Narrativas da paisagem como documentação patrimonial urbana e arquitetônica

o caso de Parnaíba [PI]

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/labore.v15i00.8665551

Palavras-chave:

Paisagem, Patrimônio, Parnaíba, Representação

Resumo

Neste trabalho trata-se das dimensões material e imaterial da paisagem urbana e ambiental, fruto da polaridade entre o centro antigo e a crescente expansão urbana que ocorre no cotidiano das cidades contemporâneas. O objetivo geral é compreender quais narrativas da paisagem emergem do patrimônio arquitetônico e urbano local e de que forma as mesmas interferem na salvaguarda do patrimônio no conjunto analisado? A metodologia utilizada baseia-se na pesquisa histórica e documental, na Teoria da Paisagem e suas narrativas e na Teoria das Representações Sociais.  O aporte teórico utilizado passa por autores como Bourdieu (1991) (2001); Choay (2017); Moscovici (2015) e outros. Espera-se, a partir dos resultados encontrados, refletir sobre os caminhos possíveis para uma gestão e salvaguarda mais eficaz do patrimônio no século XXI.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Isis Meireles Rodrigues, Centro Universitário Uninovafapi

Doutoranda em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal de Minas Gerais. Professora do Centro Universitário Uninovafapi.

Celina Borges Lemos , Universidade Federal de Minas Gerais

Professora Titular do Departamento de Análise Crítica e Histórica da Arquitetura e do Urbanismo da Escola de Arquitetura, Universidade Federal de Minas Gerais.

Referências

Almanaque da Parnaíba. (1995). Parnaíba: Sieart.

Alvarenga, A.V. M. (2017). Parnaíba Historiografada: da cidade projetada à cidade habitada. Vozes, Pretérito & Devir. Ano IV, Vol. VII, No i.

Arantes, A. A. (2006). O patrimônio cultural e seus usos: a dimensão urbana. Habitus 4(1) 425-435. Goiânia.

Barcellar, O. I. B. (1997). Observações sobre o Piauí. In Almanaque da Parnaíba. Parnaíba: Academia Parnaíbana de Letras, n. 64.

Bauer, M. (2016) On (Social) representations and the iconoclast impetus. In G. Sammut, E. Andreouli, G. Gaskell, & J. Valsiner. The Cambridge Handbook of Social Representations. Cambridge: Cambridge University Press.

Bauman, Z. (2012). Ensaios sobre o conceito de cultura. Rio de Janeiro: Zahar.

Berger, P., & L. Luckmann, T. (2008). A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. Rio de Janeiro: Editora Vozes.

Berleant, A. (1997). Living in the landscape. Toward an Aesthetics of Environment. Kansas: University Press of Kansas.

Berque, A. (2004). Paisagem-marca, Paisagem-matriz: elementos da problemática para uma geografia cultura. In R. L. Correa & Z. Rosendahl. Paisagem, tempo e cultura. Rio de Janeiro: EDUERJ.

Canclini, N. (2015). Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. São Paulo: Edusp.

Castello Branco, L. Progressos (1927). In Almanaque da Parnaíba para 1927. Belém: J. B. dos Santos & Comp.

Castells, M. (2016). A sociedade em rede. São Paulo: Paz e terra.

Cavalcante, A. M. (2021). A moradia urbana do Piauí no sec. XIX. 2021. Tese (Programa de Pós Graduação em Arquitetura e Urbanismo) Universidade de São Paulo, São Carlos (SP) Brasil.

Chartier, R. (1990) A História Cultural: entre práticas e representações. Lisboa: Difel.

Chauí. M. (2008) Cultura e democracia . In: Crítica y emancipación : Revista latino-americana de Ciências Sociales. Año 1, no. 1 (jun. 2008- ). Buenos Aires : CLACSO.

Choay, F. (2009). A alegoria do patrimônio histórico. tradução de Luciano Vieira. São Paulo: Editora Estação da Liberdade.

Choay, F. (2011). As questões do patrimônio: antologia para um combate. Lisboa: Edições 70.

Correa, R. L., & Rosendahl, Z. (2004). Paisagem, tempo e cultura. Rio de Janeiro: EDUERJ.

Cosgrove, D. (2004). A geografia está em toda parte: cultura e simbolismo nas paisagens humanas. In R. L. Correa & Z. Rosendahl. Paisagem, tempo e cultura. Rio de Janeiro: EDUERJ.

Cruz, R. C. (2007). A. Geografia do turismo: de lugares a pseudo-lugares. São Paulo: Roca.

Da Parnaiba, J. (1933). Parnaíba – Norte do Brasil. Almanack da Parnahyba. 10 ed. Fortaleza: Renascença.

Dollfus, O. (2004). Comentário: A produção do meio. In R. L. Correa & Z. Rosendahl (2004). Paisagem, tempo e cultura. Rio de Janeiro: EDUERJ.

Duveen, G. (2015). O poder das ideias. In. S. Moscovici. Representações sociais: investigação em psicologia social. Petrópolis: Vozes.

Farr, R. (2013). Representações sociais: a teoria e sua história. In P. Guareschi & S. Jovchelovitch (Org.). Textos em representações sociais. Petrópolis: Vozes.

Ferraz, F. B. (2017). Influencia eonomica no avançocultural em Parnaíba e o resgate de seu almanque. Almanaque da Parnaíba. 70 ed. Parnaíba: Sieart.

IBGE (2018). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Indicadores Sociais Municipais.

IPHAN (2008) Piauí tem três bens promovidos a patrimônio cultural brasileiro. 2008. Disponível em: http://portal.iphan.gov.br/noticias/detalhes/2101. Acesso em março de 2019.

