Resíduos sólidos e cooperativas de reciclagem

a Arquitetura como promotora social e ambiental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/labore.v13i0.8657063

Palavras-chave:

Sociedade, Catadores de recicláveis, Percepção ambiental, Arquitetura, Resíduos Sólidos.PNRS.

Resumo

Os resíduos produzidos pela sociedade atual geram consequências e danos constantes ao meio ambiente. Visando equacionar este problema surge a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), a qual busca soluções compartilhadas para a promoção de um sistema de triagem e destinação de materiais recicláveis de forma eficiente. Para que os preceitos estabelecidos pela PNRS sejam realizados, são necessários os trabalhos tanto do catador de recicláveis, organizados em cooperativas, quanto da sociedade em geral, através da coleta seletiva. Os catadores são por diversas vezes desvalorizados socialmente e suas condições mínimas de trabalho não são atendidas. Para obtenção dos resultados desta pesquisa, foram realizadas visitas in loco no município de Santa Izabel do Oeste-PR, buscando compreender o histórico da destinação de resíduos do município, bem como realizando entrevistas com os participantes da cooperativa municipal de reciclagem. Pode-se observar o contexto socioeconômico em que os mesmos estão inseridos, e encontrar alternativas de como a arquitetura, através do princípio de condensadora social, é capaz de promover ambientes que visem a inclusão dos catadores e da sociedade na promoção de uma cidade mais sustentável.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carla Cristina Vansetto, Universidade Paranaense

Academica da Universidade Paranaense(UNIPAR).

           

Tatiana Ghisi, Universidade Paranaense

Mestre em Engenharia Civil. Atualmente trabalha na Universidade Tecnológica Federal do Paraná e na UNIPAR, como docente na graduação do curso de Arquitetura e Urbanismo.

         

Referências

ALENCAR, Tatiane dos Santos; ROCHA, João Pedro Maciente; SILVA, Rebeca Valentim da. Política Nacional de Resíduos Sólidos e os catadores de materiais recicláveis: Estudo de caso de cooperativas nos municípios do estado do Rio de Janeiro. Revista Nacional de Gerenciamento de Cidades, [s.l.], v. 3, n. 20, p.34-52, 3 set. 2015. ANAP - Associação Amigos de Natureza de Alta Paulista. http://dx.doi.org/10.17271/2318847232020151055.

BRASIL, Lei N° 12.305 de 02 de agosto de 2010 - Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12305.htm. Acesso em: 01 de maio de 2019.

BRASIL, Ministério do Trabalho. CBO – Código Brasileiro de Ocupações, 2002. Disponível em: http://www.mtecbo.gov.br/cbosite/pages/pesquisas/BuscaPorTituloResult. jsf. Acesso em: 01 de maio de 2019.

BRASIL. Classificação Brasileira de Ocupações: CBO – 2002 – 3. ed. Brasília: MTE, SPPE, 2010.

BRASIL. Lei nº 12.305, de 02 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos e dá outras providências, 2010.

BRUNDTLAND, G. H. (Org.) Nosso futuro comum. Rio de Janeiro: FGV, 2 ° edição, 1987.

CAMARA dos deputados, Política Nacional de Resíduos sólidos, 3° edição, Centro de documentação e informação, Edições câmara, Brasília, 2017.

CEMPRE – Compromisso empresarial para a reciclagem. Review 2013. São Paulo: Cempre, 2013. Disponível em: http://cempre.org.br/busca/review%202013. Acesso em: 01de maio de 2019.

CMMAD – Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. Nosso futuro comum. 2a ed. Tradução de Our common future. 1a ed. 1988. Rio de Janeiro : Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1991.

COLARES, Raimunda Maria Rodrigues. Gestão e Gerenciamento dos Resíduos Sólidos Urbanos na Região Norte do Tocantins: Perspectivas De Inclusão De Catadores À Luz Da Lei 12.305/10, 2015. Disponível em: http://tede2.pucgoias.edu.br:8080/handle/tede/2729. Acesso em: 05 marços 2019.

COLIN, Silvio. Uma Introdução á Arquitetura .5° Edição, 2000, Rio de Janeiro.

DESSEN, Marina Campos; PAZ, Maria das Graças Torres da. Bem-estar pessoal nas organizações: o impacto de configurações de poder e características de personalidade. Psicologia: Teoria e Pesquisa, [s.l.], v. 26, n. 3, , set. 2010. FapUNIFESP (SciELO). http://dx.doi.org/10.1590/s0102-37722010000300018.

DIAS, Fabiano Vieira. O lugar sustentável: por uma inter-relação entre a arquitetura, o lugar e suas preexistências ambientais. Pós, São Paulo, v. 21, n. 35, p.58-77, 01 jun. 2014. Mensal.

EDUARDO NETO, Luiz; OLIVEIRA, Vicente de Paulo Santos de. Responsabilidade Pública Pós-Consumo Baseada na Política Nacional de Resíduos Sólidos: Compras Públicas Sustentáveis e Coleta Seletiva. Dspace/manakin Repository, Macaé, 14 jul. 2015.

GINZBURG, M. Stil’ i epokha. Moscou: S/R Editora, 1924

GOOGLE. Google Earth. Pro- 2019. Santa Izabel do Oeste, Paraná. Disponível em: https://www.google.com.br/intl/pt-BR/earth/. Acesso em: 29 maio de 2019.

IBGE, Instituto brasileiro de Geografia e estatísticas. Estimativas da população residente no Brasil e unidades da federação com data de referencia em 1° de julho de 2018. Disponível em: www.IBGE.GOV.BR. Acesso em: 15 de fevereiro de 2019.

OLIVEIRA, Luciana Maria Moreira Souto de; Oliveira, Rômulo Carvalho de. Política nacional de Resíduos sólidos e a inclusão social dos catadores de materiais recicláveis. VIII Convibra Administração – Congresso virtual brasileiro de administração, 2011. Disponível em: www. Convibra.com. br. Acesso em: 01 de maio de 2019.

PESQUISA NACIONAL DE SANEAMENTO BÁSICO 2000. Rio de Janeiro: IBGE, 2002. 431 p. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv45351.pdf. Acesso em: 01 de maio de 2019.

SANTA IZABEL DO OESTE. Lei Municipal Nº 1.701, de 22 de abril de 2015. Institui o Plano Municipal de Resíduos Sólidos do Município de Santa Izabel do Oeste, Estado do Paraná, e dá Outras Providências. Disponível em: http://45.160.148.61:7475/site/PORTAL%20DA%20TRANSPARENCIA/LEGISLACAO/LEIS%20MUNICIPAIS/-2015/33.%20Lei%201701%2015%20Institui%20Plano%20Municipal%20de%20Residuos%20Solidos.pdf. Acesso em: 01 de maio de 2019.

SANTA IZABEL DO OESTE. Secretaria Municipal de meio ambiente, 2019, Santa Izabel do Oeste, Paraná.

VILLAC, M.I. Condensador social: uma questão para a vida pública contemporânea. Oculum Ensaios, v.15, n.1, p.99-110, Campinas 2018. https://doi.org/10.24220/2318-0919v15n1a3743.

Downloads

Publicado

2019-12-03

Como Citar

VANSETTO, C. C.; GHISI, T. Resíduos sólidos e cooperativas de reciclagem: a Arquitetura como promotora social e ambiental. Labor e Engenho, Campinas, SP, v. 13, p. e019019, 2019. DOI: 10.20396/labore.v13i0.8657063. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/labore/article/view/8657063. Acesso em: 30 out. 2020.

Edição

Seção

Artigos