Escola Industrial de Teresina (1950): projeto arquitetônico e educacional

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/labore.v13i0.8656120

Palavras-chave:

Ensino industrial, Escola Industrial de Teresina, Arquitetura moderna, Difusão.

Resumo

O artigo discorre sobre o desenvolvimento do ensino industrial no Brasil durante a primeira década do século XX e as relações e transformações da arquitetura utilizada nestes espaços. Tomando como foco de análise a Escola Industrial de Teresina, expõe-se as origens das atividades ligadas ao ensino profissional industrial, sua integração ao plano nacional pelo estabelecimento do decreto nº 7.566, de setembro de 1909 e a estruturação das atividades nos edifícios ao longo das décadas seguintes. Busca-se realizar uma análise aprofundada do projeto elaborado em 1950 pelos arquitetos Renato Soeiro, Thomaz Estrela, Jorge Ferreira e Renato Mesquita para a Escola Industrial de Teresina em termos de: programa, estética, relações entre os espaços, utilização da arquitetura moderna e sua incidência em publicações especializadas nacionais e internacionais do período como a revista Arquitetura e Urbanismo, do IAB; a revista francesa L’architecture D’aujourd’hui e o livro Modern Architecture in Brazil, de Henrique Mindlin.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Amanda Bianco Mitre, Universidade de São Paulo

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo.

Marina Lages Gonçalves Teixeira, Universidade de São Paulo

Mestranda em Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo no Instituto de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. 

Referências

Brasil (1909). Decreto no 7.566, de 23 de setembro de 1909. Cria nas capitais dos Estados da República Escolas de Aprendizes Artífices, para o ensino profissional primário gratuito. Recuperado em 15 de junho, 2019, de http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf3/decreto_7566_1909.pdf.

Brasil (1942a). Decreto-lei nº 4.073 de 30 de janeiro de 1942. Lei orgânica do ensino industrial. Recuperado em 18 de junho, 2019, de https://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-4073-30-janeiro-1942-414503-publicacaooriginal-1-pe.html.

Brasil (1942b). Decreto-lei nº 4.983, de 21 de novembro de 1942. Lei de organização do ensino industrial de emergência. Recuperado em 18 de junho, 2019, de: <http://www2.camara.leg.br/legin/fed/declei/1940-1949/decreto-lei-4983-21-novembro-1942-415008-publicacaooriginal-1-pe.html&gt

Bruand (2016). Arquitetura Contemporânea no Brasil. São Paulo: Perspectiva, 2016.

Carvalho, M. A. M. (2017). Nilo Peçanha e o sistema federal de Escolas de Aprendizes Artífices (1909 a 1930). Tese de Doutorado, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo. doi:10.11606/T.8.2017.tde-19092017-143941. Recuperado em 18 jun.2019, de www.teses.usp.br

Correia, T. (2008). Art déco e indústria: Brasil, décadas de 1930 e 1940. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, 16(2), 47-104.

Cunha, L. A. (2000). O ensino industrial-manufatureiro no Brasil. Revista Brasileira de Educação, (14), 89-107.

D'Angelo, M. (2000). Caminhos para o Advento da Escola de Aprendizes Artífices de São Paulo: um Projeto das Elites para uma Sociedade Assalariada. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo. doi:10.11606/D.8.2000.tde-20092012-164022. Recuperado em 18 jun.2019, de www.teses.usp.br

École Professionnelle a Teresina (1952, março 42/43). L’architecture D’aujourd’hui. p.105.

Escola Industrial de Terezina (1952, junho/agosto 22). Arquitetura e Engenharia. pp.52-56.

Fonseca, C. S. da. (1961). História do Ensino Industrial no Brasil. Rio de Janeiro: s/ed., v.1.

Fonseca, C. S. da. (1962). História do Ensino Industrial no Brasil. Rio de Janeiro: s/ed., v.2.

Grinover, L. (1965) Problemas de aprendizagem industrial. Acrópole, 314, 37-38.

Herbst Junior, H. L. (2007). Pelos salões das bienais, a arquitetura ausente dos manuais: expressões da arquitetura moderna brasileira expostas nas bienais paulistanas ( 1951-1959). Tese de Doutorado, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo. doi:10.11606/T.16.2007.tde-19052010-110614. Recuperado em 2019-11-08, de www.teses.usp.br

Instituto Federal do Piauí. Memorial IFPI. Recuperado em 18 jun.2109, de http://libra.ifpi.edu.br/memorial-digital/memorial-digital/linha-do-tempo.

Mindlin, H. E. (1956). Modern Architecture in Brazil. Rio de Janeiro/Amsterdam: Colibri Editora Ltda.

Mindlin, H. E. (1999). Arquitetura moderna no Brasil. Rio de Janeiro: Aeroplano.

Ministério da Educação e Cultura. (1944). Escola Industrial de Teresina: relatório de 1944. Rio de Janeiro: MEC, 1945. Relatório.

Paiva, F. da S. (2013). Ensino técnico: Uma breve história. Revista Húmus, 3(8), 35-49.

Segawa, H., Crema, A., & Gava, M. (2003). Revistas de arquitetura, urbanismo, paisagismo e design: a divergência de perspectivas. Ciência da Informação, 32(3), 120-127.

Soares, M de J. A. (1982). As Escolas de Aprendizes Artífices — estrutura e evolução. Fórum Educacional, 6(3), 58-92.

Downloads

Publicado

2019-11-08

Como Citar

MITRE, A. B.; TEIXEIRA, M. L. G. Escola Industrial de Teresina (1950): projeto arquitetônico e educacional. Labor e Engenho, Campinas, SP, v. 13, p. e019012, 2019. DOI: 10.20396/labore.v13i0.8656120. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/labore/article/view/8656120. Acesso em: 25 nov. 2020.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)