A arquitetura moderna em Belém como objeto e documento de investigação

da invisibilidade ao reconhecimento

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/labore.v14i0.8663470

Palavras-chave:

Belém, Reconhecimento, Invisibilidade, Arquitetura Moderna

Resumo

Neste artigo, expõem-se os resultados parciais da pesquisa em desenvolvimento sobre as transformações na cultura arquitetônica em Belém em sua fase moderna (1940-1980). O artigo estrutura-se em três seções: a primeira refere-se aos procedimentos teóricos e metodológicos adotados para a análise das obras; a segunda, aborda o campo profissional em que engenheiros e arquitetos produziram algumas das obras aqui enfocadas, com uma breve análise dos processos de transformação nos seus usos e em sua materialidade; e a terceira parte trata desses edifícios considerando desaparecimentos, invisibilidades, a urgência de sua proteção e da construção de sua memória histórica, entendendo-os no interior de uma estrutura socioeconômica e cultural, muitas vezes adversa às lógicas de sua valorização e salvaguarda. Evidenciam-se neste escrito os percursos adotados para registrar, analisar e divulgar essa arquitetura, em busca de seu (re)conhecimento como fonte da memória e história de Belém.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Celma Chaves, Universidade Federal do Pará

Doutorado em Teoria e História da Arquitetura pela Universidade Politécnica da Cataluña. Professora Associada IV da Universidade Federal do Pará. Coordenadora do Laboratório de Historiografia e Cultura Arquitetônica da Universidade Federal do Pará.

 

Bernadeth Beltrão, Universidade Federal do Pará

Doutoranda em Arquitetura e Urbanismo no Programa de Pós-graduaçao em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Pará.

Rebeca Dias, Universidade Federal do Pará

Mestranda em Arquitetura e Urbanismo no Programa de Pós-graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Pará.

Referências

Amorim, L. A. (2007). Obituário arquitetônico. Pernambuco modernista. Recife: Laboratório de Estudos Avançados em Arquitetura /UFPE/Delfim Amorim Instituto /FUNCULTURA.

Brant, J. N. C. (2012). A construção social do campo da arquitetura moderna em Belo Horizonte. Dissertação (Mestrado), Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, MG, Brasil.

Bourdieu, P. (2006). A Distinção. São Paulo: Zouk/Edusp.

Bourdieu, P. (1989). O Poder simbólico. Rio de Janeiro: Edifício Bertrand Brasil.

Carvalho, B. M. de (2013). Arquitetura Pública Moderna: Uma Caracterização entre Tipologia e Lugar na Cidade de Belém (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal do Pará, Belém, PA, Brasil.

Chaves, C. (2004). Arquitectura en Belém entre 1930 - 1960: Modernización con lenguajes cambiantes (Tese de Doutorado). Universidad Politécnica de Cataluña. Barcelona, CA, Espanha.

Chaves, C. (2008). Modernização, inventividade e mimetismo na arquitetura residencial em Belém entre as décadas de 1930 e 1960. Risco - Revista de Pesquisa em Arquitetura e Urbanismo, (8), 145-163. doi: 10.11606/issn.1984-4506.v0i8p145-163

Chaves, C. (2013, novembro). Projetar, construir, ensinar: sobre a cultura arquitetônica em Belém (1938-1964). Anais do 3º Seminário Ibero-Americano Arquitetura e Documentação. Belo Horizonte, MG, Brasil, 3. Recuperado de https://drive.google.com/file/d/0B9Eu9gtLU8xGOE0tSm1ET001cGs/view?usp=sharing

Chaves, C. (2016). Experiências do Moderno em Belém: construção, recepção e destruição. V!RUS, 12(1), 1-15. Recuperado de: http://www.nomads.usp.br/virus/virus12/?sec=4&item=11&lang=pt

Chaves, C., Beltrão, B., & Dias, R. (2019). Dossiê Docomomo-PA [Documentação para criação do Núcleo Docomomo Pará]. Laboratório de Historiografia da Arquitetura e Cultura Arquitetônica – Universidade Federal do Pará. Belém, PA, Brasil. Recuperado de: https://docomomo.org.br/wp-content/uploads/2019/11/dossie%CC%82-completo-Docomomo_PA.pdf

Chaves, T. A. P. V. (2011). Isto Não é Para Nós? Um estudo sobre a verticalização e modernidade em Belém entre as décadas de 1940 e 1950. (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-Graduação em História, Universidade Federal do Pará, Belém, PA, Brasil. Recuperado de: https://drive.google.com/file/d/1Z8ohQqBAerWGiHPICKAA_Nq-0Jpgauuy/view?usp=sharing

Dias, R., Souza, G., Gonçalves, R., Oliveira, L., Romaro, J., Sousa, F., & Chaves, C. (2017, março). O Percurso da Modernidade Arquitetônica de Camillo Porto de Oliveira: Da Diversidade à Simplificação Formal. Anais do II Seminário de arquitetura moderna Na Amazônia, Palmas, TO, Brasil. 2. Recuperado de: https://drive.google.com/file/d/1HxyfEnZ6Xq6UMaj-nPE4h7iaHBZvyJ_r/view?usp=sharing

Coulquhoun, A. (2005). La arquitectura moderna. Una historia desapasionada. Barcelona: Gustavo Gili.

