI - Plano de desenvolvimento local integrado de Campina Grande 1970-1976. 2005. 181 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Departamento de Arquitetura e Urbanismo, Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Urbano, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

OLIVEIRA, M. J. S.; RODRIGUES, J. E. (2009). Memorial FIEP: Seis décadas de ações transformadoras. Campina Grande: Gráfica Marcone.

PARAHYBA, Lei Nº. 140, de 4 de outubro de 1928. (1928). Código de Posturas Municipais, Parahyba.

PMCG. (1964). Resumo histórico e estatístico de Campina Grande: diga ao Brasil que Campina Grande é centenária. Assessoria de Imprensa da PMCG.

QUEIROZ, M. V. D. de; ROCHA, F. de M. D. (2007). Caminhos da arquitetura moderna em Campina Grande: emergência, difusão e a produção dos anos 1950. In: MOREIRA, Fernando Diniz. Arquitetura Moderna no Norte e Nordeste do Brasil: universalidade e diversidade. Recife: Fasa.

QUEIROZ, M. V. D. de. (2016). Quem te vê não te conhece mais: arquitetura e cidade de Campina Grande em transformação (1930-1950). Campina Grande: EDUFCG. 262 p.

ROSSETTI, C. P. (2007). Flávio de Carvalho: questões de arquitetura e urbanismo. 2007. 390 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo, Departamento de Arquitetura e Urbanismo, Usp, São Paulo.

SÁ, M. B. de. (2000). A paisagem recriada: um olhar sobre a cidade de Campina Grande. In: GURJÃO, Eliete de Queiroz. Imagens multifacetadas da história de Campina Grande. Campina Grande: Pmcg. p. 179-189.

SILVA, J. G. de A. e. (2000). Raízes históricas de Campina Grande. In: GURJÃO, Eliete de Queiroz. Imagens multifacetadas da história de Campina Grande. Campina Grande: PMCG. p. 13-28.

SUDENE. (2017). Institucional. Disponível em: http://www.sudene.gov.br/institucional. Acesso em: 03 mar.

TICCIH. (2003). The International Committee for the Conservation of the Industrial Heritage. Carta de Nizhny Tagil sobre o Patrimônio Industrial. Julho.

Publicado
2018-10-01
Como Citar
Medeiros, A. T. T., & Melo, A. A. de A. e. (2018). As fábricas de ladrilho hidráulico de Campina Grande [PB]: um estudo do patrimônio industrial. Labor E Engenho, 12(3), p.392-410. https://doi.org/10.20396/labore.v12i3.8652844
Seção
Artigos