A infraestrutura verde nos espaços públicos como elemento de resiliência socioambiental pós-pandemia

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/labore.v14i0.8660779

Palavras-chave:

Infraestrutura verde, Espaços públicos, Vida urbana, Pandemia, Covid 19, Resiliência socioambiental

Resumo

A vida urbana vem sofrendo profundas mudanças em decorrência das perdas causadas pela pandemia de Covid 19, que segundo a OMS (Organização Mundial da Saúde) é uma disseminação mundial do novo coronavírus, colocando-nos diante de uma reflexão sobre os desafios para nosso futuro comum: Que modelo de planejamento urbano devemos construir, e como  as pessoas poderão se apropriar dos espaços públicos e das áreas verde da cidade de forma segura, inclusiva e com qualidade de vida nesse período durante e após pandemia? A pandemia declarada em 11/03/2020 pela OMS colocou em questão e ressaltou a importância das áreas verdes e dos espaços públicos urbanos, em contrapartida ao isolamento social a que todos ficamos submetidos, como a única “vacina” disponível para evitarmos a contaminação. Ao mesmo tempo, esse futuro incerto, nos remete a perguntas e incertezas sobre a maneira como enfrentar a crise climática, e fortalecer a sustentabilidade urbana e a qualidade de vida das pessoas em todo o planeta. A retrospectiva das pandemias que o mundo vem enfrentando, enfatiza a importância das áreas verdes na qualidade ambiental urbana das cidades, tendo como um dos principais elementos de preocupação a saúde das pessoas. Nesse sentido, será necessário propor mudanças no espaço físico e na forma de uso dos espaços públicos e das áreas verdes como forma de ressignificação da vida urbana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Deize Sanches Ximenes, Universidade de São Paulo

Pesquisadora Pós-doutoranda do Instituto de Estudos Avançados pela Universidade de São Paulo. Professora da Universidade Paulista.

Ivan Maglio, Universidade de São Paulo

Engenheiro Civil e Doutor em Saúde Pública. Pesquisador do Instituto de Estudos Avançados pela Universidade de São Paulo.

Maria de Assunção Ribeiro Franco, Universidade de São Paulo

Professora Titular da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de São Paulo.

Referências

Ahern, J. (1995). Greenways as a planning strategy. Landscape and Urban Planning, v. 33, pp. 131-155.

Alexander, C. (1965). The city is not a tree. Architectural Forum, 122 (1).

Associación de Psicología Ambiental (2020). Orientações para estar em casa. Psicologia do espaço. 2020. Disponível em: https://psicamb.org/index.php?lang=pt. Acesso em: 01 jun. 2020.

Campinas (2016). Plano Municipal do Verde. Prognósticos. Campinas : Prefeitura Municipal de Campinas.

Conselho da Avaliação Ecossistêmica do Milênio [CAEM] (2005). Ecossistemas e bem-estar humano: estrutura para uma avaliação. São Paulo : Editora Senac.

Cormier, N., & Pellegrino, P. (2008). Infra-estrutura Verde: uma estratégia paisagística para a água urbana. Paisagem Ambiente: ensaios (São Paulo), n. 25, pp. 125-142.

Coninck, H., Revi, A., Babiker, M., Bertoldi, P., Buckeridge, M., Cartwright, A., Dong, W., Ford, J., Fuss, S., Hourcade, J. C., Ley, D., Mechler, R., Newman, P., Revokatova, A., Schultz, S., Steg, L., & Sugiyama, T. (2018). IPCC – The Intergovernmental Panel on Climate Change. pp. 313-443.

Davies, Z. G. et al. (2011). Mapping an urban ecosystem service: quantifying above–ground carbon storage at a city–wide scale. Journal of Applied Ecology, 48 (5), pp.1125-34.

Direto da Ciência (2020, abril). http://www.diretodaciencia.com/2020/05/20/baixa-transparencia-de-sp-nos-dados-sobre-covid-19-ja-afeta-pesquisas/ Acesso em: 03 ago. 2020.

Faria, T. J. P. (2015). Os projetos e obras do engenheiro Saturnino de Brito e mudança na paisagem urbana. Geografia Ensino & Pesquisa, 19 (n.especial), pp. 115-122. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/geografia/article/viewFile/19375/pdf Acesso em: 10 ago. 2020.

Franco, M. de A. R. F. (2019). São Paulo nas mudanças climáticas: cenários ambientais para a resiliência urbana. São Paulo : Annablume.

Gehl J. (2013). Cidade para pessoas (1a ed., 2004). São Paulo : Editora Perspectiva.

Giordano, L. do C. (2004). Análise de um conjunto de procedimentos metodológicos para a delimitação de corredores verdes (greenways) ao longo de cursos fluviais. Tese de Doutorado. Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, SP, Brasil.

Herzog, C. P., & Rosa, L. Z. (2010). Infraestrutura verde: Sustentabilidade e resiliência para a paisagem urbana. Revista LABVERDE (São Paulo), n.1, pp. 91-115/157-161.