IPHAN (s./d.). Patrimônio Material – PI. [2011?]. Disponível em http://portal.iphan.gov.br/pagina/detalhes/563. Acesso em março de 2019.

Jodelet, D. (2017) Representações sociais e mundos de vida. Curitiba: PUCPRESS.

Lahlou, S. (2016) Social representations and social construction: the evolutionary perspective of installation theory. In G. Sammut, E. Andreouli, G. Gaskell & J. Valsiner (2016). The Cambridge Handbook of Social Representations. Cambridge: Cambridge University Press.

Laraia, R. B. (2017). Cultura: um conceito antropológico. Rio de Janeiro: Zahar.

Lefebvre, H. (1991). A vida cotidiana do mundo moderno. São Paulo: Ática.

Lefebvre, H. (1983). La presencia y la ausência. Contribuicion a la teoria de las representciones. México: Fondo de Cultura.

Lopes, M. (2013). Os conceitos fundamentais da pesquisa sócio espacial. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Maffesoli, M. (1995). A contemplação do mundo. Porto Alegre: Artes e Ofícios.

Melo, N. B. A. L. (2011). O ecletismo parnaibano: hibridismo e tradução cultural na paisagem da cidade na primeira metade do século XX. 2011. Dissertação (Programa de pós graduação em História) Universidade Federal do Piauí, Teresina (PI) Brasil.

Mendes, I. (2008). Porto de Luís Correia: histórico de um sonho. Parnaíba: Sieart.

Minayo, M. (2004). O desafio do conhecimento. Pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec.

Moliner, P., & Abric, J. C. (2016). Central Core Theory. In G. Sammut, E. Andreouli, G. Gaskell & J. Valsiner. (2016) The Cambridge Handbook of Social Representations. Cambridge: Cambridge University Press.

Moscovici, S. (2015). Representações sociais: investigação em psicologia social. Petrópolis: Vozes.

Moura, C. (2009). O advento dos conceitos de cultura e civilização: sua importância para a consolidação da autoimagem do sujeito moderno. Filosofia Unisinos 10(2): 157-173. DOI 10.4013/fsu.2009.102.03

Paiva. R. A. (2016). Os ícones urbanos arquitetônicos. In H. C. Vargas & R. A. Paiva (Org.) (2016). Turismo, arquitetura e cidade. Baueri, SP: Manole.

Pereira, D. (2016). Cidade, patrimônio e território: as políticas Públicas federais de seleção no Brasil do Século XXI In Rev. CPC, São Paulo, n. 21, p. 36-70, jan./jul. 2016.

Potteiger, M., & Puriton, J. (1998). Landscapes narratives: design pratices for telling stories. New York: John Wiley & Sons.

Rego, J. M. A. N. (2010). Dos sertões aos mares. História do comércio e dos comerciantes de Parnaíba (1700-1950). 2010. Tese (Programa de Pós Graduação em História) – Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro.

Sammut, G., Andreouli, E., Gaskell, G., & Valsiner, J. (Eds.) (2016). The Cambridge Handbook of Social Representations. Cambridge: Cambridge University Press.

Sammut, G. (2016) Attitudes, social representations and points of view. In G. Sammut, E. Andreouli, G. Gaskell, & J. Valsiner (2016). The Cambridge Handbook of Social Representations. Cambridge: Cambridge University Press.

Santos, M. (2007). A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção (4a. ed., 2a. reimpr.). São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo – (Coleção Milton Santos; 1).

Santos, M. (2016) O Brasil: territórios e sociedade no início do sec. XXI. Rio de Janeiro: Record.

Sauer, C. (2004). A morfologia da paisagem. In R. L. Correa & Z. Rosendahl. Paisagem, tempo e cultura. Rio de Janeiro: EDUERJ.

Serrão, A. V. (2005) Pensar a Natureza a partir da Estética. In XIX Encontro de Filosofia, A ética e os desafios do mundo contemporâneo. Anais [...] Edição APF – Associação de Professores de Filosofia.

Silva F., O. P. (2007). Carnaúba, pedra e barro na Capitania de São José do Piauhy. BH. Rona. 3 vol.

Silva, J. (2012). Parnaíba e o Avesso da Belle Epoque: cotidiano e pobreza (1930-1950). (dissertação de mestrado). Mestrado em História do Brasil, UFPI. Teresina.

Simão, M. C. R. (2006). Preservação do patrimônio cultural em cidades. Belo Horizonte: Autentica.

Sotero, J. A., & Perinotto, A. R. C. (2016). Análise histórica da comunicação turística em Parnaiba/PI: o poder público em questão. Revista Hospitalidade. São Paulo, volume 13, agosto de 2016.

Sousa, C. S. N. (2018). Almanack da Parnahyba: desejo de modernidade sob o véu da barbárie em Parnaíba – Piauí (1924-1941). 2018. Tese (Programa de pós gradação em História). Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia.

Tajra. J. E., & Tajra Filho. J. E. (1995). O comércio e a indústria no Piauí. In. R. N. M. Santana (Org.) Piauí: Formação, desenvolvimento, perspectivas. Teresina: Halley.

Downloads

Publicado

2021-09-20

Como Citar

RODRIGUES, I. M.; LEMOS , C. B. Narrativas da paisagem como documentação patrimonial urbana e arquitetônica: o caso de Parnaíba [PI]. Labor e Engenho, Campinas, SP, v. 15, n. 00, p. e021006, 2021. DOI: 10.20396/labore.v15i00.8665551. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/labore/article/view/8665551. Acesso em: 8 dez. 2021.