(In)Justiça ambiental

o caso da disposição de resíduos sólidos em dois bairros de Itajubá [MG]

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/labore.v14i0.8658724

Palavras-chave:

Desigualdade ambiental, Direito ambiental, Residuos domiciliares

Resumo

Os atuais padrões de consumo e produção têm trazidos impactos diversos à qualidade do meio ambiente, sendo que um dos principais problemas é a geração exacerbada de resíduos sólidos. Devido ao seu intenso volume, os resíduos sólidos urbanos constituem-se um dos maiores desafios do Poder Público, além de que, inferem diretamente sobre a relação das pessoas com o consumo. Ante ao contexto apresentado, o objetivo deste trabalho é identificar a percepção ambiental dos moradores de dois bairros em um município do estado de Minas Gerais, quanto à situação vivenciada em relação à disposição de resíduos sólidos em lixeiras dispostas frente às suas casas, visando observar se tal situação se enquadra nos conceitos de injustiça ambiental. Como metodologia, utilizou-se de entrevistas semiestruturadas, as quais continham perguntas binárias e outras baseadas na escala Likert. Como resultados, obteve-se dados quanti e qualitativos, encontrando-se respostas variadas sobre a satisfação dos serviços de coleta e também sobre a percepção/entendimento acerca do tema. Conclui-se que a percepção varia expressivamente entre os moradores, bem como, há evidencias de injustiça ambiental entre os dois territórios estudados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Talita Nazareth de Roma, Universidade Federal de Itajubá

Mestre em Meio Ambiente e Recursos hídricos pela Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI). Especialista em Gestão Ambiental pelo Instituto Federal (IFSULDEMINAS) de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas Gerais. 

Letícia de Alcântara Moreira, Universidade Federal de Itajubá

Mestranda em Meio Ambiente e Recursos Hidricos na Universidade Federal de Itajubá.

Daniela Rocha Teixeira Riondet-Costa , Universidade Federal de Itajubá

Doutora em Ciências do Meio Ambiente pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Professora da Universidade Federal de Itajubá. Professora permanente e Coordenadora do Programa de Mestrado e Doutorado em Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Câmara Ciências Ambientais) e do Programa de Mestrado em Desenvolvimento, Tecnologias e Sociedade - DTecS (Câmara Interdisciplinar). 

Brunna Araújo Quireli, Universidade Federal de Itajubá

Mestranda em Meio Ambiente e Recursos Hídricos pela Universidade Federal de Itajubá.

Referências

Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais [ABRELPE] (2017). Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil. São Paulo: ABRELPE.

Acselrad, H., Mello, C. C. A., & Bezerra, G. N. (2009). O que é Justiça Ambiental. Rio de Janeiro: Garamond.

Acselrad, H. (2004). Justiça ambiental – ação coletiva e estratégias argumentativas. In: H. Acselrad, S. Herculano, & J. A. Pádua (Orgs.). Justiça ambiental e cidadania (1º ed.). Rio de Janeiro: Relume Dumará.

Angeli, T., & Oliveira, R. R. (2016). A utilização do conceito de Racismo Ambiental, a partir da perspectiva do lixo urbano, para apropriação crítica no processo educativo ambiental. REMEA – Revista Eletrônica do Mestrado em Educação Ambiental, 33 (2), pp. 51-70. DOI: https://doi.org/10.14295/remea.v33i2.5374

Brandalise, L. T., Bertolini, G. R. F., Rojo, C. A., Lezana, A. G. R., & Possamai, O. (2009). A percepção e o comportamento ambiental dos universitários em relação ao grau de educação ambiental. Gestão e Produção, 16 (2), pp. 273-285. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-530X2009000200010

Brasil (2010). Lei nº 12.305 – Política Nacional de Resíduos Sólidos. Brasília. Recuperado em 20 de novembro, 2019, de: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12305.htm

Brasil (2007). Lei nº 11.445 – Diretrizes nacionais para o saneamento básico. Brasília, DF. Recuperado em 20 de novembro, 2019, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2007/Lei/L11445.htm

Brauner, M. C. C., & Graff, L. (2015). Segurança alimentar e produção agrícola: reflexões sob a ótica da justiça ambiental. Veredas do Direito: Direito Ambiental e Desenvolvimento Sustentável, 12 (24), pp. 375-400. DOI: http://dx.doi.org/10.18623/rvd.v12i24.280

Carneiro, E. J., & Assis, M. F. C. (2013). Conflitos ambientais em Minas Gerais: exploração da água na microrregião de São Lourenço. Estudios Sociales, 21 (41), pp. 9- 29.

