Área de preservação permanente urbana e o manejo da água

inovação, resiliência e adaptação aos eventos hidrológicos extremos

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/labore.v14i0.8659862

Palavras-chave:

Área de preservação permanente urbana, Saneamento ambiental, Mudanças climáticas, Drenagem sustentável, Manejo de águas urbanas, Adaptação aos eventos hidrológicos extremos

Resumo

O presente artigo discute alternativas de inovação técnica para o instituto das áreas de preservação permanentes (APP), definidas pelo Código Florestal Brasileiro, em área urbana. Áreas que hoje se encontram edificadas, asfaltadas, não florestadas e que, apesar do uso e ocupação do solo urbano, possuem fragilidades naturais e funções hidrológicas com potencial de ocasionar impactos significativos ao bem-estar das populações humanas. A premissa é que tais áreas são estratégicas para a segurança hídrica e o microclima urbano. Escorregamentos e deslizamentos, enchentes e inundações, eventos diretamente associados ao uso e a ocupação do solo podem ser mitigados com intervenções nas APPs. O arcabouço teórico tem como base o paradigma do manejo ecológico das águas urbanas. Para demonstrar a viabilidade da proposta, realizamos ensaio técnico em área de APP urbana de topo de morro na Avenida Paulista, Espigão Central da cidade de São Paulo, divisor de água entre os rios Tietê e Pinheiros. Os resultados demonstram que o volume de retenção de água pluvial junto às edificações existentes no recorte do ensaio é equivalente à capacidade de todos os reservatórios da cidade de São Paulo em operação, confirmando o potencial destas áreas para minimizar as vazões de pico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcio Ackermann, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Doutorando em Arquitetura e Urbanismo pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas.

Patricia Rodrigues Samora, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Pós-doutora e Doutora pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo. Docente no Programa de Pós Graduação em Urbanismo e no curso de graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas.

Referências

Ab'Saber, A. N. (1957). Geomorfologia do sítio urbano de São Paulo. São Paulo: USP-FFCL.

Baptista, M., Nascimento, N., & Barraud, S. (2005). Técnicas Compensatórias em Drenagem Urbana. Porto Alegre: Associação Brasileira de Recursos Hídricos (ABRH). 266p.

Barros, M. T. L. (2014, junho). Drenagem Urbana: O Caso de São Paulo. Enchentes: as políticas adotadas para combater as enchentes em São Paulo estão corretas? São Paulo: Boletim Informativo FDTE.

Estratégia regulatória para as áreas de preservação permanentes urbanas. Relatório final (2015). São Paulo: FGV Direito SP, Centro de Pesquisa Jurídica Aplicada.

Findlay, S. J., & Taylor, M. P. (2006). Why rehabilitate urban river systems? Area, 38 (3), pp. 312-325. Disponível em: http://www.capital.sp.gov.br/cidadao/rua-ebairro/equipamentos/piscinoes – Acesso em 15 out./2019.

Lei das Piscininhas. (2010) Escola Politécnica PHD 2537: Água em ambientes urbanos. São Paulo – USP.

Martins, J. R. S., Moura, N. C. B., & Pellegrino, P. R. M. (2014). Transição em infraestruturas urbanas de controle pluvial: uma estratégia paisagística de adaptação às mudanças climáticas. Paisagem e Ambiente: Ensaios, nº 34, pp.107-128. São Paulo.

Santos, A. R. (2012). Enchentes e deslizamentos: causas e soluções: áreas de risco no Brasil. São Paulo: PINI.

Sepe, P. M., Pereira, H. M. S. B., & Bellenzani, M. L. (2014). O novo Código Florestal e sua aplicação em áreas urbanas: uma tentativa de superação de conflitos? Anais do 3° Seminário Nacional sobre o Tratamento de Áreas de Preservação Permanente em Meio Urbano e Restrições Ambientais ao Parcelamento do Solo. Belém: UFPA.

Travassos, L., & Schult, S. I. M. (2013). Recuperação socioambiental de fundos de vale urbanos na cidade de São Paulo, entre transformações e permanências. Cadernos Metrópole, 15 (29), pp. 289-312.

Tucci, C. E. M., Rubem, L. L. P., & Barros, M. T. L. (1995). Drenagem Urbana. Porto Alegre: ABRH/ Ed. UFRGS.

Downloads

Publicado

2021-02-23

Como Citar

ACKERMANN, M.; SAMORA, P. R. Área de preservação permanente urbana e o manejo da água: inovação, resiliência e adaptação aos eventos hidrológicos extremos. Labor e Engenho, Campinas, SP, v. 14, p. e020007, 2021. DOI: 10.20396/labore.v14i0.8659862. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/labore/article/view/8659862. Acesso em: 15 out. 2021.