Gastón, C., & Rovira, T. (2007). El proyecto moderno: Pautas de investigación. Barcelona: UPC.

Gorelik, A. (2011). La modernidad y sus supuestos. In: L. Muller, Modernidades de Provincia: Estado y Arquitectura en La Ciudad de Santa Fe, 1935-1943 (Prefacio, pp. 9-12). Santa Fe: Universidad Nacional del Litoral, 2011.

Hernández, M. (2014). La casa en la arquitectura moderna. Respuesta a la cuestión de la vivienda. Barcelona: Editorial Reverté.

Janjulio, M. S. (2020). Arquitetura e consumo no Pós-Segunda Guerra Mundial: os paralelos Brasil-EUA. Oculum Ensaios, 17(1), 1-16. doi: 10.24220/2318-0919v17e2020a4328

Kamita, J. M. (2004). A casa moderna brasileira. In: E. Andreoli, & A. Forty (Orgs.), Arquitetura moderna brasileira (pp. 142-169). Nova York: Ed. Phaidon.

Karnal, L., & Tatsch, F. G. (2017). A memória evanescente. In: C.B. Pinsky, & T.R. Luca (Orgs.), O historiador e suas fontes (pp. 9-28). São Paulo: Editora Contexto.

Le Goff, J. (2012). História e memória. Campinas: Ed. Unicamp.

Lemos, C. A. C. (1989). História da casa brasileira. São Paulo: Editora Contexto.

Lima, R. A. de (2019). As variações do morar moderno e a assimilação da arquitetura moderna em residências de Belém entre as décadas de 1950 e 1970 (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós graduação em Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal do Pará. Belém, PA, Brasil. Recuperado de: http://ppgau.propesp.ufpa.br/ARQUIVOS/dissertacoes/2019/Disserta%C3%A7%C3%A3o%20-%20Rodrigo%20Augusto%20de%20Lima%20Rodrigues.pdf

Lima, R. A. de, & Chaves, C. (2020). O patrimônio moderno em Belém. Em defesa de sua proteção e conservação - Contribuições ao Plano Diretor de Belém (Relatório impresso). Belém: Lahca/UFPA.

Naslavsky, G., & Marques, S. M. de B. (2011, junho). Recepção x difusão: reflexões para a preservação do patrimônio recente. Anais do 9º Seminário Docomomo Brasil, Brasília, DF, Brasil, 9. Recuperado de: https://docomomo.org.br/wp-content/uploads/2016/01/142_M20_RM-RecepcaoXDifusao-ART_guilah_naslavsky.pdf

Norberg-Schulz, C. (2005). Los princípios de la arquitectura moderna: sobre la nueva tradición del siglo XX. Barcelona: Editorial Reverté.

Stevens, G. (2003). O círculo privilegiado: fundamentos sociais da distinção arquitetônica. Brasília: UnB.

Tafuri, M. (2011). Arquitetura e historiografia. Uma proposta de método. Desígnio - Revista de História da Arquitetura e do Urbanismo, 11/12(1), 19-28. Recuperado de https://onedrive.live.com/?authkey=%21ABuk87VWfXsnmPs&cid=A7C67920D03C0DBF&id=A7C67920D03C0DBF%211715&parId=A7C67920D03C0DBF%211589&o=OneUp

Tinem, N. (2014). Preservação e documentos de projetos modernos construídos na Paraíba: registros. In: N. Tinem, & M. Cotrim (orgs.), Na urdidura da modernidade. Arquitetura moderna na Paraíba I (pp. 188-211). João Pessoa: FA Gráfica e Editora/PPGAU-UFPB, Col. Arquitetura, Historiografia e projeto.

Tostões, A. (2013). Patrimônio moderno: conservação e reutilização como um recurso. Revista Património, 1 (1), 44-53. Recuperado de: http://www.patrimoniocultural.gov.pt/static/data/publication_pdfs/rp/revista_rp_web.pdf

Waisman, M. (2013). O interior da história: historiografia arquitetônica para uso de latino-americanos. São Paulo: Perspectiva.

Downloads

Publicado

2020-12-21

Como Citar

CHAVES, C.; BELTRÃO, B.; DIAS, R. A arquitetura moderna em Belém como objeto e documento de investigação: da invisibilidade ao reconhecimento. Labor e Engenho, Campinas, SP, v. 14, p. e020016, 2020. DOI: 10.20396/labore.v14i0.8663470. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/labore/article/view/8663470. Acesso em: 15 out. 2021.