Cartier, R., Barcellos, C., Hulner, C., & Porto, M.F. (2009) Vulnerabilidade social e risco ambiental: uma abordagem metodológica para avaliação de injustiça ambiental. Cadernos de Saúde Pública, v. 12 (25), pp. 2695-2704. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X2009001200016

Faggionato, S. (2009). Percepção Ambiental. Material de Apoio. Recuperado em 25 de novembro, 2019, de http://educar.sc.usp.br/biologia/textos/m_a_txt4.html

Fontana, R. T., Riechel, B., Freitas, C. W., & Freitas, N. (2015) A saúde do trabalhador da reciclagem do resíduo urbano. Vigilância Sanitária em Debate: Sociedade, Ciência & Tecnologia, v.3 (2), p. 29-35. DOI: https://doi.org/10.3395/2317-269x.00292

Fundação Nacional de Saúde [FUNASA] (2004). Avaliação de impacto na saúde das ações de saneamento: marco conceitual e estratégia metodológica. Recuperado em 30 de outubro de 2020 de http://www.funasa.gov.br/documents/20182/38937/AvaliaC3A7ao+de+impacto+na+saude+das+aC3A7oes+de+saneamento.pdf/9d28b0ee-2beb-4976-ab03-4f03b0512a69

Herculano, S. (2002). Riscos e desigualdade social: a temática da Justiça Ambiental e sua construção no Brasil. Anais... Encontro da ANPPAS, v. 1, pp. 1-15.

Herculano, S. (2008). O clamor por justiça ambiental e contra o racismo ambiental. Revista de Gestão Integrada em Saúde do Trabalho e Meio Ambiente, 3 (1), pp. 01-20.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística [IBGE]. (2010). IBGE Cidades: Itajubá. Recuperado em 25 de novembro, 2019, de https://cidades.ibge.gov.br/brasil/mg/itajuba/panorama

Januário, M., Fernandes, F. R. M., Valerio, M. A., & Macedo, R. B. (2017). Estudo do comportamento ambiental da população de Wenceslau Braz/PR em relação aos resíduos sólidos urbanos. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, 6 (1), pp. 55-71.

Layrargues, P. P. (2009). Educação ambiental com compromisso social: o desafio da superação das desigualdades. In: C. F. B. Loureiro (Org.). Repensar a educação ambiental. São Paulo: Cortez.

Leite, J. R. M. (2015). Manual de Direito Ambiental. São Paulo: Saraiva.

Moreira, L. A., Silva, T. A. C., & Barros, R. M. (2017). Análise da produção de biogás sob diferentes cenários de gerenciamento de resíduos sólidos no município de Inconfidentes - MG. Labor & Engenho, 11 (1), pp. 30-36. DOI: http://dx.doi.org/10.20396/labore.v11i1.8647872

Vasco, A. P., & Zakrzevski, S. B. B. (2010). O estado da arte das pesquisas sobre percepção ambiental no Brasil. Revista Perspectiva, 34 (125), pp.17-28.

Raupp, F. M., & Beuren, I. M. (2003). Metodologia da pesquisa aplicável às ciências sociais. In: I. M. Beuren (Org.). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática. São Paulo: Atlas.

Silva, J. R., & Costa, F. J. (2014). Mensuração e escalas de verificação: uma análise comparativa das escalas Likert e phrase completion [Resumo]. In: Seminários em Administração (Eds.), v. 17, São Paulo, Brasil: SEMEAD.

Silva, C. B. da, & Liporone, F. (2018). Deposição irregular de resíduos sólidos domésticos em Uberlândia: algumas considerações / Irregular doméstic waste dumping in Uberlãndia. Observatorium: Revista Eletrônica de Geografia, 2(6). Recuperado de http://www.seer.ufu.br/index.php/Observatorium/article/view/45058

Spink, P. K. (2003). Pesquisa de campo em psicologia social: uma perspectiva pós-construcionista. Psicologia & Sociedade, 15 (2), pp. 18-42. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-71822003000200003

Pinto, L. H., & Carneiro, E. J. (2015). Aspectos estructurais da construção social do risco ambiental em territórios de classes populares: o caso de São João del-Rei (Minas Gerais, Brasil). Cuadernos de Geografía: Revista Colombiana de Geografía, 24 (2), pp. 173-188. DOI: dx.doi.org/10,15446/rcdg.v24n2.50220

Zhouri, A. (2008). Justiça ambiental, diversidade cultural e accountability: desafios para a governança ambiental. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 23 (68). pp. 97-107. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-69092008000300007

Downloads

Publicado

2020-12-03

Como Citar

ROMA, T. N. de; MOREIRA, L. de A.; RIONDET-COSTA , D. R. T.; QUIRELI, B. A. (In)Justiça ambiental: o caso da disposição de resíduos sólidos em dois bairros de Itajubá [MG]. Labor e Engenho, Campinas, SP, v. 14, p. e020010, 2020. DOI: 10.20396/labore.v14i0.8658724. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/labore/article/view/8658724. Acesso em: 16 out. 2021.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)