Memória do urbano: a estação ferroviária nova de Campina Grande [PB]: a partir dos relatos de ex-ferroviários

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/labore.v12i3.8652850

Palavras-chave:

Cidade, Memória, Patrimônio, Estação ferroviária nova

Resumo

Ao longo de toda a nossa vida, acumulamos memórias que são compartilhadas por outros indivíduos que fazem ou fizeram parte do mesmo grupo social que nós e podem testemunhar o que vivemos, pois dividiram conosco aquele momento. Em muitos casos, lugares da cidade têm a função de guardar a memória do nosso grupo, pois são nesses locais que vivemos nossas histórias. Mas o que acontece quando esse símbolo da nossa memória é um patrimônio que está abandonado? É com base nessa relação de compartilhamento entre memória, patrimônio e indivíduo que norteamos nosso estudo. O objetivo foi produzir um artigo que retome as memórias de um grupo de ex-ferroviários que trabalharam na Estação Ferroviária Nova de Campina Grande-PB, com o intuito de que elas nos ajudem a despertar o interesse por esse espaço, hoje abandonado, e promova sua valorização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Adelino de Souza, Universidade Federal de Campina Grande

Mestranda em História pelo PPGH – Programa de Pós Graduação em História da Universidade Federal de Campina Grande. Centro de Humanidades - CH.

Paulo Matias de Figueiredo Júnior, Universidade Federal de Campina Grande

Professor Adjunto IV no curso de Arte e Mídia da Universidade Federal de Campina Grande. Doutor em Educação, Arte e História da Cultura (Mackenzie – SP).

Referências

AFONSO, Alcilia; ARAÚJO, Cinthya. Origem da arquitetura moderna em Campina Grande: obras precursoras e suas contribuições para a arquitetura regional 1900-1950. SEMINÁRIO IBERO-AMERICANO ARQUITETURA E DOCUMENTAÇÃO, 4, 2015, Belo Horizonte. Anais. Belo Horizonte: [s.n.]: 2015.

AFONSO, Alcilia. A relação da paisagem urbana com os antigos pátios ferroviários. O caso de Campina Grande. Paraíba. XIX JORNADAS INTERNACIONALES DE PATRIMONIO INDUSTRIAL – INCUNA, 19, 2017, Gijón, ES. Anais. Gijón, ES: [s.n.], 2017.

ARANHA, Gervacio Batista. Trem, modernidade e imaginario na Paraiba e região: tramas politico-econômicas e práticas culturais (1880-1925). 2001. 461 p. Tese (Doutorado) - Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Campinas, SP.

ARANHA, Gervácio B. Retratos urbanos: o cotidiano da cidade na ótica dos cronistas. Revista Humanidades. Fortaleza, v. 20, n. 2, p. 389-410, julho/dezembro, 2014. Semestral. e-ISSN 2318-0714.

ARANHA, Gervácio Batista. As estações de trem no norte brasileiro: redesenho da paisagem urbana (1860-1930). ANPUH - SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 22, 2003, João Pessoa. Anais. João Pessoa: [s.n.], 2015.

BOSI, Eclea. Memória e Sociedade: lembranças de velhos. 3. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

CABRAL FILHO, Severino. A memória em disputa: o museu do algodão de Campina Grande-PB, 1973-2013. Revista Memória em Rede. Pelotas, RS, v.4, n.11, Jul./Dez. 2014. Semestral. ISSN- 2177-4129.

CARTA DE NIZHNY TAGIL SOBRE O PATRIMÓNIO INDUSTRIAL. Disponível em http://www.patrimonioindustrial.org.br/modules.php?name=News&file=article&sid=29 . Acesso em: 14 de junho de 2018.

CARTA DE VENEZA. Disponivel em: http://portal.iphan.gov.br/pagina/detalhes/226. Acesso em: 23 de junho de 2018.

FIGUEIREDO JÚNIOR, Paulo Matias de. Fotojornalismo em Campina Grande – PB: mapeamento de relatos e imagens de 1960 a 2012. 2016. 453 p. Tese (Doutorado) – Universidade Presbiteriana Mackenzie, São Paulo, SP.

FREIRE, Adriana Leal de Almeida. Modernização e modernidade: uma leitura sobre a arquitetura moderna de Campina Grande (1940-1970). 2010. 204 p. Dissertação (Mestrado) – Universidade de São Paulo, Escola de Engenharia de São Carlos, São Paulo, 2010.

HALBWACHS, Maurice. A memória coletiva. 2. ed. São Paulo: Centauro, 2003.

HARTOG, François. Tempo e patrimônio. Revista Varia Historia, Belo Horizonte, v. 22, n. 36, p.261-273, 2006. Quadrimestral. ISSN 1982-4343.

HOLZER, Werther. O lugar na geografia humanista. Revista Território, Rio de Janeiro, ano IV, n. 7, p.67-78, 1999. Semestral. ISSN 1806-5554.

NORA, Pierre. Entre memória e história a problemática dos lugares. Projeto História, Revista do Programa de Estudos Pós-Graduados de História. Trad. Yara Aun Khoury. São Paulo, vol. 10, p.7-28, 1993. Quadrimestral. ISSN 2176-2767.

PIMENTEL, Cristino. Abrindo o Livro do Passado. 2. ed. Campina Grande-PB: EDUFCG, 2011.

SANTOS, Milton. Pensando o espaço do homem. São Paulo: EDUSP, 2004.

SARAMAGO, José. O Caderno. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

SILVA, Ronaldo A.R. Paisagem Cultural Industrial: memórias de um patrimônio da contemporaneidade. Revista Labor & Engenho. Campinas, SP, v.5, n.1, 2011. Trimestral. e-ISSN:2176-8846.

Downloads

Publicado

2018-10-01

Como Citar

SOUZA, M. A. de; FIGUEIREDO JÚNIOR, P. M. de. Memória do urbano: a estação ferroviária nova de Campina Grande [PB]: a partir dos relatos de ex-ferroviários. Labor e Engenho, Campinas, SP, v. 12, n. 3, p. p.411–424, 2018. DOI: 10.20396/labore.v12i3.8652850. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/labore/article/view/8652850. Acesso em: 19 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos