Requalificação de rios urbanos no âmbito da renaturalização, da revitalização e da recuperação.

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/labore.v14i0.8659900

Palavras-chave:

Renaturalização de rios, Revitalização de rios, Recuperação de rios, Rios Urbanos

Resumo

A requalificação de cursos d’água, principalmente em áreas urbanas, é um grande desafio para a manutenção e retomada dos serviços ecossistêmicos valiosos prestados por estas áreas, auxiliando no aumento da qualidade de vida da população. As intervenções, em cursos d’água, podem ser classificadas de diferentes formas, em função do grau de atuação em cada uma das frentes envolvidas no processo e no contexto em que o curso d’água está inserido. Neste estudo foi realizada uma revisão da literatura existente sobre o assunto a fim de encontrar qual definição utilizada para cada tipo de requalificação de cursos d’água, e obteve-se o uso predominante de 3 termos: a Renaturalização, a Revitalização e a Recuperação. A renaturalização se dedica ao retorno do sistema às condições naturais, ou às condições pré-desenvolvimento. Já revitalização se dedica à criação de uma nova condição de equilíbrio, diferente da condição natural, para o sistema para que este possa suportar diversos tipos de usos urbanos. Por fim a recuperação se dedica ao reestabelecimento das condições sanitárias do sistema, podendo ser vista como uma etapa intermediária da revitalização e da renaturalização. Diante das demandas existentes em cada uma das três técnicas, neste estudo é realizada a análise crítica da aplicabilidade de cada uma delas para o caso brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliana Caroline de Alencar da Silva, Universidade de São Paulo

Pós-doutorado pela Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAUUSP) na área de Infraestrutura verde e azul. Doutorado e Mestrado pelo Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental (PHA) da Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (EPUSP) atuando na linha de pesquisa "Revitalização, recuperação e renaturalização de bacias hidrográficas". Professora de ensino superior em disciplinas e cursos relacionados a Drenagem urbana, Saneamento, Recursos Hídricos, Planejamento Urbano, Planejamento da Paisagem e Infraestrutura Verde e Azul. Consultora em projetos de infraestrutura urbana, de infraestrutura verde e de drenagem sustentável, além de estudos hidráulicos, hidrológicos e de revitalização de bacias hidrográficas. (Fonte: Currículo Lattes)

Monica Ferreira do Amaral Porto, Universidade de Sao Paulo

Possui graduação em Engenharia Civil Escola Politécnica pela Universidade de São Paulo (1978), mestrado em Engenharia Civil [SP-Capital] pela Universidade de São Paulo (1983), doutorado em Engenharia Civil [SP-Capital] pela Universidade de São Paulo (1993) e livre-docência pela Escola Politécnica da Universidade de São Paulo (2003). É Professora Sênior no Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental da EPUSP e Assessora na Presidência da SABESP. Foi Professora Titular da Universidade de São Paulo de dezembro/2005 à julho/2019. Foi Chefe do Departamento de Engenharia Hidráulica e Ambiental da Escola Politécnica da USP de julho/2018 à julho/2019. Foi Presidente do Conselho Curador da Fundação Centro Tecnológico de Hidráulica de agosto/2018 à julho/2019. Foi Presidente do Comitê de Integração da Bacia Hidrográfica do Rio Paraíba do Sul - CEIVAP (Gestão 2017/2019). Integrante do Conselho Deliberativo do NAP USP. Membro suplente da Congregação da Escola Politécnica junto ao Conselho Universitário. Foi Secretária Adjunta da Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos do Estado de São Paulo entre janeiro de 2015 e maio de 2018. Exerceu o cargo de Diretora Presidente na Fundação Centro Tecnológico de Hidráulica - FCTH. Foi presidente da Associação Brasileira de Recursos Hídricos e diretora da International Water Resources Association. Tem experiência na área de Recursos Hídricos, com ênfase em Qualidade da Água, atuando principalmente nos seguintes temas: qualidade da água, gestão integrada de recursos hídricos, gerenciamento de recursos hídricos, gestão de recursos hídricos e qualidade da água. (Fonte: Currículo Lattes)

Referências

Ajuntament de Santa Coloma de Gramenet – Parque Fluvial del Besos, 2015 – Disponível em: http://www.gramenet.cat/es/temas/territorio/medio-ambiente/parque-fluvial-del-besos/ – Acessado em 26 jan. 2016.

Baker, S., & Eckerberg, K. (2013). A Policy Analysis Perspective on Ecological Restoration. Ecology and Society, 18(2): 17.

Brooks, S. S., & Lake, P. S. (2007). River restoration in Victoria, Australia: change is in the wind, and none too soon. Restoration Ecology, 15 (3), 584-591.

Buijs, A. E. (2009). Public support for river restoration. A mixed-method study into local residents' support for and framing of river management and ecological restoration in the Dutch floodplains. Journal of Environmental Management, 90(8), 2680-2689.

Cardoso, A. S., & Baptista, M. B. (2013). Metodologia multicriterial para orientação de processos decisórios relativos a intervenções em cursos de água em áreas urbanas. Revista REGA, 10 (1), 51-67.

Cardoso, A. S., & Baptista, M. B. (2011). Metodologia para Avaliação de Alternativas de Intervenção em Cursos de Água em Áreas Urbanas. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, 16 (1), 129-139.

Cengiz, B. (2013). Urban River Landscapes. Advances in Landscape Architecture, book edited by Murat Özyavuz, ISBN, p. 978-953, 2013.

Chin, A., & Gregory, K. J. (2005). Managing urban river channel adjustments. Geomorphology 69, 28-45.

Córrego Limpo – Informações, mapas, planilhas e fotos obtidas junto à coordenação do programa “Córrego Limpo” durante a elaboração da pesquisa e outras informações disponíveis em: http://www.corregolimpo.com.br – Acessado em 18 fev. 2011.

De Oliveira, E. M., Soares, M. C., & Bonzi, R. S. (2012). Aplicação do desenho ambiental para a bacia do córrego das corujas: Potencialidades e limitações na implantação de um parque linear. Revista LABVERDE, n. 4, pp. 31-62.

DRENURBS – Iniciativas inspiradoras – Programa DRENURBS: Uma concepção inovadora no meio urbano, Belo Horizonte - MG, 2013. Disponível em: http://www.solucoesparacidades.com.br/wp-content/uploads/2013/09/AF_DREN NURBS_WEB.pdf – Acessado em 01 fev. 2016.

Findlay, S. J., & Taylor, M. P. (2006). Why rehabilitate urban river systems?. Area, 38 (3), 312-325.

Kondolf, G. M. (2006). River restoration and meanders. Ecology and Society, 11 (2), p. 42.

Kondolf, G. M., Anderson, S., Lave, R., Pagano, L., Merenlender, A., & Bernhardt, E. S. (2007). Two decades of river restoration in California: what can we learn?. Restoration Ecology, 15(3), 516-523.

Francis, R. A., & Hoggart, S. P. G. (2009). Urban river wall habitat and vegetation: observations from the River Thames through central London. Urban Ecosystems, 12 (4), 465-485.

Groffman, P. M., Bain, D. J., Band, L. E., Belt, K. T., Brush, G. S., Grove, J. M., & Zipperer, W. C. (2003). Down by the riverside: urban riparian ecology. Frontiers in Ecology and the Environment, 1(6), 315-321.

Hagen, D., Svavarsdottir, K., Nilsson, C., Tolvanen, A. K., Raulund-Rasmussen, K., Aradòttir, À. L., & Halldorsson, G. (2003). Ecological and social dimensions of ecosystem restoration in the nordic countries. Ecology and Society, 18(4).

Machado, A. T. G. M., Lisboa, A. H., Alves, C. B. M., Lopes, D. A., Goulart, E. M. A., Leite, F. A., & Polignano, M. V. (2010). Revitalização de rios no mundo: América, Europa e Ásia. Projeto Manuelzão. Belo Horizonte: Instituto Guaicuy.

Macedo, D. R., & Magalhães, A. P. (2011). Percepção Social no Programa de Restauração de cursos d’água urbanos em Belo Horizonte. Sociedade & Natureza, 23(1): 51-63.

Manuel, P. M. (2003). Cultural perceptions of small urban wetlands: Cases from the Halifax regional municipality, Nova Scotia, Canada. Wetlands, 23(4), 921-940.

Martín-vide, J. P. (1999). Restoration of an urban river in Barcelona, Spain. Environmental Engineering and Policy, 2(3), 113-119.

Nakamura, K., Tockner, K., & Amano, K. (2006). River and wetland restoration: lessons from Japan. BioScience, 56(5), 419-429.

Nam-choon, K. (2005). Ecological restoration and revegetation works in Korea. Landscape and Ecological Engineering, 1(1), 77-83.

Newson, M. D., & Large, A. R. G. (2006). ‘Natural’ rivers, ‘hydromorphological quality’ and river restoration: a challenging new agenda for applied fluvial geomorphology. Earth Surface Processes and Landforms 31, pp.1606-1624.

Nilsson, C, & Aradóttir, Á. L. (2013). Ecological and social aspects of ecological restoration: new challenges and opportunities for northern regions. Ecology & Society, 18(4), p. 35.

Otto,B., McCormick, K., & Leccese, M. (2004). Ecological Riverfront Design:Restoring Rivers, Connecting Communities. American Planning Association Planning Advisory Service Report Number 518-519.

Palmer, M. A., Bernhardt, E. S., Allan, J. D., Lake, P. S., Alexander, G., Brooks, S., & Sudduth, E. (2005). Standards for ecologically successful river restoration. Journal of Applied Ecology, 42(2), 208-217.

Palmer, M., Allan, J. D., Meyer, J., & Bernhardt, E. S. (2007). River restoration in the twenty-first century: data and experiential knowledge to inform future efforts. Restoration Ecology, 15(3), 472-481.

Pereira, A. L. (2001). Princípios da restauração de ambientes aquáticos continentais. Boletim da Associação Brasileira de Limnologia, 39(2), 1-21.

Petts, J. (2007). Learning about learning: lessons from public engagement and deliberation on urban river restoration. The Geographical Journal, 173(4), 300-311.

Projeto Arroyo Dilúvio. Informações sobre o projeto disponíveis em: http://www.ufrgs.br/arroiodiluvio

Programa Novo Pinheiros (2020). Dados do Programa Novo Pinheiros. Disponível em: http://novoriopinheiros.sp.gov.br/. Acessado em 10 abr. 2020.

Seidl, R., & Stauffacher, M. (2013). Evaluation of river restoration by local residents. Water Resources Research, 49(10), 7077-7087.

Travassos, L., & Schult, S. I. M. (2013). Recuperação socioambiental de fundos de vale urbanos na cidade de São Paulo, entre transformações e permanências. Cadernos Metrópole, 15(29), 289-312.

Ward, J. V., Tockner, K., Uehlinger, U., & Malard, F. (2001). Understanding natural patterns and processes in river corridors as the basis for effective river restoration. Regulated Rivers: Research & Management, 17(4‐5), 311-323.

UFPE – Agência de Notícias da UFPE – “Bem-vindo ao futuro Parque Capibaribe”. Disponível em: https://www.ufpe.br/agencia/clipping/index.php?option=com_content &view=article&id=16767:bem-vindo-ao-futuro-parque-capibaribe&catid=34&Itemid =122 – Acessado em 05 fev. 2016.

Downloads

Publicado

2020-07-10

Como Citar

ALENCAR DA SILVA, J. C. de; FERREIRA DO AMARAL PORTO, M. Requalificação de rios urbanos no âmbito da renaturalização, da revitalização e da recuperação. Labor e Engenho, Campinas, SP, v. 14, p. e020001, 2020. DOI: 10.20396/labore.v14i0.8659900. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/labore/article/view/8659900. Acesso em: 29 out. 2020.

Edição

Seção

Artigos