Dinâmica espacial e mercado imobiliário no centro histórico de Campina Grande [PB]

leituras iniciais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/labore.v14i0.8663504

Palavras-chave:

Centro histórico, Mercado imobiliário, Dinâmica espacial, Leituras iniciais, Campina Grande, Paraíba

Resumo

A partir da década de 1970, os centros históricos das cidades brasileiras vêm enfrentando seguidos processos de desvalorização e valorização, tendo sido objeto de intervenções urbanísticas e de estudos acadêmicos. Nesse sentido, a pesquisa que vem sendo desenvolvida pela Rede Mercado Imobiliário em Centros Históricos (MICH) visa preencher uma lacuna identificada nesses estudos, ao procurar desvendar os mecanismos de funcionamento do mercado imobiliário nessas áreas, tendo como estudos de caso os centros das cidades de Recife [PE], Belém [PA], São Luís [MA] (Lacerda et al., 2018), com a posterior inclusão de João Pessoa [PB] e Campina Grande [PB]. No caso de Campina Grande, a pesquisa iniciada em 2017 apontou que, diferentemente dos processos ocorridos nas grandes cidades, seu Centro Histórico ainda se mantem como a principal centralidade urbana do município, além de apresentar um acervo arquitetônico significativo no estilo Art Déco (Sousa & Anjos, 2018). Sendo assim, a partir da adaptação da metodologia proposta pelo MICH, este artigo visa apresentar algumas reflexões e leituras iniciais acerca das relações entre as dinâmicas espaciais e o funcionamento do mercado imobiliário no Centro Histórico de Campina Grande e seu entorno.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Kainara Lira dos Anjos, Universidade Federal de Campina Grande

Professora Adjunta do Curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal de Campina Grande.

Stéphane Mariana Cunha Lima de Sousa , Universidade Federal de Pernambuco

Mestranda do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Urbano pela Universidade Federal de Pernambuco.

Hugo Stefano Monteiro Dantas , Universidade Federal de Pernambuco

Mestrando do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Urbano pela Universidade Federal de Pernambuco.

Maria Clara Primo Passos , Universidade Federal de Pernambuco

Mestranda do Programa de Pós-graduação em Desenvolvimento Urbano pela Universidade Federal de Pernambuco.

Referências

Bernardino, I. L., & Lacerda, N. (2015). Centros históricos brasileiros: tensões entre a obsolescência imobiliária e a construção de novas espacialidades. Revista Brasileira de Estudos Urbanos e Regionais, 17 (1).

Bonates, M. F. (2010). Leis que (des)orientam o processo de verticalização: Transformações urbanas em Campina Grande à revelia da legislação urbanística. In: XI Colóquio Internacional de Geocrítica. Bueno Aires.

Camilo, J. (2013). Entrevista cedida a TV Borborema em 11 de outubro de 2013. Disponível em http://cgretalhos.blogspot.com/2013/10/video-entrevista-de-josemir-camilo-para.html. Acesso 22 out. 2018.

Campina Grande (1999). Lei Nº 3721. Criação da Zona Especial de Preservação I.

Campina Grande (2006). Lei Complementar Nº 003. Plano Diretor Municipal de Campina Grande.

Carrión, F. (2013). Dime quién financia el centro histórico u te diré qué centro es. Revista Carajillo de la Ciudad, n. 16. Disponível em: http://www.cafedelasciudades.com.ar/carajillo/imagenes16/_02_ART_CARRION_carajillo16.pdf. Acesso 28 set. 2015.

Costa, L. B. (2013). Estruturação da cidade de Campina Grande: as estratégias e intencionalidades do mercado imobiliário. Dissertação (Mestrado em Geografia). Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, PB, Brasil.

DGOTDU (2005). Vocabulário de Termos e Conceitos do Ordenamento do Território. Lisboa: Direção-geral do Ordenamento do Território e Desenvolvimento Urbano.

IPHAEP (2004). Decreto nº 25.139. Delimitação do Centro Histórico de Campina Grande.

Lacerda, N., & Fernandes, A. C. (2015). Parque tecnológico: entre a inovação e a renda imobiliária no contexto da metrópole recifense (Brasil). Cadernos Metrópole, 17 (34), pp. 329-354.

Lacerda, N. et al. (2018). Dinâmica do mercado imobiliário nos centros históricos em tempos de globalização: os casos do Recife, Belém e São Luís (Brasil). Cadernos Metrópole, 20 (42), pp. 443-469, São Paulo, ago. 2018. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2236-99962018000200443&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 22 mar. 2020.

Queiroz, M. V. D. (2008). Quem te vê não te conhece mais: arquitetura e cidade de Campina grande em transformação (1930-1950). Dissertação (Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo e Área de concentração Teoria e História da Arquitetura e do Urbanismo). Escola de Engenharia de São Carlos da Universidade de São Paulo, São Carlos, SP, Brasil.

Queiroz, M. V. D. (2010). Art Déco em Campina Grande (PB): valorização, patrimonialização e esquecimento. Revista UFG, 12 (8).

Rossi, L. (2010). Art Déco Sertanejo e uma revitalização possível: Programa Campina Déco. Revista UFG, 12 (8).

Salgueiro, T. B. (2005). A cidade como património. In: C. A. Medeiros (dir.), Geografia de Portugal (tomo 2 – Sociedade, Paisagens e Cidades, parte IV – A Cidade como Espaço de Vida e Lugar de Produção). Lisboa: Círculo de Leitores.

Silva Filho, L. G. (2005). Síntese histórica de Campina Grande, 1670-1963. João Pessoa: Editora Grafset.

Sousa, F. (2003). Campina Grande: cartografias de uma reforma urbana no Nordeste do Brasil (1930-1945). Revista Brasileira de História, 23 (46), São Paulo.

Sousa, S. M. C. L., & Anjos, K. L. (2018). O mercado imobiliário e a dinâmica espacial no centro histórico de Campina Grande/PB. In: Anais do XV Congresso de Iniciação Científica da Universidade Federal de Campina Grande. Disponível em: http://pesquisa.ufcg.edu.br/anais/2018/resumos/xv-cicufcg-5609.pdf. Acesso em: 22 mar. 2020.

Zancheti, S. M., & Lapa, T. (2012). Conservação Integrada: evolução conceitual (pp. 18-32). In: N. Lacerda & S. M. Zancheti (orgs.). Plano de Gestão da Conservação Urbana: conceitos e métodos. Olinda: CECI.

Downloads

Publicado

2020-12-22

Como Citar

ANJOS, K. L. dos; SOUSA , S. M. C. L. de; DANTAS , H. S. M.; PASSOS , M. C. P. Dinâmica espacial e mercado imobiliário no centro histórico de Campina Grande [PB]: leituras iniciais. Labor e Engenho, Campinas, SP, v. 14, p. e020018, 2020. DOI: 10.20396/labore.v14i0.8663504. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/labore/article/view/8663504. Acesso em: 5 dez. 2021.