Fábrica Wallig do Nordeste S.A.: análise arquitetônica do patrimônio industrial moderno

Palavras-chave: Patrimônio industrial, Tectônica, Modernidade.

Resumo

Este artigo trata-se de uma análise arquitetônica do complexo industrial que abrigou a Fábrica Wallig Nordeste S.A, localizada no bairro do Distrito Industrial da cidade de Campina Grande, agreste paraibano. Possui como objetivo, refletir sobre a instalação de projetos arquitetônicos oriundos de regiões brasileiras distintas geograficamente, mas que procuraram adaptações aos condicionantes do lugar no qual a obra foi edificada, trabalhando com uma mão de obra local, e procurando soluções construtivas que empregassem materiais e técnicas do território. Na contemporaneidade, observa-se que os acervos modernos e industriais encontram-se em constante risco, e por isso, a importância em refletir sobre a preservação dos mesmos. A edificação/objeto desse artigo- era sede da empresa Wallig Nordeste S.A, uma fábrica de fogões domésticos pertencente ao Grupo Wallig do Rio Grande do Sul. O autor do projeto do grande complexo industrial foi o escritório “Sérgio e Pellegrini Cia Ltda, Estúdio de arquitetura, urbanismo e decorações”, localizado em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul e que o apresentou em 1965 para os trâmites legais. A solução projetual denota uma preocupação em resolver os problemas climáticos locais, ao observar-se uma série de soluções que serão abordadas nesse artigo, levando à discussão da estreita relação entre a produção arquitetônica industrial e o lugar. Após o fechamento da fábrica, a edificação manteve-se inutilizada por mais de vinte anos, e somente em 2006, a mesma voltou a ser utilizada, quando foi criado o Condomínio Industrial Wallig que abriga dezesseis microempresas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alcilia Afonso de Albuquerque Melo, Universidade Federal de Campina Grande

Doutora em Projetos Arquitetônicos pela Universitat Politècnica de Catalunya. Professora do Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Campina Grande. 

Referências

Afonso, A. (2019). Proposta metodológica para pesquisa arquitetônica patrimonial. Belo Horizonte: Anais do 3º Simpósio Científico do Icomos Brasil. IEDS, UFMG.

Afonso, A. (2017). Modernidade no norte nordeste brasileiro. O diálogo entre arquitetura, tectônica e lugar. Teresina: EDUFPI.

Afonso, A. (2017). O processo de industrialização na década de 1960 e as transformações da paisagem urbana do bairro da Prata, em Campina Grande. Seminário Internacional de Investigação em Urbanismo. Barcelona: UPC.

Choay, F. (2001). A alegoria do patrimônio. São Paulo: Estação Liberdade: Editora Unesp.

Colin, S. (2000). Introdução à arquitetura. Rio de Janeiro: Uape.

Cordeiro, R., Leite, J., Diniz, D. et al. (2018). A utilização dos cobogós na arquitetura moderna industrial campinense: Fábrica da Wallig. 1965-1970. Manaus: VII Seminário Docomomo Norte Nordeste.

Distritos industriais no nordeste (1967), Recife: FUNDINOR/Fundação para o Desenvolvimento do Nordeste.

Frampton, K. (1990). Rappel à l’Ordre : the case for the tectonic. Architectural Design, 60(3-4). Londres.

Frampton, K. (1995). Studies in tectonics culture. Cambridge [Massachussets]: The MIT Press.

Furtado, C. (1959). Uma política de desenvolvimento econômico para o Nordeste. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional.

Gastón, C., & Rovira, T. (2007). El proyecto moderno: pautas de investigación. Barcelona: Ediciones UPC.

GDTN/Grupo de Trabalho pelo Desenvolvimento do Nordeste (1959). Uma política de desenvolvimento econômico para o nordeste. Recife: SUDENE.

Kühl, B. M. (2009). Preservação do patrimônio arquitetônico da industrialização: problemas teóricos de restauro. Cotia [SP]: Ateliê Editorial.

Leite, J., & Afonso, A. (2019) A relação entre concepção arquitetônica e estrutura em projetos industriais modernos em Campina Grande. Estudos de casos. UFCG: Relatório Final do PIVIC. 2018-2019.

Luther, A. de C. (jul./set., 2018). Desafios da preservação do patrimônio arquitetônico industrial na Bahia: o caso da Península de Itapagipe. Labor & Engenho, 12(3) pp.425-453, Campinas [SP].

Mahfuz, E. (2004). Reflexões sobre a construção da forma pertinente. Arquitextos, 4(45), São Paulo, Vitruvius. Recuperado de: http://www.vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/04.045/606. Acesso em 20 de outubro de 2018.

Montaner, J. (2002). As formas do século XX. Barcelona: Gustavo Gili.

Pinon, H. (2006). Teoria do projeto. Traduzido por E. Mahfuz. Porto Alegre: Livraria do Arquiteto.

Rebello, Y. (2000). A concepção estrutural e a Arquitetura. São Paulo: Zigurate Editora.

Relembrando Wallig Nordeste S.A. Recuperado de: http://cgretalhos.blogspot.com.br/2010/05/relembrando-wallig-nordeste-sa.html#.Vu8FGOIrJD8. RETALHOS de CAMPINA GRANDE.

Serra, G. (2006). Pesquisa em arquitetura e urbanismo. São Paulo: Edusp.

Souza, D. R., & Cabral Fo., S. (2013). O periódico como fonte na pesquisa histórica: trabalho e trabalhadores no jornal “Diário da Borborema” – Campina Grande, 1957-1980. (2013). Natal: XXVII Simpósio Nacional de História.

Ticcih. (2003). Carta de Nizhny Tagil sobre o patrimônio industrial. TICCIH. Recuperado de: http://ticcih.org/wp-content/uploads/2013/04/NTagilPortuguese.pdf.

Zanchetti, S. (2002). A conservação integrada e o desenvolvimento sustentável. Recuperado de: http://conservacaourbana.blogspot.com.br/2006/06/conservao-integrada-.htlm.

Publicado
2019-11-04
Como Citar
Melo, A. A. de A. (2019). Fábrica Wallig do Nordeste S.A.: análise arquitetônica do patrimônio industrial moderno. Labor E Engenho, 13, e019011. https://doi.org/10.20396/labore.v13i0.8655916
Seção
Artigos