Pilar: um núcleo habitacional para a indústria mineradora na caatinga baiana

Palavras-chave: Pilar. Patrimônio industrial. Urbanismo modernista.

Resumo

O impulso econômico dos anos de 1970 e o despertar do planejamento urbano patrocinaram a criação de núcleos habitacionais no cenário da mineração, provocando o deslocamento de capital e mão-de-obra pelo Brasil. Tais assentamentos nasceram sob a tutela das empresas mineradoras e, em alguns casos, amadureceram e tornaram-se independentes. Se por um lado a exploração dos minérios foi o propulsor do surgimento de núcleos urbanos de apoio à mineração pelo interior do país, por outro lado o seu fracasso ou fim selou e traçou o destino de diversas localidades. Implantado no Vale do Curaçá, na caatinga baiana, Pilar, hoje distrito de Jaguarari, foi projetado para abrigar os trabalhadores envolvidos na extração do cobre pela Mineração Caraíba S/A. Para o desenvolvimento do projeto do Núcleo Residencial do Pilar, no final da década de 1970, foi contratada a equipe do arquiteto Joaquim Guedes. O objetivo, portanto, do presente trabalho é discorrer a respeito da criação e da história de Pilar, analisando a sua conformação arquitetônica e urbanística, como um núcleo urbano surgido como apoio às atividades de exploração de cobre e a importância de preservação deste patrimônio industrial.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Gabriela Wanderley Soriano, Universidade Federal da Bahia
Arquiteta e Urbanista. Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da Faculdade de Arquitetura da Universidade Federal da Bahia. Professora da Faculdade de Arquitetura da Universidade Federal da Bahia.

Referências

AZEVEDO, Esterzilda Berenstein de. O Patrimônio Industrial no Brasil. Revista Eletrônica Arq.Urb. Nº 03/2010. São Paulo: Universidade São Judas Tadeu (USJT), 2010. Disponível em: http://www.usjt.br/arq.urb/numero_03/2arqurb3-esterezilda.pdf

BIERRENBACH, Ana Carolina de Souza. A Caraíba de Joaquim Guedes. A trajetória de uma cidade no sertão. Portal Vitruvius. Arquitextos 087.02. Ano 08. Agosto/2007. Disponível em: http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/08.087/217

CAMARGO, Monica Junqueira de. Joaquim Guedes. São Paulo: Cosac Naify, 2000.

TICCIH - The International Committee for the Conservation of the Industrial Heritage. Carta Nizhny Tagil sobre o Patrimônio Industrial. Nizhny Tagil, 17 de julho de 2003. Disponível em: http://www.patrimonioindustrial.org.br/modules.php?name=News&file=article&sid=29

GUEDES, Joaquim. Monumentalidade x Cotidiano: a função pública da Arquitetura. Mínimo Denominador Comum – Revista de Arquitetura e Urbanismo. Ano I. nº 3. Março, 2006. Disponível em: https://revistamdc.files.wordpress.com/2008/12/mdc03-txt05.pdf

SANNA, Antonella. Città Nuove e Villaggi Operai a Bocca di Miniera. Interpretazioni “Autarchiche” della Città Giardino. In: AYMERICH, Carlo; MIGONE RETTIG, Jaime; STOCHINO, Monica (org.). Mostra e Convegno Internazionale Archeologia Industriale: esperienze per la valorizzazione in Cile e in Sardegna. Roma: Gangemi, 2003, p. 103.

SORIANO, Ana Gabriela Wanderley. Pilar, um oásis no sertão baiano. Recife, I DOCOMOMO N-Ne, 2006.

Publicado
2018-10-01
Como Citar
Soriano, A. G. W. (2018). Pilar: um núcleo habitacional para a indústria mineradora na caatinga baiana. Labor E Engenho, 12(3), p.454-468. https://doi.org/10.20396/labore.v12i3.8652874
Seção
Artigos