IPCC (2014). Climate Change 2014: Impacts, Adaptation, and Vulnerability. Part A: Global and Sectoral Aspects. Contribution of Working Group II to the Fifth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change [Field, C.B., V.R. Barros, D.J. Dokken, K.J. Mach, M.D. Mastrandrea, T.E. Bilir, M. Chatterjee, K.L. Ebi, Y.O. Estrada, R.C. Genova, B. Girma, E.S. Kissel, A.N. Levy,S. MacCracken, P.R. Mastrandrea, and L.L.White (eds.)]. Cambridge University Press, Cambridge, United Kingdom and New York, NY, USA, 1132 pp. 2014.

Jacobs J. (2011). Morte e Vida de Grandes Cidades. São Paulo : Editora Martins Fontes.

Machado, H. A. (2017). Parques lineares na cidade de São Paulo: Inserção na agenda pública e implementação. São Paulo : Escola de Administração de Empresas de São Paulo da Fundação Getúlio Vargas.

MEA, Millennium Ecosystem Assessment (2005). Ecosystems and human well-being: global assessment reports. Washington, DC [USA] : Island Press.

Oliveira, S., Andrade, H., & Vaz, T. (2011). The cooling effect of green spaces as a contribution to the mitigation of urban heat: A case study in Lisbon. Building and Environment, 46 (11), pp.2186-94.

Parron, L. M., Garcia, J. R., Oliveira, E. B. de, Brown, G. G., & Prado, R. B. (2015). Serviços Ambientais em Sistemas Agrícolas e Florestais do Bioma Mata Atlântica. Brasília : Embrapa.

Pereira, M. G. (2002). Métodos empregados em Epidemiologia. Epidemiologia teoria e prática (6a ed.). Rio de Janeiro : Guanabara-Koogan.

Schutzer, J. (2014). Infraestrutura verde no contexto da infraestrutura ambiental urbana e da gestão do meio ambiente. Revista LABVERDE (São Paulo), n.8, pp.12-30. https://doi.org/10.11606/issn.2179-2275.v0i8p12-30

São Paulo (cidade) (2002). Plano Diretor Estratégico. Lei nº 13430 de 13 de setembro de 2002. São Paulo : Prefeitura do Município de São Paulo. In https://cm-sao-paulo.jusbrasil.com.br/legislacao/813196/lei-13430-02 Acesso em: 01 jun. 2020.

São Paulo (cidade) (2014). Plano Diretor Estratégico. Lei nº 16.050, de 31 de julho de 2014. São Paulo : Prefeitura do Município de São Paulo. In https://gestaourbana.prefeitura.sp.gov.br/arquivos/PDE_lei_final_aprovada/TEXTO/2014-07-31%20-%20LEI%2016050%20-%20PLANO%20DIRETOR%20ESTRAT%C3%89GICO.pdf. Acesso em: 01 jun. 2020.

São Paulo (cidade) (2016). Decreto municipal n. 57.537, de 16 de dezembro de 2016. Institui os Planos Regionais das Subprefeituras. São Paulo : Prefeitura do Município de São Paulo. In https://gestaourbana.prefeitura.sp.gov.br/wp-content/uploads/2018/02/Decreto-57537-16_DOC.pdf. Acesso em: 01 jun. 2020.

São Paulo (cidade) (2020). Mapeamento da Cobertura Vegetal 2020. São Paulo : GEOSAMPA e SVMA (Secretaria Municipal e do Meio Ambiente). In http://geosampa.prefeitura.sp.gov.br/PaginasPublicas/_SBC.aspx#. Acesso em: 01 jun. 2020.

Senac & São Paulo (cidade) (2002). Plano Diretor Estratégico do Município de São Paulo – 2002-2012. São Paulo : Prefeitura de São Paulo; Editora Senac.

Spirn, A. W. (1995). O Jardim de Granito, A natureza no Desenho da Cidade. São Paulo : Edusp.

Waldheim, C. (org.) (2006). The Landscape Urbanism Reader. New York : Princeton Architectural Press.

Ujvari, S. C. (2011). Pandemias: a humanidade em Risco. São Paulo : Contexto. https://revistagalileu.globo.com/Ciencia/Saude/noticia/2020/03/conheca-5-maiores-pandemias-da-historia.html Acesso em: 05 jul. 2020.

United Nations Environment Programme [UNEP] (2016). Unep Frontiers 2016 Report: Emerging Issues of Environmental Concern. © 2016 United Nations Environment Programme. ISBN: 978-92-807-3553-6, Job Number: DEW/1973/NA

United Nations Environment Programme [UNEP] (2020). PNUMA lista 6 fatos sobre coronavírus e meio ambiente. Publicado em 13 abr. 2020. Disponível em https://nacoesunidas.org/pnuma-lista-6-fatos-sobre-coronavirus-e-meio-ambiente/ Acesso em: 08 jul. 2020.

USP Cidades Globais (2020). Emoções momentâneas: comportamentos e hábitos cotidianos pós-pandemia (Relatório de Pesquisa, 17p.). São Paulo : Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo.

Downloads

Publicado

2020-12-03

Como Citar

XIMENES, D. S.; MAGLIO, I.; FRANCO, M. de A. R. A infraestrutura verde nos espaços públicos como elemento de resiliência socioambiental pós-pandemia. Labor e Engenho, Campinas, SP, v. 14, p. e020011, 2020. DOI: 10.20396/labore.v14i0.8660779. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/labore/article/view/8660779. Acesso em: 16 out. 2021.