Usos da cidade: patrimonialização e uma nova produção de sentidos em São João do Rio do Peixe (PB)

Palavras-chave: Cidade, Patrimônio, Reforma urbana.

Resumo

A chegada das primeiras linhas de ferro em 1922 a São João do Rio do Peixe, município situado no sertão da Paraíba, foi resultado dos esforços do Padre Joaquim Cirilo de Sá e representava a chegada da tão esperada modernidade. A partir da chegada do trem, a cidade passou a presenciar uma onda de reformas urbanas que tinham como intuito deixá-la mais sedutora aos olhos dos viajantes e adequá-la para sua nova realidade. Entretanto, as mudanças feitas no seu território acabaram por subtrair dele materialidades já carregadas de sensibilidade. Nessa conjuntura, São João do Rio do Peixe vê seu cemitério ser marginalizado e excluído da área de entorno da Estação Ferroviária da cidade onde só ficaram aquelas edificações congêneres à modernidade que foram inseridas através da chegada das linhas férreas. Mas quando há o declínio do transporte ferroviário e a consequente desativação das malhas ferroviárias o que resta à população é um importante patrimônio ferroviário que, embora esteja repleto de memórias dos que ali construíram laços, passa por um estado de abandono. Reconhecendo a relevância da linha férrea e todas as suas consequências para a história de São João do Rio do Peixe, o presente artigo se propõe a problematizar a chegada de novos símbolos do moderno na cidade, a exemplo da Estação Ferroviária, e tudo ela representou e representa enquanto patrimônio cultural ferroviário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mariana Adelino de Souza, Universidade Federal de Campina Grande

Mestranda em História pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal de Campina Grande.

Maiza Ribeiro de Souza, Universidade Federal de Campina Grande

Graduada e Mestranda em História pelo PPGH – Programa de Pós Graduação em História da Universidade Federal de Campina Grande.

Referências

AGRA, Giscard Farias. Modernidade aos goles: a produção de uma sensibilidade moderna em Campina Grande. Campina Grande: EDUFCG, 2010.

ARANHA, Gervacio Batista. As estações de trem no norte brasileiro: redesenho da paisagem urbana (1860-1930). ANPUH - XXII Simpósio Nacional de História. João Pessoa, 2003.

BEZERRA, Roselane Gomes. Políticas urbanas e processos de patrimonialização nas cidades de Fortaleza e Almada. Forum Sociologico, 2014, p.1-10. Disponível em: https://journals.openedition.org/sociologico/931. Acesso em 20/07/2019.

BRESCIANI, Stella. Melhoramentos entre intervenções e projetos estéticos: São Paulo (1850-1950). In: Palavras da cidade. [org] BRESCIANI, MARIA Stella. Porto Alegre: Ed: Universidade/ UFRGS, 2001.

GALVÃO, Rogério Cândido Ramalho. São João do Rio do Peixe: retratos de uma história. São João do Rio do Peixe-PB: Gráfica Santa Marta, 2016.

GALVÃO, Rogério Cândido Ramalho. São João do Rio do Peixe: datas e notas. São João do Rio do Peixe: Gráfica e Editora Halley S.A., 2011.

LINS, Ana Paula Mota de Bitencourt da Costa. O patrimônio industrial ferroviário e os instrumentos voltados para a sua salvaguarda. Architecton - Revista de Arquitetura e Urbanismo, vol. 02, nº 02, 2012. Semestral.

LYNCH, Kevin. A imagem da cidade. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

MAIA, Doralice Sátyro. O veículo do progresso nas cidades do interior do território brasileiro: a ferrovia, conductor da modernidade, do progresso e/ou uma utopia? XIV Colóquio Internacional de Geocrítica: las utpíaas y la construcción de la sociedad del futuro. Barcelona, 2016.

MAUAD, Ana Maria. Através da imagem: fotografia e história interfaces. Revista Tempo, Rio de Janeiro, vol. 1, n°. 2, 1996, p. 73-98. Disponível em: http://www.historia.uff.br/tempo/artigos_dossie/artg2-4.pdf. Acesso em: 22 jul. 2019.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. História, memória e centralidade urbana. Revista Mosaico, v.1, p.3-12. 2008. Semestral. ISSN: 2176-8943.

PESAVENTO, Sandra Jatahy. Cidades visíveis, cidades sensíveis, cidades imaginárias. Revista Brasileira de História, São Paulo, 2007, vol. 27, n. 53, p. 11-23. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-01882007000100002. Acesso em: 20 jul. 2019.

SILVA, Ronaldo André Rodrigues da. Patrimônio Ferroviário Brasileiro: Da Inclusão à Exclusão de Uma Paisagem Cultural. 3 Colóquio Ibero-Americano - Paisagem cultural, patrimônio e projeto: desafios e perspectivas. Belo Horizonte, 2014.

SOUSA, Rivaldo Amador de. Vertigens do progresso: o trem e outros signos do moderno em São João do Rio do Peixe (1918-1964), 2005. Monografia (História) Universidade Federal de Campina Grande – Cajazeiras.

Publicado
2019-10-02
Como Citar
Souza, M. A. de, & Sousa, M. R. de. (2019). Usos da cidade: patrimonialização e uma nova produção de sentidos em São João do Rio do Peixe (PB). Labor E Engenho, 13, e019008. https://doi.org/10.20396/labore.v13i0.8656080
Seção
Artigos